quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Serra Gaúcha: Mini Guia para Aproveitar Intensamente 3 dias

Estivemos no feriado de 7 de setembro na Serra Gaúcha, para relembrar um pouco das suas belezas e curtir lugares novos também!

Eu estive nesta região há 7 anos, oportunidade em que pude ficar 5 dias e aproveitei bastante os passeios para explorar a Serra e suas cidades charmosas.

Julio, por sua vez, esteve por lá há 10 anos. Ou seja, estava mesmo na hora de voltarmos e, dessa vez, ainda melhor porque estávamos juntos!

Embora tenha sido muito rápida essa nossa passagem, de apenas 3 dias inteiros – em ritmo maratonista – nós pudemos aproveitar bastante.


Lago Negro, Gramado

Cascata do Caracol - Canela

Compramos as passagens aéreas com a TAM em novembro de 2014 (sim, eu sou planejada! Kkkk...) e pagamos bem baratinho.

Alugamos carro com a Avis no aeroporto Salgado Filho de Porto Alegre e subimos a serra rumo a Bento Gonçalves, que foi nossa primeira base de apoio para os passeios. Escolhemos Bento pela facilidade de visitar algumas vinícolas da região dos Vinhedos e poder curtir ao máximo o lugar, o que foi uma novidade para a gente, pois da outra vez, eu havia ficado hospedada direto em Gramado e de lá eu fiz passeios bate-volta para Bento Gonçalves, Garibaldi, Caxias do Sul, Nova Petrópolis, Canela...


VEJAM AQUI AS MATÉRIAS MAIS RECENTES SOBRE GRAMADO, POR RÔ ROCCO:

- Natal Luz em Gramado

- Entrevista com Edson Erdmann, diretor artístico do Natal Luz

- Snowland em Gramado: venha viver a neve!

- Conheça a Hamburgueria Gourmet em Gramado, Me Gusta

Vinícola Casa Valduga

Bento Gonçalves

Aliás, como já conhecíamos muitas atrações da Serra, nós focamos em algumas coisas diferentes e revisitamos outras de que mais gostamos.


Bento Gonçalves

Em 2008, quando eu fui, eu fiz o passeio da Maria Fumaça, por exemplo, que sai de Bento Gonçalves e passa por Garibaldi e Farroupilha. Visitei a Fábrica da Tramontina e também estive na Vinícola Miolo.

Portanto, agora, eu decidi fazer outros passeios, mas recomendo esse passeio da Maria Fumaça que é bem típico da região, com apresentações folclóricas e opções que incluem almoço (valor em torno de R$150,00 por pessoa).


Igreja de São Pedro, em Gramado

Atrações que visitamos em 2015:


**Em Bento Gonçalves**


- Villa Valduga: Visita com Degustação na Casa Valduga, Restaurante Maria Valduga, Casa Madeira e Leopoldina Jardim
- Vinícola AlmaÚnica
- Vinícola Angheben
- La Taberna Bistrô Bier
- Rota Caminhos de Pedra: Casa da Ovelha e uma paradinha para fotos na Casa da Erva Mate


**Em Nova Petrópolis**

- Jardim do Labirinto
- Aldeia dos Imigrantes


**Em Gramado**

- Lago Negro
- Igreja de São Pedro e centrinho
- Chocolaterias: Prawer, Lugano, Planalto, Caracol e Florybal
- Restaurante La Table D’Or
- Restaurante Carlito’s
- Lago Joaquina Rita Bier
- Rótula das Bandeiras e Kikito


**Em Canela**

- Parque do Caracol
- Catedral de Pedra

Avenida Borges de Medeiros, em Gramado

Vinícola Alma Única, em Bento Gonçalves

Bem, voltando ao meu roteiro de setembro de 2015, nós não pegamos muito trânsito na subida, apesar de ser uma sexta feira, e gastamos pouco mais de 2h – 120 km - entre o aeroporto de Porto Alegre e Bento Gonçalves, que está a cerca de 700 metros de altura do nível do mar.

Google Maps: de Porto Alegre para Bento Gonçalves

Casa Valduga

Chegamos em Bento Gonçalves por volta das 21:30h e fomos direto conferir o La Taberna Bistrô Bier.



Na verdade, não havíamos programado nada para a chegada, mas tão somente ir para a Pousada e dormir cedo, pois não sabíamos que horas iríamos chegar. Como vimos que estava ainda cedo e como a Pousada Casa Tasca, onde nos hospedamos, tem recepção que funciona 24 horas, resolvemos conferir o Taberna Bistrô Bier, um barzinho descolado que fica no porão da casa da mãe do dono e só serve cervejas gourmets e artesanais produzidas pelo próprio dono, o Jorge, que é Mestre Cervejeiro! Trilha sonora pop rock, hambúrguer gourmet, azeitonas recheadas, cerveja boa e gelada... tem como ser ruim? 






Confesso que o lugar foi escolhido a partir de uma consulta rápida no TripAdvisor e quando vi que ele estava em 3º lugar de 263 restaurantes em Bento Gonçalves, fiquei  muito curiosa por conhecer.

Em seguida, fomos fazer o check in na Pousada Casa Tasca, que fica a cerca de 4 km do centro de Bento Gonçalves e a uns 10 ou no máximo 15 minutos de carro do Vale dos Vinhedos.

A Pousada Casa Tasca é gerenciada pela família italiana da Dirce e fica em um bairro bem tranquilo de Bento. O casarão reflete bem a história da imigração italiana para o Brasil, com fotos antigas da família, itens de decoração que são uma verdadeira viagem no tempo e todo um carinho estampado pela região Sul do Brasil.




Veja aqui o post completo sobre a Pousada Casa Tasca.

A Pousada conta com estacionamento próprio, café da manhã gostoso e na medida, muito aconchego para você se sentir em casa e todo um carinho da Dona Dirce que levou para a gente um chá com biscoitos à noite, para tomarmos antes de dormir. Um mimo! O quarto em que ficamos, número 3, era amplo e confortável.


Ficamos hospedados a convite na Casa Tasca e depois eu conto para vocês em detalhe como foi a nossa experiência lá. Ela tem boa pontuação nos sites Booking.com (nota 8,2) e nota 8 no TripAdvisor. É um lugar ideal para quem curte sentir-se em casa em clima familiar.

No nosso primeiro dia de passeios, fomos conhecer logo cedo a vinícola da Casa Valduga!



A Casa Valduga foi a primeira Vinícola no Vale dos Vinhedos a iniciar o Enoturismo, “abrindo suas portas” para os visitantes conhecerem o processo de elaboração dos vinhos e espumantes. Pensando no bem estar de seus clientes e observando a necessidade de oferecer maior comodidade.

CONFIRA AQUI A MATÉRIA COMPLETA SOBRE O TOUR QUE FIZEMOS NA VILLA VLADUGA









A Família Valduga, em 1992, idealizou um projeto que incluiu a criação de Restaurantes e Pousadas, consolidando-se, assim, como o primeiro Complexo Enoturístico do Brasil, no qual o visitante pode encontrar uma completa infraestrutura como a Enoboutique, espaço destinado a atender quem quer degustar e adquirir os renomados vinhos e espumantes da Casa Valduga, seus Restaurantes, para paladares requintados, onde é servido o melhor da gastronomia italiana, e as Pousadas, que reúnem o rústico com o moderno, associado ao charme de estar hospedado no coração de uma Vinícola.




Nós começamos com um vídeo que conta a história da Família Valduga, que hoje é comandada pelos irmãos Erielso, Juarez e João Valduga, que continuam a transmitir a paixão pelo vinho a seus descendentes.




No final do século 19, a família Valduga chegou ao Brasil vinda da cidade de Rovereto, na Itália, em 1875, e logo cultivaram os primeiros parreirais em meio ao Vale dos Vinhedos, no Rio Grande do Sul.

Depois, fizemos a visita guiada a algumas caves com o guia Moses que nos forneceu muitas explicações, contou várias histórias e conduziu muito bem as degustações de vinhos tintos e espumantes.








Eu já conhecia os espumantes da Casa Valduga porque foi um dos selecionados por mim e pelo Julio como opção de espumante a ser servido no nosso casamento (seria o Espumante Brut 25. E, de fato, descobrimos lá que a vinícola dedica especial atenção à elaboração dos espumantes e foi uma das primeiras vinícolas brasileiras a dominar e desenvolver o método champenoise de vinificação.

