02 abril 2018

Rio Grande do Norte: piscinas naturais de Maracajaú

Rio Grande do Norte: piscinas naturais de Maracajaú

Nosso roteiro de passeios pelo litoral do Rio Grande do Norte foi assim:

. 02/11 (quinta) - Praia de Pipa (clique aqui e veja como foi)

. 03/11 (sexta) - Galinhos (clique aqui e veja como foi)

. 04/11 (sábado) - Perobas + Barra de Punaú (clique aqui e veja como foi)

. 05/11 (domingo) - Maracajaú + Beach Park Ma-Noa 



CLIQUE AQUI e leia o post introdutório sobre essa viagem feita ao Rio Grande do Norte, em novembro de 2017, que teve Natal como base para passeios no esquema daytrip (bate e volta). Os passeios foram organizados pela agência de turismo Natal Praias e nossa hospedagem foi no Pizzato Praia Hotel (clique aqui e veja nosso relato)

** MARACAJAU **

Meu sonho nesta viagem de volta a Natal era, sem dúvida alguma, finalmente conhecer os famosos parrachos de Maracajaú, as piscinas naturais mais divulgadas do litoral potiguar onde eu, em 2008, quase fui, cheguei tão perto, mas um temporal torrencial me impediu de ver as piscinas. 




Eu costumo dizer nessas horas que Deus sempre sabe o que faz, certo? Não era para eu conhecer Maracajaú naquela ocasião, mas sim quase 10 anos, oportunidade ímpar que Ele guardou para mim em que tive o privilégio de retornar ao estado e, dessa vez, com muita colaboração de São Pedro, que caprichou nos dias lindos e ensolarados que tivemos no feriado de finados de novembro de 2017 e, acima de tudo, na melhor companhia que eu poderia ter para este passeio e para toda a vida: o Julio. 


  
Portanto, lidar com frustrações faz parte da vida e das viagens também. Em 2008 eu havia planejado conhecer Maracajaú, fiquei chateada com uma chuva fora de época que atrapalhou todos os passeios do dia, mas hoje eu olho para trás e enxergo que o melhor estava por vir, que aquela não era a hora, mas sim agora! E lá fomos nós, mais uma vez com a Natal Praias, que organizou nossos passeios, e, além do dia lindo e ensolarado, também demos muita sorte com a Tábua das Marés, que estava ao nosso favor.

Para vocês terem uma ideia do que estou falando, o ideal ao visitar qualquer piscina natural é buscar fazê-lo no horário do dia em que a maré estiver mais rasa/baixa. Já aconteceu comigo de a maré estar mais baixa às 5h da manhã e depois às 17h da tarde, o que inviabilizou  por completo um passeio que planejei fazer a Maragogi, por exemplo, em 2007.




A partir de então, se tenho como objetivo visitar piscinas naturais, eu já dou uma olhada na Tábua das Marés para ver qual o melhor dia a programar e o melhor horário do dia. Por isso que é importante saber antes esse detalhe, inclusive porque, em vários lugares, a Marinha proíbe a saída de barcos/lanchas de passeio quando a maré está acima de 0.4 a 0.6.

E demos tanta, mas tanta sorte que a nós pegamos a maré rasa em 0.0 às 10:45 da manhã, o que foi incrível. Para você também se organizar, basta consultar o site da Marinha e verificar a maré no Porto mais perto da praia que visitará no dia/mês - https://www.mar.mil.br/dhn/chm/box-previsao-mare/tabuas/ 




Até onde sabemos, a melhor maré é a que conjuga lua cheia com algo perto de 0.0 porque aí ficará bem rasa. Na lua minguante, por outro lado, costuma ser uma maré morta, sem muita variação. Visto isso, aí basta verificar o dia do seu passeio e o horário da maré mais rasa. O ideal é que seja de manhã para você fazer o passeio para as piscinas naturais. Ah, por fim, é ideal chegar na piscina natural durante o período em que a maré está secando, ou seja, antes do horário da maré mais rasa, quando a visibilidade é maior do que com a maré enchendo, porque quando a maré começa a subir/encher, junto com ela vem os sedimentos e o mar tende a ficar mais mexido, prejudicando um pouco a visibilidade. 




