quarta-feira, 29 de junho de 2016

4º DIA NO ATACAMA: Passeando em San Pedro de Atacama

Vocês já viram nossos últimos posts sobre a viagem que fizemos para o Atacama, final do mês de março e início de abril? O Atacama é um enorme deserto que margeia a Cordilheira dos Andes e vai do Chile ao Peru, passando pela Bolívia.




Não leram ainda? Então confiram aqui embaixo os links: 

- Roteiro Completo de 14 dias pelo Chile e Bolívia

- 1º Dia no Atacama: Laguna Cejar

- 2º Dia no Atacama: Lagunas Altiplânicas e Piedras Rojas

- 2º Dia no Atacama: Tour Astronômico

- 3º Dia no Atacama: Termas de Puritama + Vale da Lua e Vale da Morte

Voltamos da Bolívia, após 3 noites e 4 dias praticamente inteiros de travessia entre São Pedro do Atacama e o Salar de Uyuni.

Chegamos no dia 31/03 de tarde, por volta das 15:30h e fomos direto ao Hostal La Ruca, que fica na Calle Toconao n° 513, a poucos passos da Calle Caracoles. Estávamos super cansados mas mega felizes. 

Sabe o sentimento de Missão Cumprida? Era esse mesmo... ao menos uma grade missão dessa viagem tinha sido completada com louvor, sem perrengues e tudo tinha dado certo, do jeito como planejamos! Tem felicidade maior para um viajante?



-->> SOBRE O HOTEL LA RUCA <<--

É mais simples e mais barato do que onde ficamos nos três primeiros dias de Atacama, que foi o Takha Takha. Mas optamos por ficar no La Ruca pela proximidade com a Calle Caracoles, boas notas e reviews no TripAdvisor e Booking e por ser mais econômico também.

Fotos da piscina do hotel Takha Takha:




La Ruca tem mais cara de hostel mesmo, com área separada para fumantes, cozinha equipada para quem desejar fazer sua própria refeição, quartos coletivos com banheiros compartilhados do lado de fora, para quem tem um orçamento mais enxuto e não se importa em dividir o quarto.


  

Nós ficamos em um quarto com cama de casal (número 7) e banheiro privativo. O quarto é simples, composto por um armário que estava com uma porta quebrada e não se abria, penduradores de roupa na parede, banheiro com cortininha de plástico no box e também tivemos problemas com a privada entupida que informamos na recepção e depois eles disseram que chamaram um técnico de manutenção, mas permaneceu com o problema durante toda a hospedagem e isso foi desagradável.


O café da manhã é muito muito simples. Tem o básico do básico do básico. Não tinha chá de Coca nem Chachacoma no primeiro dia e acabamos comprando para garantir que bebêssemos nos dias seguintes já que enfrentaríamos alturas consideráveis nos passeios. Aliás, a gente nem tomou café da manhã todos os dias lá porque o café só começava às 7:47 e muitos passeios saíam antes ou, o mais normal, às 8:00. Rebeca até me contou que depois viu o chá de coca lá em outro dia, mas eu nem procurei porque já estava com o meu comprado, portanto, tomei o que tinha. Acho uma falta de consideração saber que os passeios no Atacama em grande maioria saem tão cedo, mas o hotel não ter esse cuidado de oferecer um café da manhã (que está incluído no preço da diária) mais cedo. Acho que fazem de propósito para economizarem.




Ao menos o La Ruca possuía wifi  com bom sinal áreas comuns e um pouco no quarto (às vezes no quarto não funcionava, às vezes funcionava muito bem). A água quente era abundante, não faltou durante nossa hospedagem e o chuveiro tinha boa pressão. 

Graças a Deus, não tivemos problemas com isso em São Pedro, porque encarar banho gelado depois dos passeios seria triste kkkk... Além disso, durante o dia o nosso quarto não esquentava, ficando bem fresco e dando para a gente descansar e até se cobrir com lençol. Não sei como fica no inverno, pois o quarto não tem ar condicionado, nem ventilador nem calefação. Aliás, tampouco tinha TV no quarto, algo super comum em São Pedro. 

Mas tinha TV no espaço da cozinha/comedor com canais internacionais.

Se eu recomendo o Hostal? Sim, desde que você não precise de luxo. Além do fato de que fomos muito bem recebidos pelo Franklin, que é quem cuida da recepção, e isso fez uma grande diferença. Ele entende bem português e até fala um pouco! Durante todos os dias, ele nos atendeu com muita atenção, gentileza e cordialidade.