Aliás, muito curioso que esse método, na verdade, foi aprimorado pela Viúva do Seu Clicquot rsrs...  dona da marca Veuve Clicquot, como forma de separar a levedura e tirar a “sujeirinha” que ficava no espumante, girando as garrafas de um lado para o outro três vezes ao dia e depois inclinando a garrafa para concentrar a levedura na rolha e, após congelar essa parte da rolha, retirar a levedura congelada. Pensem no trabalho que isso não dá?









Hoje em dia, com boa parte deste processo automatizado, ocorre mais facilmente. Na Casa Valduga, os funcionários passam 3 vezes ao dia girando as garrafas de espumante e todo cuidado é pouco porque a pressão na garrafa, neste momento, é grande e algumas chegam a estourar.

A Casa Valduga possui a maior adega de espumantes da América Latina e investe em produtos com padrão de excelência já reconhecidos internacionalmente.

Visitamos também a Enoboutique, onde fizemos umas comprinhas.




Vinho e Espumante que compramos




E visitamos o belíssimo Restaurante Maria Valduga, onde experimentamos o seu delicioso rodízio de comidas italianas, com carnes, saladas, polenta e muita pasta deliciosamente preparada. Imperdível!





Eu amei a sobremesa de panacota! Delícia! Já o sagu, sobremesa típica do Rio Grande do Sul, não me agrada muito, mas é interessante experimentar.



O ambiente do restaurante é belíssimo! Chamou minha atenção os lustres que são maravilhosos e o barril de vinho que é a entrada para o banheiro masculino. Além disso, a música ao vivo conduzida por um ótimo pianista tornou a experiência ainda mais prazerosa e charmosa.






Na sequência, visitamos a Vinícola AlmaÚnica e fizemos uma degustação orientada pela Magda, que junto com seu irmão, é proprietária da vinícola. Primeiramente, ela nos convidou a percorrer o interior da vinícola por nossa conta (sem guia), que segue o conceito de Boutique, com tiragem pequena anual, uma produção mais restrita e focada em qualidade e não em quantidade.




Fiquei surpresa quando ela me disse que há apenas 3 funcionários na vinícola!




Degustamos 6 vinhos e acabamos comprando 2. A degustação é gratuita para todos e vale a pena conhecer a vinícola que, além de tudo, fica em um ambiente muito bonito, cercada por parreirais, em um edifício moderno e sofisticado e lembrou-me bastante o estilo de vinícola que visitei em Mendoza.




Vinhos que degustamos

Eu particularmente gosto muito das vinícolas menores, familiares, que seguem essa linha de Boutique. Sempre são agradáveis e reservam gratas surpresas. Exatamente por isso que nem cogitamos visitar as grandes, como a Aurora (embora vários de seus espumantes tenham recebido premiações), Miolo (que já visitei em 2008), Chandon, Peterlongo, porque realmente não nos interessou neste momento.






Então por que fomos à Casa Valduga? Só porque fomos convidados? Claro que não! Porque fiquei muito curiosa para conhecer todo o Complexo da Família Valduga e também porque o seu espumante  (como já disse) era a nossa segunda opção para o casamento, caso não conseguíssemos trazer de fora, com custo reduzido, os espumantes. Logo, a Casa Valduga já tinha conquistado a gente há mais tempo. Nada mais justo do que visitá-la.

Mas vejam bem, em Bento Gonçalves há cerca de 60 vinícolas! Muitas são pequenas, familiares e boutiques. Portanto, não faltarão opções para visitar. Difícil mesmo é se organizar para otimizar seu tempo e visitar o máximo que puder. O bom é que na maioria das vinícolas menores não é necessário agendar a visita e degustação.

Uma que, por exemplo, chamou nossa atenção pela matéria que lemos no blog Destemperados, que muito nos auxiliou na escolha das vinícolas, foi a Lídio Carraro. Mas não responderam meu email sobre agendamento da visita e desistimos de ir lá.  Quem sabe em outra oportunidade?

Como ainda tínhamos um tempinho, fomos rapidamente conhecer a vizinha à AlmaÚnica, que é a vinícola Angheben.



Adoramos os vinhos da Angheben, embora eles só tenham 7 vinhos próprios e, desses 7, só havia 3 para degustarmos, já que a tiragem é bem pequena, por ser uma vinícola familiar e Boutique, e não havia os demais vinhos para degustarmos.




Vinhos que degustamos

A degustação custa R$10,00 por pessoa, mas esse valor só é cobrado de quem não compra vinhos.

Gostei muito de conversar com o Eduardo, proprietário da Vinícola, que contou para a gente um pouco sobre sua família, de origem italiana – mas é uma região da Itália que pertencia à Áustria no passado – e que seu pai, que estava presente, foi o primeiro enólogo da região e trabalhou muitos anos para vinícola da Chandon, além de ter sido professor de vários renomados enólogos do Brasil, inclusive, do próprio Eduardo.

O dia ainda não tinha acabado e fomos conhecer a Casa Madeira, que faz parte do Complexo da Família Valduga.

Lá são realizadas degustações de sucos de uva, geleias, antepastos e reduções de balsâmico. Tudo muito delicioso!






Todos os produtos estão à venda, inclusive biscoitos, cervejas Leopoldina, licores, sucos de uva e muitos quitutes.

Conversamos bastante com a Sandra, que nos recebeu para um bate papo e nos apresentou os produtos da Casa.

Muitos desses produtos chegam no Rio de Janeiro em supermercados como o Zona Sul ou Pão de Açúcar.  Por isso, já conhecíamos, por exemplo, o Suco de Uva integral que é maravilhoso!

Também amei a geleia de morango com pimenta, que já havia experimentado no Restaurante Maria Valduga em uma combinação perfeita da geleia com costela de porco.

O antepasto italiano foi outro que me conquistou! Adorei! Uma pena apenas que ele vazou na minha mala quando voltamos para casa. Creio que tenha sido efeito da pressão dentro do avião. A dica é sempre envolver bem esses produtos em sacolas plásticas para não ter esses problemas.

E já para o final do dia, por volta das 18h, fomos conhecer o Leopoldina Jardim.




O lugar é uma gracinha! Um antigo casarão que foi reformado com a observância de como era antigamente, um enorme jardim muito bem cuidado e repleto de mimos como banquinhos, mesas, carroças com flores, Capela, trilha pela vegetação original que foi preservada...





ideia foi a de recriar um pedacinho de um vilarejo italiano para se sentir em casa!

Dentro do edifício principal, há uma cafeteria, um centro de compras no segundo andar e merece destaque especial para os gelattos que são produzidos artesanalmente em equipamento importado da Itália, além das cervejas artesanais elaboradas pela Cervejaria Leopoldina, outra integrante do grupo Valduga.




E você acha que só tem vinho no Vale dos Vinhedos? Nananinanão! Tem cerveja também da Casa Valduga! A Cerveja Leopoldina harmonizou perfeitamente com queijos, oferecidos pelo Eduardo, que tão bem nos recebeu no Leopoldina Jardim. 





E ele nos adiantou algumas novidades que serão implementadas para o verão 2016! Vou contar para vocês: a ideia é investir na cerveja Leopoldina e abrir um biergaten no Leopoldina Jardim! Imaginem o quão bonito ficará?

Tem tudo a ver com o lugar!

E depois de muito bate papo com o Eduardo, nós voltamos para a Pousada Casa Tasca, até porque já passava das 21h, e fomos descansar para o dia seguinte.

Porém, fomos surpreendidos com o carinho e atenção da Dirce que levou para a gente no quarto biscoitos caseiros e chá! Hummmm... adorei!!

**OBSERVAÇÃO: A VINDIMA, que é a principal festa da colheira das uvas, com várias atrações, pisa da usa, desfiles, rainhas da colheita, dentre outros, atrai muitos turistas e terá a sua 7ª Edição em 2016, de 14 de janeiro a 13 de março.

No domingo, dia 06 de setembro, acordamos cedo, tomamos café da manhã na Casa Tasca e nos despedimos de todos.

Passamos primeiro pelo centrinho de Bento, onde fica a estação de trem da Maria Fumaça.



Pena que não a vimos porque ela saiu às 9h da manhã. Mas rendeu algumas boas fotos, embora o tempo estivesse bem fechado e frio. 




Ainda, fizemos uma paradinha rápida no famoso pórtico Pipa, que é a entrada oficial de Bento e caminho para o Vale dos Vinhedos. 



Como íamos para Gramado, resolvemos seguir pela rota do Caminhos de Pedra e fizemos várias paradinhas pelo caminho. É uma estrada encantadora que vai de Bento Gonçalves para Farroupilha, Caxias do Sul, Nova Petrópolis e Gramado.