Por experiência nossa, os passeios de barco para as piscinais naturais costumam sair no intervalo entre as 2h anteriores do horário da maré mais rasa até 2h depois. Daí a importância de você saber esses horários para poder chegar lá no melhor horário. Eles dizem que até 2 horas depois da maré mais baixa ainda dá para fazer o passeio, mas eu não gosto e não recomendo chegar nas piscinas com a maré subindo e cobrindo os corais.





Agora sim, sem mais delongas, vamos contar como foi o passeio!

Maracajaú fica a 60km de Natal, seguindo para o litoral norte e isso deu mais ou menos 1h de deslocamento. Saímos cedo mais uma vez e é claro que sempre aproveitávamos esses deslocamentos para dar ela complementada básica no soninho da manhã. 

Atenção: se você optar por ir por conta própria, fique esperto na estrada, principalmente no trecho mais próximo a Maracajaú, pois a areia das dunas estava avançando na pista, invadindo parte da estrada e nós vimos um carro atolado que precisava de ajuda.



Maracajaú é na verdade uma comunidade costeira bem simples de pescadores, com 2.000 habitantes, que pertence ao Município de Maxaranguape, cercada por dunas, coqueirais e lagoas.

Quem nos levou para os parrachos foi a Maracajaú Divers, porém, se você desejar ir por conta própria, não se preocupe porque já na estrada será abordado por vendedores do passeio de catamarã ou lancha para as piscinas naturais. A lancha (que leva 15 minutos), na época que fomos, estava em torno dos R$100,00 por pessoa e o catamarã (que leva uns 40 minutos) uns R$50,00. Esses valores sofrem atualizações e, por isso mesmo, é sempre bom tentar confirmar antes ou levar um pouco a mais de $$.




Chegando lá em Maracajaú, fomos direto para o MA-NOA Park, local que serviu como nosso ponto de apoio, onde pudemos nos organizar antes de partirmos para o passeio, passando filtro solar, guardando os pertences que não seriam usados no locker (o que foi algo bem prático e facilitador).

 

O MA-NOA Park ainda estava fechado ao público quando chegamos, mas depois, quando regressamos, pudemos ver o seu agito num domingo de grande movimento. Depois eu falo sobre o parque.



Bem, independentemente de como você optar conhecer os parrachos de Maracajaú, nós recomendamos o serviço da Maracajaú Divers, por contar com excelente infraestrutura: lanchas novas, rápidas e um ponto fixo (é fixo mesmo!) no meio das piscinas naturais que serve de apoio para você colocar suas coisas (tem um armário tipo estante), há bar para venda de bebidas, tem uma plataforma para contemplar essa imensidão de tons de azul... achei bem bacana e eles pareceram bem zelosos com a questão ambiental.




Inicialmente, assim que desembarcamos na plataforma, foi realizada uma mini palestra para explicar como usar a máscara e o snorkel (eles oferecem para quem não tem), houve inúmeros pedidos para as pessoas não pisarem nem tocarem nos corais... enfim, pareceu-me uma tentativa bacana e correta de desenvolver um turismo mais consciente no lugar.




Além de a Maracajaú Divers oferecer snorkel, eles também disponibilizam flutuador/boia para quem cansar de flutuar ou para quem não sabe nadar muito bem, já que os parrachos de Maracajaú são bem mais fundos do que os de Perobas, por exemplo.




Lá em Maracajaú não dá pé! Tem que fazer flutuação o tempo todo mesmo e por isso que as boias já ajudam.

Outro serviço oferecido pela Marajaú Divers, mediante pagamento extra, é a experiência com instrutor para mergulho com cilindro. Salvo engano, custava R$150,00 para 30 minutos. Quem nunca teve esse contato com o mergulho de cilindro, pode ser uma boa oportunidade, pois agora sim estamos em uma região de parrachos mais fundos, com ótima visibilidade e este valor está bom se comparado a outros picos de mergulho. 




A profundidade desta piscinas naturais, com a maré baixa a 0.0, fica entre 1.90 e 2.0 metros nos pontos mais rasos e por isso mesmo que não dava pé para a gente (eu tenho 1.66 m de altura kkk).



Vale registrar que as piscinas naturais de Maracajaú estendem-se por 13 km de distância em uma área de Proteção Ambiental... é uma infinidade a perder de vista de corais numa imensidão azul incrível que em nada deixa a desejar a diversos destinos caribenhos.

Não é a toa que podemos dizer com propriedade que O CARIBE É AQUI!