A Calle Toconao, onde está localizado o La Ruca, é uma rua repleta de casas de câmbio, tem uma venda de verduras e frutas, uma farmácia na esquina, restaurantes e cafés. Isso sem contar que está a passos da Calle Caracoles. Ou seja, a localização é perfeita!




** SÃO PEDRO DO ATACAMA **

Ainda no dia 31 de Março, aproveitamos a folga de estar sem passeios para essa tarde e demos umas voltas por São Pedro do Atacama: passeamos por feiras de artesanato, fizemos umas comprinhas, fomos à praça principal da cidade, que fica na continuação da Toconao, vimos a igreja e depois fomos jantar no restaurante Blanco com Isabela e Rebeca. 





San Pedro de Atacama, ou São Pedro (versão aportuguesada), a 2.400 metros de altitude, é um pequeno povoado ao norte do Chile, próximo à fronteira com a Bolívia, onde se estima que há 11.000 anos assentaram-se os primeiros colonizadores da região que chegaram a fazer de San Pedro o povo precolombino mais desenvolvido do Chile. Depois, com a chegada dos espanhóis, destacou-se por ser um centro de parada para os colonizadores que construíram a sua Igreja de San Pedro, no início do XVIII.

Com cerca de 2.500 habitantes, a cidade está localizada em um dos oásis que se encontram no Altiplano da II Região do Chile, região esta onde se podem avistar alguns dos mais altos cumes da Cordilheira dos Andes. É uma comuna da província de El Loa, pertencente à Região de  Antofagasta.




Hoje em dia, sua grande importância deve-se ao título de Capital Arqueológica do Chile, além das incríveis paisagens que a cercam, sendo a cidade base para explorar os encantos do Deserto do Atacama. Logo, a principal atividade econômica da cidade é o turismo, seguido da agricultura e também o artesanato local, com o uso de cerâmica, tecidos, madeira, cobre e bronze, que pudemos ver nas feirinhas e galerias que visitamos.

Seu centro, de ruas em terra avermelhada, é formado por uma dezena de quarteirões. Nós caminhamos somente pelas ruas principais, como a Caracoles e a Toconao. Quando ventava, era um Deus nos acuda porque vinha terra e poeira para cima da gente e não há roupa que resista a isso. 

Durante o dia, fazia muito calor, beirando o insuportável para ficar andando de bobeira pelas ruas, por isso que dávamos preferência a caminhar mais para o final do dia, quando começava a refrescar, até cair a temperatura abruptamente. Pela manhã cedo e à noite, o frio é bem intenso por lá. 




Em relação às ruas secundárias, mais afastadas, nem chegamos a percorrê-las, a não ser de carro, quando a van dos passeios com a  Flavia Bia Expediciones passava por elas para buscar ou levar de volta algum passageiro. 

Haviam dito para a gente, antes de viajarmos, que à noite, principalmente nessas ruelas, havia muita gente estranha, bem alternativa, alguns que ficavam consumindo drogas, inclusive. A verdade é que toda a região do Atacama atrai muita gente bem diferente, alternativa, mais roots, sabe?

Mais um motivo para evitar as ruelas e caminhar pelas ruas principais, à noite, de preferência acompanhado.

Em termos de segurança pública, todos foram bem enfáticos em afirmar que San Pedro não sofre com esse tipo de problema. Que se trata de uma cidade bem segura, apesar de super turística. De fato, não tivemos problemas, não ouvimos qualquer relato sobre isso e acredito que seja mesmo.




Quanto à saúde, há apenas um posto de atendimento de emergência que nem médico tem. Julio passou mal um dia, com indisposição que pensamos ser relacionada a algo que ele comeu e não caiu bem, foi atendido por uma enfermeira que lhe aplicou uma injeção que foi paga, apesar de ser um posto de saúde público. 

Soubemos que para casos mais sérios que demandem atendimento médico mais especializado, internação, cirurgia ou algo similar, as pessoas são levadas de ambulância para a cidade de Calama, que fica a pouco mais de 1h de San Pedro (102km de distância) e é onde está o aeroporto que recebe os voos da Lan para quem vai de Santiago para San Pedro, pois não há aeroporto em San Pedro, ou Antofagasta, que fica na costa.




Sobre passeios na cidade, não há muito o que conhecer. Uma tarde ou uma manhã passeando por suas ruas será mais que suficiente, ao meu ver. Há o Museu Arqueológico Gustavo Le Paige, rico em cerâmica atacamenha, múmias, tecidos e objetos religiosos, que não visitamos, assim como o Museu do Meteorito, com uma pequena coleção particular com rochas espaciais, expostas em uma tenda com formato de iglu.