Google Maps: de Bento Gonçalves para Gramado, pelo Caminhos de Pedra

Na verdade, o trecho mesmo do Caminhos de Pedra termina antes de Farroupilha.

A rota é belíssima, com muita vegetação, rios, casarios antigos... diversos cenários encantadores!


Não resisti e fiz algumas paradas para fotografar...

Até que chegamos na Casa da Ovelha e ficamos encantados com os produtos oferecidos em sua lojinha!




Eu sou louca por queijo de leite de cabra, que costuma ser mais forte e experimentei os queijos Pecorino de leite de ovelha, os quais arrebataram o meu coração! E são queijos de maturação variada, de 45 dias, 90 dias, 180 dias, 270 dias e 500 dias! Todos com seu valor e muito gostosos.



Os queijos com maior tempo de maturação são mais fortes, de sabor mais expressivo, e tendem a ser mais quebradiços. O de 270 dias lembrou-me muito o queijo Grana Padano, por exemplo.

A lojinha também oferece queijo tipo feta - que eu provei e gostei, embora o feta grego (como voltamos há pouco tempo da Grécia, estamos com a memória bem recente do sabor do queijo de lá) seja mais salgado e com sabor mais forte e o queijo Labneth.

Aliás, tem uma oferta bem diversificada de produtos, desde ovelhinhas de pelúcia (que são ultra-mega-hiper fofas) até produtos corporais, como hidratantes, cremes e afins, produzidos a partir do leite de ovelha. Iogurtes maravilhosos (experimente o de geleia de amora), doces de leite, chocolates, ricotas e outros produtos deixaram-nos com vontade de levar de tudo um pouco!



É claro que fiz minhas comprinhas, né? Doce de leite com nozes, doce de leite com amendoim, doce de leite com coco, iogurtes (são divinos!), queijos, bombom... difícil mesmo é sair de lá sem comprar nada!

Bacana também que na Casa da Ovelha exite uma programação bem completa para o turista passar o dia por lá, se desejar. Aliás, atividades que interessaram muito a criançada que passam a ter um contato mais próximo com os bichinhos, tais como: pastoreiro com cão de caça premiado internacionalmente, amamentação dos filhotes, tosquia, ordenha, passeio no trator e alimentação das ovelhas.



Entrem em contato com eles para saber mais sobre a programação e agendar sua visita (embora eu pense que não seja necessário agendar, a não ser em caso de grupos grandes). O mais legal é que a Casa da Ovelha fica aberta todos os dias do ano!

Programação no dia 06 de setembro

Tudo feito com muito cuidado que realmente impressiona! A forma com a qual eles realmente lidam com as ovelhas, a preocupação com a limpeza, corte nos cascos,  que nós presenciamos, demonstra o carinho e o quão especial é o local.




Nós também fizemos uma degustação bem interessante com alguns dos queijos vendidos na lojinha da Casa da Ovelha, que é o segundo laticínio inspecionado que beneficia o leite de ovelha no Brasil, processando aproximadamente 150.000 litros por ano, transformada em iogurtes, doce de leite e queijos. O rebanho da Casa da Ovelha, junto com outros 5 produtores da mesma região, somam 1.200 ovelhas Lacaune, com sistema de criança em semiconfinamento em galpão de piso ripado.

Interessante também notar que o leite de ovelha é muito apreciado, principalmente por sua aceitação pelas pessoas que possuem intolerância à lactose do leite.

Como já disse, o meu queijo predileto foram o Pecorino Toscano de 270 e o de 500 dias de maturação! Mas, a bem da verdade, eu gostei muito de todos!

Continuamos pela rota turística Caminhos de Pedra e observamos as diversas casinhas, restaurantes, sítios, lojas de artesanato, dentre outros... muitas opções super atraentes para fazer inúmeras paradinhas pelo caminho, mas tínhamos que seguir adiante e chegar em Gramado antes de anoitecer!

Casa do Artesanato

Casa do Mate

Passamos por uma grande loja da Tramontina em Farroupilha (a Fábrica e loja Varejo ficam em Carlos Barbosa) cujo tamanho me impressionou também. Deu vontade de parar e fazer umas boas comprinhas para a futura casinha... mas... tínhamos esperança de visitar o Templo Budista  Chagdud Gonpa Khadro Ling , em Três Coroas, depois de Gramado. O problema é que era domingo e o templo ficava aberto somente até às 16:30.

Pelo caminho, nós passamos também por fora de Caxias do Sul e logo chegamos em Nova Petrópolis. Se fôssemos direto, sem parada alguma, o tempo normal de Bento Gonçalves até Gramado pelo Caminhos de Pedra seria de 2h de viagem.

Em 2008, eu visitei a cidade de Caxias do Sul rapidamente e o interior da belíssima igreja de São Pelegrino, que fica na Avenida Itália, 54. Se entrarem na cidade, essa igreja merece uma visita. Reparem na riqueza da decoração do seu teto.

Então paramos um pouco em Nova Petrópolis, que estava irresistivelmente linda e florida! Não é a toa que ela é chamada de o Jardim da Serra Gaúcha!



Fizemos uma pausa no Jardim do Labirinto Verde, na Praça da República, mais conhecida como Praça das Flores (Avenida 15 de Novembro, no centrinho), onde acontecerá o Festival da Primavera que começará no dia começará no dia 9 de Outubro e vai até 18 de Outubro, com muitos eventos, shows, concursos de fotografia, oficinas, Parada das Flores, caminhadas, dentre outros! Será uma boa oportunidade para passear pela Serra Gaúcha e aproveitar o feriado de 12 de outubro! 


É claro que eu andei no Labirinto Verde rsrs... confesso que demorei mais para chegar ao meio do que eu imaginava e isso até nos atrasou um cadinho!


Mas foi bem legal passear por ali, ver as crianças e as famílias tentando desvendar os caminhos do labirinto... foi divertido!

Todo o ambiente da Praça, repleto de flores, é belíssimo! Deu vontade de voltar para presenciar esse Festival da Primavera.

Ainda fomos passear um pouco pelo Parque Aldeia dos Imigrantes.


A essa altura, eu já havia desistido de ir ao Templo Budista, pois o Google Maps já mostrava que não chegaríamos antes das 16h (era domingo e o Templo fechava às 16:30h), então resolvemos relaxar e curtir esse parque com calma.

Eu já havia visitado esses lugares em Nova Petrópolis quando fui em 2008, mas como são tão fofos e estavam no nosso caminho, resolvi visitar novamente.


Esse Parque então é como relembrar a Alemanha! Essa região da Serra Gaúcha, de Nova Petrópolis, Gramado e Canela, recebeu forte imigração alemã e de suíços alemães, daí a presença forte e marcante da cultura alemã em danças, festas, comidas e outras tradições.

A entrada é paga e custa R$5,00.

É perfeitamente possível ficar algumas horas lá dentro do Parque, curtindo o ambiente, caminhando, almoçando... como era domingo, havia um grupo de músicos na Aldeia Bávara e alguns velhinhos vestidos a caráter dançando de forma bem folclórica alemã.

Nos arredores, há lojinhas e até mesmo uma homenagem ao Japão!

Fizemos uma caminhada até a Aldeia Histórica, formada pelas antigas casas dos primeiros imigrantes que estavam espalhadas em diversos municípios do interior, construídas com a técnica "enxaimel", que foram removidas para lá.



Com direito a igreja, casa dos bailes, cemitério, ferraria, escola, dentre outros, tudo isso para resgatar e preservar a cultura e a tradição dos primeiros imigrantes alemães.



Para quem curte, tem até um local para tirar fotos à moda antiga, com roupas e acessórios. Eles fazem a foto e depois revelam-na em tom sépio, com ares antigos. Vimos uma lojinha dessas também lá na estação de trem da Maria Fumaça de Bento Gonçalves. 


E já que havíamos desistido de ir ao Templo e sequer havíamos almoçado, fomos conhecer as cucas alemães que são feitas ali mesmo na Aldeia Histórica e servidas dentro da casa do salão de baile. Dica: vale mais a pena comprar a cuca inteira e eles fazem cucas que são de 2 sabores. 



Tomamos um café, revigoramos as energias, entramos um pouco no museu, que reúne diversos artefatos, roupas, eletrodomésticos, instrumentos de trabalho dos primeiros imigrantes que vieram para a Serra Gaúcha lá para a metade do século XVIII, depois demos mais uma voltinha pelo Parque e seguimos caminho rumo a Gramado.