Depois da sessão fotos, já que subir lá na plataforma é irresistível para ter uma noção melhor do seu entorno e da grandiosidade da região, não tardei a dar um tibum e a curtir essa maravilha da natureza!



Maracajaú é um lugar para flutuar, nadar, observar corais e muitos peixinhos! Nós vimos um enorme cardume de peixes papagaio que foi lindo de viver!!!

Realmente, após quase 10 anos desde minha tentativa frustrada em visitar esse paraíso, eu estava encantada, emocionada, maravilhada e super feliz!




Daí entrar minha maior observação nisto tudo sobre este passeio que fizemos com a Maracajaú Divers: como o ponto de apoio deles é fixo no mar, além de respeitar a Tábua das Marés e o controle feito pela Marinha, eles não impõem um rigor muito grande no tempo de permanência por lá. Apenas informam os horários de saída de cada lancha e o horário de partida da última, para que as pessoas que vão ficando mais tempo estejam cientes do tempo que ainda têm para curtir o lugar.




Achei isso o máximo porque é claro que eu e Julio ficaríamos até o último minuto curtindo o mergulho. E o mais legal (para a gente, que sabe nadar bem e não se cansa tão rápido) é que a grande maioria das pessoas mergulha, fica um pouco na água e já volta. Assim, após o pico de maior aglomeração de pessoas que chegaram mais ou menos na mesma hora, as piscinas naturais vão ficando vazias.




Assim, no total, ficamos um pouco mais de 2 horas por lá, contemplando, fotografando, mergulhando e voltei super satisfeita e realizada! Missão cumprida!




Regressamos ao MA-NOA PARK e curtimos o resto da tarde por lá. O parque é legal para crianças, mas para mim e o Julio, já não vimos muita graça.

 


É justo dizer que a área do parque pareceu bem cuidada, o paisagismo chama atenção com as flores e as árvores. Há piscinas para adultos, crianças, cascatas, hidromassagem, bar molhado, piscina tipo rio com correnteza, toboáguas, recreadores, brinquedos...




Não é um parque aquático como o Beach Park do Ceará ou o Hot Park de Caldas Novas. Nem espere por isso. Mas, insisto em dizer, para quem estiver com crianças, é válido como um passeio recreativo.





A gente, por outro lado, que já tinha mergulhado mais que suficiente nos parrachos de Maracajaú, acabou usando o MA-NOA Park mais para nos organizarmos mesmo, tomar um banho de água de doce no chuveiro, fazer um lanche e aproveitamos para caminhar na praia! 




Caminhamos até a pontinha do lado esquerdo e ficamos observando a galera fazendo kite surf e o pessoal no quadriciclo, que, juntamente com os passeios a cavalo, buggy, também podem ser contratados por lá para quem quiser fazer algo diferente.




A gente se contentou com a caminhada mesmo e um último banho de mar!

Curiosidade: por que será que as praias dessas regiões de piscinas naturais não é tão bonita, hein? Já pararam para pensar nisso?




Tipo, a praia em si de Maracajaú não é nada espetaculosa, assim como a praia das piscinas naturais de Perobas ou de Maragogi. Que interessante, não acham? Mas valeu para um banho e para o Julio pegar uns "jacarés" por lá.

Assim, encerramos com chave de ouro nossos intensos 4 dias muito bem aproveitados no Rio Grande do Norte! Valeu muito a pena esperar por você, Maracajaú! Até a próxima!




Descrição do Passeio com a Natal Praias: são oferecidas saídas diárias, porém, o Parque Aquático MA-NOA Park só funciona de quarta a domingo. Nas segundas e terças, o passeio usa como ponto de apoio um bar com piscina. O passeio sai de manhã cedo e regressa de tarde, com duração aproximada de 7h. Os valores abaixo devem ser confirmados porque a tabela é de novembro de 2017 e esses valores sempre sofrem alterações. 

. MA-NOA PARK + Mergulho na Praia de Maracajaú LANCHA – R$ 150,00 dinheiro / R$ 170,00 cartão, por pessoa
. MA-NOA PARK + Mergulho na Praia de Maracajaú CATAMARÃ – R$ 120,00 dinheiro / R$ 140,00 cartão, por pessoa
. MA-NOA PARK apenas – R$ 70,00 dinheiro / R$ 80,00 cartão, por pessoa

Observação: crianças com menos de 6 anos de idade não podem fazer o passeio aos parrachos. O mergulho com cilindro é cobrado à parte e deve ser pago no local. 