Por esta estrada que pegamos (Nova Petrópolis fica a cerca de 30 km de Gramado, ou seja, algo em torno de 30 minutos), nós passamos pelo Snowland, famoso parque temático de Gramado que traz bastante neve e frio para a região, com a possibilidade de se praticar esportes na montanha, como esqui e snowboard, além de brincadeiras como o esquibunda na bóia, dentre outros. Os ingressos custam em torno de R$100.00. Nosso tempo era muito curto e não fomos lá, mas minha irmã esteve lá em julho com meus sobrinhos e me contou que foi muito divertido e, principalmente para criança e, mais ainda, para criança que nunca viu neve, é uma super atração e muito legal!

Pórtico de saída de Nova Petrópolis, rumo a Gramado

Fomos para Gramado seguindo pela estrada estadual RS235 e entramos na cidade pelo Pórtico de Nova Petrópolis, que eu acho lindo, todo em madeira e pedra, com seu estilo bávaro e data de 1973! (Nós chegamos também a passar pelo fofíssimo e normando Pórtico da Taquara quando fomos embora de Gramado, descendo a serra para Porto Alegre, mas foi uma peninha que estávamos já com o horário apertado e nem deu para parar e fotografar... então ficamos só com os registros do Pórtico de Nova Petrópolis dessa vez).



Finalmente, chegamos em Gramado, após 7 anos, lá eu estava novamente!

Nem fomos para o hotel, pois o dia já dava seus sinais do entardecer e, mantendo o ritmo de maratonista, seguimos para o Lago Negro




Um dos lugares mais lindos de Gramado, ao mer ver, o Lago Negro, que é um lago artificial, é sempre um bom programa para famílias, amigos e casais, em busca de sossego, de caminhadas, de contemplação da natureza ou para quem quer se divertir e andar de pedalinho pelo lago. 



Localizado no Bairro Planalto, na Rua A. J. Renner, o lugar reúne restaurantes, lanchonetes, lojinhas de artesanato, malhas, diversos outros produtos e tem também banheiros gratuitos (que estavam bem limpos quando fui).




Muitas flores, árvores cujas mudas foram trazidas da Floresta Negra Alemã, caminhar por ali já vale a pena e muito provavelmente você se sentirá mais na Europa do que no Brasil.





E como ainda estava claro, de lá partimos rumo ao centrinho, mas estacionamos o carro em frente a Loja Prawer da Avenida Borges de Medeiros, que é a principal Avenida a cortar Gramado e seu centro.

Demos uma olhada no Lago Joaquina Rita Bier, que é outra região agradabilíssima da cidade.



Tiramos fotos na Praça das Rótula das Bandeiras, onde fica uma estátua do Kikito, a versão brasileira para o Oscar do nosso Cinema - O Festival de Cinema de Gramado que acontece todo ano durante o inverno, mormente no mês de julho, é um dos mais importantes do cenário da cinematografia nacional, senão o mais importante, reunindo vários artistas famosos que fazem lotar o centrinho da cidade de fãs loucos por um autógrafo ou uma foto com seus ídolos que cruzam o tapete vermelho do festiva, que acontece no Palácio de Festivais (ao lado, mais ou menos, da Igreja de São Pedro, na Avenida Borges de Medeiros).




E como a carne é fraca, fui conferir a Loja Prawer, cuja propaganda é a de ser a primeira a comercializar chocolate caseiro no Brasil e a abrir suas portas para visita de turistas curiosos para ver de perto o processo de produção do chocolate.





Aí já não tinha mais jeito, então fomos fazer o check in no Hotel Petit Casa da Montanha, onde ficamos hospedados.


A localização do Hotel é perfeita, muito perto da Rua Coberta, da Igreja de São Pedro, ou seja, do burburinho de Gramado. Fica em uma rua que, na verdade, é paralela à Av. Borges de Medeiros.

O hotel tem estacionamento, o que já facilita muito, mas tem que avisar antes e deixar reservado que precisará de vaga, porque a garagem fica a passos do hotel, mas não é do lado. Além disso, a garagem é descoberta. Logo, se estiver chovendo, é bom ter guarda-chuva ou pedir ao hotel porque são passos suficientes para molhar bem se chover.

Ficamos na suíte de número 6, no final do corredor do segundo andar.

Em termos de acessibilidade, o Hotel peca por haver apenas escadas. Não tem rampas nem elevador.

O quarto era amplo o suficiente, mas não era hiper grande, se comparado com o banheiro que, para os padrões normais, era gigante.



Decoração em madeira com toques rústicos, o que realmente remeteu-nos a uma casa da montanha, bem aconchegante, com TV, frigobar, espelho, taças de vinhos, cama confortável, o quarto atendeu-nos perfeitamente e ficamos bem acomodados, embora tenha sido só uma noite.

O banheiro, como já disse, era bem grande, fora dos padrões, com amenities fofas e cheirosas, secador de cabelo de boas toalhas. O chuveiro era ótima, com boa pressão na água e esquentava rápido.



O aquecedor do quarto também funcionou muito bem!

Por fim, o café da manhã, que tomamos no dia seguinte, foi satisfatório, mas não era um banquete. Muitos itens deviam ser pedidos à parte e também pagos à parte, como capuccino, por exemplo. Mas o que foi oferecido era suficiente para começarmos bem o dia e, como costumo dizer aqui, eu adoro café da manhã e considero esta a principal refeição do dia, porém, no minha rotina, meu café da manhã é simples, baseado em frutas - muitas - iogurte e cereais. Logo, com pães, geleias, frios, cereais, iogurte e frutas, eu já fico muito feliz!

Agora, se tiver pão de queijo, croissant, queijos variados, omeletes e tapioca (tudo bem que tapioca com queijo coalho é mais para o nordeste, né?)... aí eu fico meeeega feliz!

Destaque super merecido que devo dar para o iogurte da Casa da Ovelha, que o Hotel Petit Casa da Montanha serve no café da manhã e que é um dos iogurtes mais maravilhosos que já tomei na vida!!! Detalhe importante é que, se vocês bem lembra, eu estive há pouco tempo na Grécia e voltei apaixonada pelo iogurte grego... mas essa da Casa da Ovelha é simplesmente maravilhoso e ficou no páreo com o iogurte grego original!

Outro destaque é para os sequilhos maravilhosos que são servidos na recepção... um dos mais deliciosos que já experimentei na minha vida!!! Gente, era de derreter na boca! E como fazer para não passar vergonha e pegar só um, hein? Difícil! Comi uns 4 rsrs...

Bem... voltando para o nosso domingo, que não tinha acabado ainda!!! A gente então, nesse TERCEIRO DIA DE SERRA GAÚCHA (chegamos na sexta à noite, passeamos no sábado e estamos agora no domingo), fez um check in vapt vupt e foi quase que correndo literalmente aproveitar os últimos raios solares para andar pelo centrinho de Gramado, na Avenida Borges de Medeiros, no sentido da Catedral de São Pedro e Palácio dos Festivais.



E tivemos a oportunidade de admirar, contemplar e fotografar um lindo anoitecer na Praça da Igreja de São Pedro







Como era domingo, estava sendo celebrada uma missa e ficamos um pouco dentro da igreja.





Depois caminhamos e fomos comprar mais chocolates!!! 





Palácio dos Festivais

Entramos na loja da Florybal, logo depois do Palácio de Festivais, entramos também na loja da Lugano e fomos comprando mais chocolatinhos irresistíveis!



Voltamos pela Rua Coberta e fomos nos arrumar para o jantar espetacular que teríamos na sequência.


Eu estive no Restaurante La Table D'Or em 2008 e, para minha grata surpresa, o restaurante manteve-se com seu alto padrão de qualidade!



Ocupa nada mais nada menos do que o 1º lugar no ranking de 347 restaurantes de Gramado!

VEJA AQUI A MATÉRIA EXCLUSIVA SOBRE O LA TABLE D'OR PUBLICADA NO APAIXONADOS POR VIAGENS.

Título justíssimo que não é para qualquer um. Eu fiquei muito feliz com o convite para poder relembrar os ótimos momentos que tive no restaurante e saborear, mais uma vez, iguarias tão bem preparadas.


Então já se sabe o que esperar de um lugar assim tão já aclamado, certo? Errado! Não espere nada e deixe-se surpreender com o excelente menu de degustações elaborado pelo chef Paulo Grandin.




Influenciado principalmente pela gastronomia mediterrânea, o chef Paulo Grandin trouxe para o menu elementos da culinária francesa, principalmente, em homenagem ao nome da casa, mas com toques bem marcantes da gastronomia portuguesa, espanhola e italiana, sem abandonar sua brasilidade, com notas e temperos baianos, por exemplo, observados em alguns pratos.



O champion paris, que já é um clássico do restaurante, é recheado com catupiry e parmesão ao Savignon Blanc e ervas finas. O Menu Degustação é composto de primeira e segunda entradas, prato principal e sobremesa.  É uma experiência completa e inesquecível que todos que forem lá deveriam vivenciar! Vale a pena mesmo!

Inclusive, a apresentação dos pratos é algo a se admirar! Perfeita, delicada e muito bonita, a apresentação dos pratos foi impecável!

Além disso, merece aplausos pelo ambiente sofisticado, elegante e low profile que o restaurante mantém, próximo ao Lago Negro, em bairro residencial. Os cuidados são percebidos logo à chegada, quando fomos recepcionados por um manobrista. Todos os garçons são muito atenciosos, tornando o restaurante em um estabelecimento diferenciado, harmonizado uma música baixa, adequada e agradável.


Por fim, mas não menos importante, eu delirei ao relembrar o sensacional Crème Brulée que é dos deuses!! O mais legal é acompanhar o garçom que finaliza a sobremesa em nossa frente, gratinando-o com um maçarico e isso torna ainda mais especial! É claro que estava delicioso!  




Nós fomos para o restaurante de carro porque era uma distância curta, mas ficamos um pouco receosos com possíveis blitz da Lei Seca. Por isso mesmo, bebemos só um pouco de vinho para acompanhar o jantar.

Voltamos para o Hotel e eu até pretendia dar uma voltinha no centrinho novamente, a pé, principalmente para registrar os termômetros que, pelos meus cálculos, já deviam marcar algo em torno dos 5º C.

Mas fui surpreendida com um forte nevoeiro que mal deixava a gente enxergar alguma coisa e acabamos desistindo.

Por ficar bem colado ao Vale do Quilombo, Gramado vira e mexe está coberta por nevoeiros.

E chegou o nosso último dia de Serra Gaúcha! Segunda-feira, feriado de 7 de setembro, nós decidimos caminhar um pouco pelo centrinho de Gramado, já que a caminhada do dia anterior tinha sido já com o anoitecer rolando.




Avenida Borges de Medeiros

Rua Coberta

Rua Coberta



Dia lindo, céu claro, sol brilhando forte e até um calorzinho matinal de 15ºC !!!!

Se vocês perceberam bem pelas fotos, não demos muita sorte no quesito dia lindo e ensolarado. No sábado ficou nublado, com algum mormaço, e no domingo o tempo ficou muito fechado e chuvoso.




Mas a segunda foi sensacional, digna para a nossa despedida e perfeita para mais passeios a céu aberto!

Caminhamos novamente pela Avenida Borges de Medeiros, passando pela Catedral de São Pedro, onde paramos para tirar mais fotos.




Dessa vez pude observar melhor a calçada da fama de Gramado, à semelhança da que existe em Hollywood, a de Gramado, que fica na frente da Catedral de São Pedro e Palácio do Festival de Cinema, conta com nomes de grandes artistas da dramaturgia brasileira!



Foi legal ficar reparando nas mãozinhas de cada um deles! Ah sim... lá em Hollywood são os pés... aqui no Brasil, em Gramado, a calçada da Fama registra as mãos! 




Caminhamos bastante pela Avenida Borges de Medeiros e entramos em mais lojinhas de chocolates


Mundo Chocolate da Lugano, na Av. Borges de Medeiros



Dessa vez fomos também ver o Mundo do Chocolate da Lugano, que minha irmã tinha ido e recomendou. Lá dentro, além de miniaturas e réplicas de grandes atrações turísticas do mundo inteiro feitas de chocolate, como a maior a Torre Eiffel de chocolate do mundo, você passa pela produção do chocolate e pode até fazer o seu próprio customizado. Meus sobrinhos adoraram!



Depois também entramos na chocolateria Caracol, onde comprei mais guloseimas rsrs... como resistir?



Como o tempo era curto e o Julio não curtiu muito, seguimos adiante e fomos parar na loja da chocolateria Planalto, onde paramos para tomar um sorvete - sim, andar no sol, mesmo que seja com baixa temperatura, esquenta, né? E o sorvete da Planalto de chocolate amargo era muuuuiiito bom!





Obs.: Como sou uma chocólatra de carteirinha, vou deixar aqui essa dica sobre as lojas. Visitei e comprei chocolates nas lojas: Prawer, Florybal, Lugano, Caracol e Planalto. Todas vendem chocolates que, de modo geral, destacam-se por terem sabor mesmo de chocolate e não de gordura hidrogenada. Na minha opinião, Prawer, Caracol e Lugano têm os melhores chocolates, ficando atrás a Planalto e a Florybal. A diferença é mínima e não sei se todos perceberão. As lojas mais caras são a Prawer e a Caracol e a mais econômica é a Florybal. A Planalto foi a única onde eu vi servindo sorvete. Mas é óbvio que não visitei todas as lojas dessas marcas rsrs... apenas as da Avenida Borges de Medeiros. Pode ser que em outras haja sorvete. O chocolate quente de todas elas é algo que não se pode deixar escapar! Divino! Vale a pena deliciar-se.

Então, após as andanças, as fotos, observando o vai e vem das pessoas, a decoração muito fofa de Gramado, nós fizemos o check out e fomos para Canela.

Ao longo da estrada que liga Gramado a Canela, que é a Avenida das Hortênsias, você já poderá ver várias outras atrações turísticas, como a DreamlandMuseu do Automóvel - Hollywood Dream CarsMuseu Gramado de Minerais e Pedras PreciosasReino do Chocolate da CaracolParque Vale dos DinossaurosParque Temático da FlorybalMundo EncantadoSuper Carros, dentre outros, estarão no seu caminho entre Gramado e o Parque do Caracol e o Parque da Ferradura.

Google Maps: Gramado - Canela, com algumas das atrações turísticas e o Hotel Petit Casa da Montanha marcado


Em 2008, eu estive no Mundo a Vapor e no Hollywood Dream Cars e gostei. O Mundo a Vapor é sensacional e todos que tenham filhos em idades de ler e compreender algumas tecnologias, deveriam visitar essa atração porque você segue um guia que fornece diversas explicações de como o nosso Mundo se revolucionou com o uso de máquinas a vapor! Antes mesmo do advento da energia elétrica, fábricas, trens e muito mais, funcionavam a pleno vapor!! Tem até uma mini fábrica de papel! Ou seja, é muita diversão e muito aprendizado ao mesmo tempo! Adultos também se encantam com o lugar. Eu gostei muito quando visitei há 7 anos.


Já o Hollywood Dream Cars, com carrões lindos de antigamente, cadillacs dignos de Elvis Presley, por exemplo, deixam qualquer apaixonados por carros (que não é o meu caso) babando e desejoso de poder dirigir um possante como aqueles que fizeram sucesso nas décadas de 50, 60 e 70.

Também estive no Mini Mundo, em 2008, e por isso não voltei agora em 2015. Mas super recomendo esse passeio porque, além de ser mega ultra hiper fofo, o Mini Mundo desperta na gente a vontade de conhecer outras várias cidades do Brasil e do mundo, por reproduzir em uma escala muito fiel, com muita perfeição, miniaturas dos mais lindos castelos, igrejas, estações ferroviárias, cidades, grandes atrações turísticas que nos inspiram a querer viajar mais! Altamente recomendável para as crianças, para terem uma noção de tudo que esse mundo maravilhoso nos oferece para conhecer!!

Aliás, Gramado e Canela estão um verdadeiro prato cheio para passear com as crianças!! Não faltam atrativos por lá e dá para ficar perfeitamente durante 1 semana por lá e é capaz de faltar de tempo para ver tudo!

OBSERVAÇÃO: SE VOCÊ ESTIVER SEM CARRO, existe a possibilidade fazer passeios com ônibus no esquema Hop On Hop Off, ou seja, com pontos e paradas onde você poderá descer e visitar as atrações turísticas e depois voltar para o ônibus e seguir com seu roteiro turístico pelas principais atrações de Gramado e Canela.


Chegamos no Parque do Caracol por volta das 13h. A entrada é paga e tem estacionamento lá dentro. 



Caminhamos até umas pequenas quedas, acompanhando o rio, bem antes da Cachoeira e depois resolvemos encarar a escadaria de quase 750 degraus para chegar lá embaixo!