E não deixem de ler as dicas que já mostramos aqui no blog:





Quem nos recebeu muito bem em Natal e organizou absolutamente tudo para a gente, desde passeios até a hospedagem, foi a agência de turismo local, a Natal Praias. Optamos por fazer os passeios para Pipa, Galinhos, Perobas e Maracajaú, porque já era minha quarta vez em Natal e decidimos conhecer alguns lugares novos. Por isso não fizemos os passeios mais básicos de Natal, como o City Tour que passa pelo Forte dos Reis Magos, o passeio para o Maior Cajueiro do Mundo, as dunas de Genipabu... esses lugares já eram conhecidos por nós, mas lembro que eles super valem a pena, especialmente para quem não conhece a região e vai pela primeira vez.

Inclusive, além das matérias que vocês encontrarão aqui no Apaixonados, também indico para vocês o portal da Natal Praias, que está muito bem estruturado e de fácil pesquisa para complementar na organização e no planejamento de vocês na próxima sua viagem que fizerem para Natal e região, tornando muito tranquila a tarefa de montar seus roteiros de passeios!

Passeios em Natal

Passeios pelo Rio Grande do Norte

Passeio para Maracajaú

Obs: Você entende sobre a Tábua das Marés? Sabe que ela influencia diretamente o seu passeio quando envolve mergulho em piscinas naturais? Se não sabia disso e se o foco da sua viagem para o Nordeste é justamente fazer o passeio em piscinais naturais com mergulho, você precisa ler a nossa matéria que explica direitinho sobre como planejar o melhor dia para você fazer esse passeio. CLIQUE AQUI e não deixe de perguntar para a agência de passeios que você contratar, ou o barqueiro ou jangadeiro, qual o melhor horário do dia para fazer a visita às piscinas naturais e ter a melhor experiência, ok?


** SERVIÇO **

Os passeios foram feitos com a Natal Praias, a convite.

Para mais informações, visite o site da agência de passeios: https://www.natalpraias.com.br/  


Posts no Instagram na Tag #apaixonadosporviagensnatal17 
  1. Confesso que nunca tinha ouvido falar das piscinas naturais de Maracajaú, mas gostei muito deste vosso relato, obrigado pela partilha. Só desejo que o turismo não "estrague" esse refúgio natural, coisa que já senti acontecer noutros lugares tipo Maragogi. Grande abraço e boas viagens.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Filipe! Tudo bom?

      Muito obrigada pelo comentário. Maracajaú é um lugar belíssimo e não deixa a desejar frente à Maragogi, por exemplo. A diferença maior é que, em Maracajaú, pela profundidade, você não consegue pisar no chão/areia e isso, ao meu ver, é seu grande trunfo no sentido de manter-se mais bem preservado. Pela dificuldade de não conseguir ficar em pé, muitas pessoas que vão até lá ficam boiando um pouco e depois voltam. Não tem isso de ficar bebendo, comendo dentro da água porque é bem fundo. Mas eu penso como você... sempre que descobrimos um lugar paradisíaco, logo pensamos em como seria formidável se as pessoas tivessem mais consciência ecológica e não praticassem um turismo predatório, principalmente em relação ao lixo...

      Vamos seguir na torcida par que Maracajaú continua sempre linda!

      abraços,
      Lily

      Excluir
  2. Adorei seu relato. Irei a Natal em janeiro 2019 e quero ir am Maracajau. As fotos dentro da água vcs tiraram com sua câmera mesmo, ou tem alguém que tira fotos de mergulhos? (pergunto isso porque há um lugar parecido em João Pessoa chamado Picãozinho- onde o fotógrafo faz as fotos e depois nos vende um CD). Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Maralu!

      Tudo bom? Que delícia, hein?? Quer levar a gente junto, não?

      Nós tiramos sim as nossas fotos com uma câmera GoPro! Que bom que gostou!

      Mas não se preocupe, porque em Maracajau é igual ao Picãozinho (eu conheço tb!), Maragogi e outras piscinas naturais famosas! Tem sim um fotógrafo lá que pode ser contrato para comprar as fotos dele, tá?

      Espero que se divirta bastante! Aproveite aquele paraíso!
      Beijos,
      Lily

      Excluir

Botão do Whatsapp só funciona no celular

Digite o que procura e tecle "enter" para buscar