Em 2008, quando fui, também fiz essa passeio e eram mais de 900 degraus porque a gente podia chegar lá embaixo mesmo, perto das pedras. Dessa vez, talvez por falta de manutenção e como medida de segurança, o acesso até a parte mais baixa estava bloqueado. Ou seja, não dá mais para chegar pertinho das pedras. E muito antigamente, era possível atravessar para o outro lado... se você olhar bem lá embaixo, nas pedras, verá que tem estrutura de mirante do outro lado da margem do rio. 





Descemos e subimos com 15 minutos para cada percurso! Acho que fizemos com um bom tempo, não?




É claro que a subida cansa muuuuuito mais do que a descida! Mas vale a pena ver de perto a Cachoeira, embora a foto mais bonita seja do mirante lá de cima, e não de baixo.

Atenção com os quatis. Há vários que aparecem durante a trilha e o maior desejo deles é pegar as comidinhas que muitos turistas deixam para trás ou carregam consigo. Cuidado com esses animais que são selvagens, ou seja, não são domesticados. Eles podem arranhar, morder como defesa e passar doenças. O certo é não alimentar os quatis!





Dica: Em dias ensolarados, o melhor horário para descer a escadaria e tirar fotos lá embaixo é pela manhã porque o sol não está incidindo bem em cima dela e você não terá muita dificuldade em fazer seus registros como eu fiz, porque, com o sol das 14h, eu tive muitos problemas com reflexos e claridade excessiva. Além disso, quando mais cedo é melhor para evitar a multidão e conseguir melhores ângulos da Cachoeira vazia. Com muita gente, já que o mirante lá embaixo é pequeno, fica difícil conseguir uma foto sozinho com a Cachoeira.

Também passamos pelo mirante que fica lá em cima, de onde se tem uma ótima vista panorâmica do parque e da cachoeira.




Após, resolvemos (eu resolvi rsrs) pagar para subir no Observatório e tirar fotos lá de cima. Mais uma vez, o horário não era o melhor e as fotos refletiam muito no vidro. Por sorte, o Julio é bem mais alto do que eu e alcançava a janelinha lá do alto que fica aberta para tirar fotos com a câmera e celular sem essa interferência do vidro. Eu cheguei até a perguntar se tinha uma escadinha para mim, mas não rolou... rsrs... Ou seja, se for nesse horário das 12 às 15h, o melhor mirante para fotos é o gratuito mesmo e não compensa muito subir lá no observatório, a não ser que você seja bem alto e consiga tirar as fotos com a câmera do lado de fora da janelinha. 



O Parque do Caracol é enoooooooorme! Tem restaurante, lanchonete, banheiros, parquinhos, passeio de trenzinho, feirinha de artesanato, trilhas, campinhos... é muita opção de lazer para famílias com crianças, casais, amigos... O parque é muito bem cuidado, limpo, com bela jardinagem e flores! Foi um passeio muito bom que indico!



Outro Parque que dizem ser imperdível, mas não pude ir, é o Parques da Serra, onde fica o Bondinho que confere uma vista de frente e bem ampla para a Cachoeira do Caracol e todo o Parque do Caracol, além de trilhas e mirantes.Ainda na mesma região, o Parque da Ferradura, em Canela, é outra atração da região que muitos já me falaram que é belíssima para visitar. Por falta de tempo, terá que ficar para a próxima!

Na sequência, já pensando na volta pela serra e na despedida de Gramado e Canela, fomos em direção ao centro de Canela. Paramos rapidinho no Castelinho Caracol, onde em 2008 eu comi um apfelstrudel simplesmente divino!!! Dessa vez não deu tempo de entrar e revisitar esse que foi uma das primeiras residências de Canela, construído entre 1913 e 1915. Mas lembro bem como ele é bonito por dentro, bem preservado pela família que nos permite fazer uma viagem no tempo. A entrada é paga (R$10,00 em 2015)



Então, depois paramos um pouquinho no centro de Canela para contemplarmos de perto a belíssima Igreja Nossa Senhora de Lourdes, mais conhecida como a Catedral de Pedra de Canela.



A Catedral de Pedra chama muita atenção com seu estilo gótico e seu tamanho imponente que ao longe já se nota.


Foi construída totalmente em pedra, na década de 50, e eleita como uma das 10 Maravilhas do Brasil no ano de 2000.



O seu interior é bem mais simples, se comparado ao exterior. Vale a pena visitar para ver de perto essa bela obra arquitetônica que é cartão postal da cidade de Canela. 



Por fim, com o tempo super apertado, sem muitas opções para almoçar, porque já era quase 16h da tarde, ligamos para vários restaurantes de indicações que recebemos, mas nenhum estava ainda aberto para almoço. A maioria ia reabrir às 18h e alguns não tinham aberto por ser segunda-feira e feriado de 7 de setembro!

Optamos pelo Restaurante Carlito's porque eu estava com desejo de comer uma sequência de fondue, à moda gaúcha!



A sequência consiste em fondue de queijo, de carne na pedra (espécie de chapa quente) e de chocolate. Foi bem em conta, R$45,00 por pessoa, e justamente por isso eu não esperava comer o melhor fondue da minha vida. De fato, foi uma experiência boa e barata, mas de sabor regular, nada surpreendente. O de queijo estava bonzinho - Julio não gostou. O de carne salvou-se pelas carnes de javali, frango e linguiça que estavam bem saborosas. Julio disse que a picanha não parecia ser picanha, mas sim alguma carne de segunda. Por fim, o de chocolate estava maravilhoso ao ponto de eu abandonar as frutas, pois já estava mais que satisfeita, e começar a comer o fondue de chocolate com uma colher!

Assim, nós nos despedimos da Serra Gaúcha e voltamos para Porto Alegre via Taquara, passando por Novo Hamburgo e, em cerca de 2 horas, estávamos no aeroporto de Porto Alegre, com tempo hábil para devolver o carro na Avis e embarcarmos! Deu tudo certo!

Foram, portanto, 3 dias inteiros (sábado, domingo e praticamente a segunda inteira) e a noite de sexta feira! Intensamente aproveitados, conseguimos passear por vários lugares, revisitar outros que desejávamos e, com certeza, ter mais certeza ainda de quão linda é a Serra Gaúcha e de como ela se desenvolveu nos últimos anos, passando a ter mais e mais atrativos!

Não tenho dúvidas de que voltaremos para aproveitarmos os passeios e atrações que não tivemos tempo de visitar!

** MELHOR ÉPOCA **

Essa questão da melhor época é muito relativa!

No inverno, talvez a época mais badalada, a procura pela Serra Gaúcha é bem grande, principalmente por conta das férias escolares e porque muita gente gosta de curtir a Serra com temperaturas baixas (e no verão, a tendência é procurar alguma praia, certo?).

Mas, como disse, isso é relativo e pessoal, pois, por exemplo, em Gramado, a decoração sensacional e maravilhosa que é feita para os espetáculos do Natal Luz de Gramado já se inicia em novembro e a busca pelo Natal nos moldes do Hemisfério Norte é intensa na região, com uma programação recheada de eventos, shows, festas e muita música e decoração fofa natalina!

Inclusive, a alta temporada em Gramado é justamente na época do inverno - julho e agosto - e durante o Natal Luz - novembro e dezembro!

Aliás, o próprio Festival de Cinema de Gramado movimenta bastante a cidade. Costuma ser em agosto e é claro que faz elevar os preços.

Por outra lado, em Bento Gonçalves, o frio também acaba sendo um grande atrativo e, principalmente, as vinícolas. Portanto, além de ser alta temporada durante os meses de julho e agosto por conta do frio e férias escolares, outro período bastante disputado é a época da Vindima, que em 2016 vai de de 14 de janeiro a 13 de março, portanto, os preços ficam mais elevados.

Maria Fumaça, em Bento Gonçalves

Se você não se importa em pagar mais caro pela hospedagem e serviços, vá nas altas temporadas porque são as épocas mais animadas, com mais atrativos, além dos que já existem.

Se você está com orçamento curto ou até mesmo prefere ir em ocasiões mais tranquilas, fugindo das multidões, aproveite para ir em meses calmos de baixa temporada, como abril, maio, setembro e outubro.

Mas tenha sempre em mente que os feriados também costumam ser tratados como preços de alta temporada, seja em qual mês for!

** ROUPAS **

Adequadas para a estação em que você for! Consultar previamente à viagem os sites de previsão do tempo sempre ajuda! Sugiro a consulta aos sites do CPTEC-INPE (site oficial do Governo), o ClimaTempo e o Accuweather.

Na dúvida, carregue sempre algo pesado, para um frio da noite e madrugada, e algo mais leve.

Em Gramado, uma das grandes "atividades" é caminhar pela Avenida Borges de Medeiros, que acaba se transformando em uma passarela de modas e tendências, pois o pessoal por lá capricha no visual! Portanto, se você estiver bem vestido, ficará apropriado para o lugar.

Av. Borges de Medeiros, em Gramado

Durante o dia, a depender do seus passeios e da temperatura, é bom ter uma roupa leve embaixo para usar se esquentar ou se você entrar em um restaurante que tenha bom aquecedor e não acabar derretendo de calor.

O esquema "Cebola" de se vestir (em camadas rsrs) sempre funciona comigo! Assim eu não passo frio nem calor e estou adequada.

Dica: no inverno faz muiiiiiiito frio e pode chover. Ter um guarda-chuva ajuda.

** DESLOCAMENTOS **

Fizemos todos os deslocamentos de carro, alugado com a empresa Avis, no aeroporto de Porto Alegre e foi a melhor opção.

Mas se você não gosta de dirigir ou não sabe, calma que tem jeito. São muitas as opções de passeios que você poderá contratar em Gramado ou Bento Gonçalves pelas cidades da Serra Gaúcha e vinícolas.

Nova Petrópolis

Apenas acho mais prático para otimizar o seu tempo se estiver de carro. Em 2008, como estava sem carro, eu fiz tudo com pequenas excursões e, em 5 dias, conheci muita coisa, muitas cidades, fiz passeios a  Canela, Nova Petrópolis, Maria Fumaça, fui à Fábrica da Tramontina, Bento Gonçalves, vinícolas e Caxias do Sul, onde visitei a belíssima Igreja de São Pelegrino, dentre outros.

Ou seja, tem como ficar sem carro sim e fazer muitos passeios contratando excursões, transfers, contratando motoristas ou taxistas (com certeza o staff do hotel em que você se hospedar poderá te ajudar com isso, indicando as agências de turismo que farão os passeios).

** RESTAURANTES **

Em Gento Gonçalves, eu confesso que acabei me guiando pelo Trip Advisor na escolha dos restaurantes. Portanto, como gostei bastante do La Taberna Bistrô Bier e amei o Restaurante Maria Valduga, indico a lista do site TripAdvisor de melhores restaurantes de Bento Gonçalves para consulta prévia dos restaurantes que vocês desejem conhecer. Leiam sempre os comentários antes, viu? Principalmente os comentários mais recentes.

No caso de Gramado, o colega blogueiro Lucas, do Gramado Blog, havia já passado várias dicas de restaurantes para minha irmã, quando ela foi em julho para lá. Eu tinha todas as dicas anotadas, mas acabei não conseguindo aproveitar por causa da correria. Porém, deixo aqui com vocês algumas delas e, como o Lucas é especialista na região, pode confiar nas dicas!

- Restaurant Schnitzelstubb, em Canela, especializado na culinária alemã, ,muito famoso e muito requisitado. Sugiro ligar e fazer reserva antes, na Rua Badem Powel, 246, Canela:(+ 00 54 91243213)
- Fritz Haus Restaurante e Choperia, na Avenida Borges de Medeiros, 2875 (+00 54 30361510)
- Gasthof Edelweiss Restaurant, na rua da Carriere, 1119 (+00 54 32861861)
- Restaurante St. Gallen, na Av. das Hortênsias, 1122
- Restaurante D'Alpes Verdes, na Avenida das Hortênsias, 1141 (+00 54 32862620)
- Restaurante Famille Gazón, perto do centrinho de Gramado e da Av. Borges de Medeiros, especializado em fondue. Nessa mesma rua do Famille Gazón (o restaurante Carlito's que fui fica bem ao lado deste Famille Gazón) há vários outros restaurantes que servem a sequência de fondue. Pesquise os preços, pois, eu observei pelos cardápios que pode variar de R$30,00 por pessoa (o que considero barato demais e suspeito) a R$120,00 por pessoa (o que considero caro demais!), como o Le Chalet, Swiss Cottage e o Maximillia.
- Restaurante Galangal, em Canela, especializado em comida oriental
- Café Colonial, algo muito típico pela região, que serve muito bem como um belo almoço - ou brunch - ou um jantar, no Café Colonial Gramado, que fica na estrada Canela-Gramado, seguindo pela Avenida das Hortênsias.
- Pizzaria Velha Bruxa, em Canela

Obs: é altamente recomendável procurar saber os horários de funcionamento dos restaurantes. Muitos fecham entre almoço e jantar e muitos não funcionam até altas horas da noite!

** DICAS **

Sugiro pelo menos 7 dias para explorar bem a Serra Gaúcha e ainda é possível estender a viagem, conferindo um ar de ecoturismo e aventura, visitando o Parque Nacional de Aparados da Serra, cuja cidade base, Cambará do Sul, fica relativamente próximo a Gramado (114km), Canela (104km), Caxias do Sul que tem aeroporto (140km), Porto Alegre (200km) e aproveitar a oportunidade para conhecer o Parque e os Cânions Itaimbezinho, Fortaleza, contemplar grutas, cachoeiras e os paredões do parque. 

** MAIS ATRAÇÕES DE GRAMADO E CANELA **

- Le Jardin Parque Lavanda
- Casa do Colono
- Gramado Zoo
- Pórtico via Taquara
- Praça das Etnias
- Museu do Automóvel - Hollywood Dream Cars
- Moinho Colonial Cavichion
- Igreja do Relógio
- Fonte do Amor Eterno
- Harley Motor Show
- Snowland
- Parque Gaúcho
- Mirante do Belvedere
- Alemanha Encantada
- A Mina - Parque Tomasini
- Rua Torta de Gramado
- Museu Gramado de Minerais e Pedras Preciosas
- Museu Fioreze
- Casa Centenária
- Mundo do Chocolate da Lugano
- Reino do Chocolate da Caracol
- Parque dos Dinossauros
- Parque Temático da Florybal
- Dreamland Museu de Cera
- Parque Temático Algum Lugar
- Mundo Encantado
- Super Carros
- Museu Medieval - Castelo Saint George
- Rótula das Bandeiras e o Kikito
- Museu Naval
- Memorial Casa Italiana
- Museu do Chocolate 
- Alpen Park
- Mini Mundo
- Casa do Papai Noel
- Ônibus Hop On - Hop Off
- Mundo a Vapor
- Templo Budista em Três Coroas - Chagdud Gonpa Khadro Ling
- Vale do Quilombo: Há alguns mirantes que conferem uma bela vista para o vale
- Parque da Ferradura
- Mundo Gelado Capitão Jack

** FOTOS DE 2008 **

Em 2008, eu fiquei 5 dias e meio em Gramado (e somente em Gramado), ocasião em que pude explorar bastante a região, com passeios a Nova Petrópolis, Caxias do Sul, Vale dos Vinhedos em Bento Gonçalves, quando visitei algumas vinícolas, como a Miolo, Canela...

Visitei o Mini Mundo, o Hollywood Cars, Mundo a Vapor, o Castelinho de Canela, a Cascata do Caracol, a Igreja de São Pelegrino em Caxias do Sul... dentre outros.

E lá se foram 7 anos!! E aí, mudei muito?? rsrs...

Gramado

Gramado

Gramado

Cachoeira do Caracol, em Canela

Tradicional passeio de Trem pelas cidades da Serra Gaúcha - MAIR FUMAÇA

35 comentários:

  1. Em Gramado e Canela, fale com DZ RECEPTIVO www.dzreceptivo.com.br
    Passeios e Locação de carros. Ótimos valores. 54-8433-5892 Whats app.

    ResponderExcluir
  2. Adorei as dicas!!!!
    Muito bacanas, vamos utilizá-las para fazer nossa viagem melhor!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Pamiki!
      Obrigada por ler nosso blog!
      Espero que as dicas sejam úteis para você!
      Depois volte aqui para nos contar como foi a viagem, ok?
      Abraços,
      Lily

      Excluir
  3. Olá Lily, conheci seu blog quando procurava roteiros de viagens para Foz, fui em janeiro desse ano, segui a maioria das suas dicas e a viagem foi incrível :) Agora resolvi ir para Gramado mês que vem e vim aqui conferir suas dicas para montar meu roteiro. Parabéns pelo blog, é muito bem escrito detalhista. <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei, Larissa! Tudo certinho?
      Que bom saber, viu? Fico muito feliz por ter te ajudado. Fazemos o blog com muito carinho e dedicação!
      Eu que agradeço pelo carinho e depois venha cá nos contar como foi a viagem, tá?
      Beijos,
      Lily

      Excluir
  4. Dicas preciosas!!Está me ajudando muito!! As estradas são boas? Bem sinalizadas? Tranquilo dirigir a noite na estrada que liga Bento x Gramado?
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Dicas preciosas!!Está me ajudando muito!! As estradas são boas? Bem sinalizadas? Tranquilo dirigir a noite na estrada que liga Bento x Gramado?
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que fofa, Bianca! Muito obrigada!
      De modo geral, o que pudemos perceber é que a estrada é nova e boa sim. Mas isso foi há um ano. Merece ter uma atenção maior na estrada ,)
      beijos e depois sorte. Depois volte aqui para nos contar omo ofi.
      Lily

      Excluir
  6. Estava super perdida aqui para planejar a viajem e fazer o roteiro em poucos dias!!
    você é otima!!!! e mudou muito sim, esta mais linda!!!
    obrigada por ajudar a quem vc nem conhece!!! bjos!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Neryvanya!
      Muito obrigada!
      Mensagens de carinho assim só nos dão mais vontade de seguir escrevendo e compartilhando!
      Seja sempre bem vinda.
      beijos,
      Lily

      Excluir
  7. Amando esse roteiro Lily! Ansiosa pela minha viagem! :)

    ResponderExcluir
  8. O Brasil é maravilhoso. incluindo o litoral catarinense como a Praia do Rosa...

    ResponderExcluir
  9. Muito Bom...Colocaria alguns lugares como a Praia do Rosa, SC

    ResponderExcluir
  10. Ah, eu não deixaria de fora que é a bela Praia do Rosa, SC...

    ResponderExcluir
  11. Indico a Praia do Rosa. Uma terra repleta de blz boa gastronomia, musica boa gente bonita e gente intereçante, lugar simplesmente fantastico e magico...
    deveramente lindo...

    ResponderExcluir
  12. Cheia de encantos e magias, indico a praia do Rosa será o melhor cenário para celebrar a chegada de 2017

    ResponderExcluir
  13. Indico a bela praia do Rosa, tem o cenário formado por costões, areias claras, mar azul, ondas e uma lagoa de água salgada que serve de refúgio para quem viaja com crianças.

    ResponderExcluir
  14. A preservação da natureza dá charme especial a Praia do Rosa. A maioria das pousadas segue práticas sustentáveis (muitas ficam em terrenos com mata nativa e têm vista para o mar). O centrinho pode ser explorado a pé, e várias trilhas desembocam na areia. Há dois acessos para carro, o Rosa Norte e o Rosa Sul. No inverno, chegam as baleias-francas, que podem ser vistas da praia ou em passeios de barco.

    ResponderExcluir
  15. Faltou o litoral de Santa Catarina: praia do rosa...

    ResponderExcluir
  16. Olá, Rafaella! Que legal que você vai. Espero que adore a região tanto quanto a gente!
    Beijos e depois volte aqui para nos contar como foi a sua experiência.
    Lily

    ResponderExcluir
  17. Olá pessoal, o roteiro é incrível. Fiz a compra de ingressos para os meus passeios no site: serragaucha.superingresso.com.br. A compra foi fácil e não tive nenhum transtorno. Nesse site é possível visualizar várias atrações da região de forma centralizada. Seria interessante se nesse site fossem incorporadas mais atrações, principalmente na região de Bento Gonçalves e Garibaldi.

    Realmente a Serra Gaúcha é um espaço para os amantes. Muito bem estruturada no que diz respeito a atrações, culinária, hotéis e pousadas. A segurança na cidade faz você achar que está em outro país.

    Para os que tiverem a oportunidade, aproveitem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, João! Muito obrigada pela dica.
      Abraços,
      Lily

      Excluir
  18. Oii..obrigada pelas dicas..vai nos ajudar muito!! Em relação aos preços dos vinhos, o que poderia me dizer?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Achamos muito bons os preços dos vinhos. Como moramos no Rio de Janeiro, especialmente nas vinícolas mais diferentes, os preços foram atrativos. Já nas vinícolas mais conhecidas, como Casa Valduga, Miolo etc, os preços acabam sendo um pouco parecidos com os daqui do Rio, mas sempre um pouco mais baratos.
      Abraços,
      Lily

      Excluir
  19. Olá Lily,
    Você saberia me dizer, se ao alugar um carro, consigo fazer os passeios às vinícolas por conta própria, sem a presença de um guia local, ou seja, sem uma agencia de turismo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Com certeza fará. Nós fizemos e foi muito fácil. Há uma estrada principal que leva para a maioria das vinícolas. Basta ter um mapinha em mãos e, na pior das hipóteses, perguntar para alguém na rua que sempre haverá alguém muito prestativo para ajudar!
      Depois me conte como foi a sua experiência.
      Abraços,
      Lily

      Excluir
  20. Boa tarde, estaremos indo pela primeira vez para serra gaúcha em outubro desse ano, ficaremos apenas 4 dias e em um desses dias queremos fazer ou o tour linha bella ou o caminhos de pedra. Gostaria de sua sugestão. Qual dos dois você acha mais interessante de realizarmos? ^^ Obrigada! Seu blog é lindo e muito informativo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Amanda, tudo bom?

      Como você pretende fazer? No caso, você estará de carro ou faria o passeio pelo Caminho de Pedra com alguma agência de turismo?

      Acho o passeio de trem bem legal e divertido. Mas aí você precisa saber o que prefere, caso tenha que escolher um ou outro. Ambos são interessantes. Contudo, se você estiver de carro, talvez seja melhor percorrer o Caminho de Pedra que é muito bonito e aproveitar o carro para ir parando onde desejar. Mas, se entendi direito, a Linha Bella é um ônibus que percorre algumas vinícolas, certo?

      Eu nunca fiz esse passeio e não saberia opinar se é legal ou não. Deve ser interessante sim.

      Espero ter ajudado.
      Beijos,
      Lily

      Excluir
    2. Obrigada por responder ^^
      Nos dois casos, faríamos o passeio com alguma agência, pois não estaremos de carro e nem pretendemos alugar um não.
      Ambos são passeios que de certa forma tem alguns pontos em comum..como vinícola..ervateria..almoço italiano..mas o caminhos de pedra me parece ter mais opções (além das que ele comunga com o linha bella). Mas fiquei na dúvida porque também li muitos elogios sobre o tour linha bella..rs..! Daí não sei o que decidir e resolvi vir pedir ajuda aos universitários..hahaha

      Excluir
    3. ei, Amanda!
      Entendi... olha, realmente nem eu saberia ajudar muito porque não fiz o passeio do Linha Bella. Posso, por outra lado, afirmar que o passeio pelo Caminho de Pedra é belíssimo e adorei conhecer a Casa da Ovelha! Fizemos degustação, vimos de perto dos cabritinhos e carneirinhos... foi bem legal... o caminho como um todo é um verdadeiro charme, lembrando aquelas novelas de época da Globo, tipo "A Casa das 7 Mulheres", sabe?

      Bem, boa sorte na decisão! Uma ou outra, com certeza será lindo! E depois venha nos contar como foi a sua experiência e o que escolheu, viu?

      Beijos

      Excluir
    4. Obrigada mesmo pela sua atenção! Certamente retorno para contar nossa experiência!
      beijooos

      Excluir
  21. sensacional seu blog adorei, vou passar nos mesmos lugares, já deu pra ter uma boa noção

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom, Dayse!
      Espero que goste tanto quanto nós! E depois venha compartilhar conosco suas experiências e dicas, viu?
      Aproveite bastante!
      Beijos grandes,
      Lily

      Excluir
  22. Muito bom o conteúdo do seu blog. Parabéns. Fiz o roteiro recentemente e esclareceria que na vinícola Alma Única a degustação foi cobrada e quem nos atendeu não ofereceu degustação gratuita de nenhum vinho, muito menos visitação ao espaço. Ficamos frustrados porque tínhamos uma grande expectativa com o local.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Roseane!
      Muito obrigada! Seja sempre bem vinda aqui no blog.
      com relação à visita na Alma Única... puxa, que pena. Nós estivemos lá há 2 anos e, pelo visto, houve mudanças, né? Obrigada por compartilhar a sua experiência e que pena para eles, não é mesmo? Acho que não custa muito cativar seus clientes em potencial e oferecer uma degustação dos vinhos... Entendo a sua frustração. Mas espero que isso não tenha tornado o passeio ruim. Nós adoramos a serra gaúcha e seus vinhos!
      Beijos,
      Lily

      Excluir