A Igreja de San Pedro, construída por jesuítas espanhóis no início do século XVIII, com adobe, madeira de cacto e couro de llama. Curioso que a Igreja, se você observar nos souvenirs para comprar da cidade nas feirinhas e galerias, ela é apresentada com a cor branca. Mas não tem mais essa cor. Até porque quase tudo em San Pedro tem a cor terracota, cor de tijolo mesmo, por causa da poeira e areia vermelha das suas ruas. Então, desistiram de pintarem-na e mantiveram a cor mais próxima ao original.




É também comum as pessoas alugarem bicicletas em San Pedro para pedalarem nos seus arredores. Por exemplo, muita gente vai até o Vale da Lua, que fica somente a 12km da cidade. A dica é fazer esse passeio no final do dia, primeiro, para evitar o forte calor, segundo, para pegar o pôr do sol que é esplêndido no Vale da Lua.

Por fim, aproveite a caminhada pelas ruas para avistar, ao longe, o imponente Vulcão Licancabur, que pode ser admirado de vários pontos da cidade de San Pedro. 



Bem, acho que essas eram as principais considerações que gostaria de compartilhar com vocês sobre a cidade de San Pedro do Atacama. Se quiserem mais dicas e informações, vejam no site http://www.sanpedroatacama.com/

Telefones importantes:
- Emergência Policial: 133
- Emergência Médica (ambulância): 131
- Bombeiros: 132


-->> ALGUMAS DICAS PARA OS RESTAURANTES <<--

O preço médio dos pratos principais no Restaurante Blanco era de 9.000 pesos chilenos. Eu optei pelo menu completo, com entrada, prato principal e sobremesa, que ficou mais barato do que se eu pedisse somente um prato principal. 



Os menus completos são sempre mais vantajosos e os restaurantes onde estivemos não se importavam se a gente dividisse com outra pessoa. Julio pediu um risoto de quinoa que estava uma delícia! 



. Normalmente os restaurantes servem entradinhas (pães com molhos) de cortesia.

. Propina ou Gorjeta: às vezes a conta vinha com o valor em separado, às vezes não. Quando não vinha, a gente sempre calculava 10% em cima do valor.

. Alguns Pratos Mais Conhecidos: 

- Lomo Salteado: carne de boi com batatas assadas, legumes e verduras. Eu amo e comi muito no Peru e no Atacama também.

- Quinoa: seja na salada, seja quentinha, seja o risoto, aproveite para comer a quinoa que provavelmente veio da Bolívia.


Quinoa com salmão no Restaurante El Blanco

Quinoa no Restaurante La Casona

- Llama: se você não tiver  pena de comer, a carne de llama é uma delícia. 

- Ceviche: os peixes, frutos do mar e ostras do Atacama vêm de Antofagasta, a cidade mais perto de lá que fica no litoral. Portanto, tudo isso vai congelado, de avião, para Calama e depois vai para o Atacama. Logo, você não vai comer nada disso fresco, mas vale a pena experimentar, inclusive o salmão, que é muito pescado na costa chilena.

- Cazuela: é um tipo de sopa chilena

- Empanadas: já estão bem famosas no Brasil também e são muito conhecidas na Argentina. É uma espécie de pastel, mas o diferencial da chilena é que ela é frita e não assada. Isso não significa que você só encontrará a frita por lá, porque na Casa das Empanadas, no Salón de Té e em outros lugares da Calle Caracoles eu vi e comprei empanadas assadas também. A minha preferida e a mais tradicional é a de carne.




- Humitas: lembra a nossa pamonha. Feito à base de milho.

- Palta: vocês perceberão que os chilenos amam colocar abacate na comida, o nosso conhecido guacamole faz muito sucesso por lá. Inclusive, a Carlinha, cozinheira divina da Flávia Bia Expediciones, fez um ceviche com palta para a gente no dia das Termas de Puritama que estava uma coisa de outro mundo de tão maravilhoso.

. Músicos: você pode gostar ou não, mas às vezes, principalmente durante os jantares, você pode ser surpreendido por um músico cantando do nada para o nada dentro do restaurante. Na verdade, em maioria, são pessoas locais que entram no restaurante que permite a sua presença para cantar umas músicas, geralmente não passa de 4, e depois pedem uma ajuda. Julio sempre dava umas moedinhas, até porque ficar carregando um monte de moedas não é o forte dele. Fica a cargo de cada um contribuir com os artistas ou não.

** SOBRE O SOROCHE **



O mal das alturas, também conhecido como soroche assusta muita gente e até impede algumas pessoas de viajar para lugares assim, como no Atacama, no Peru. Vocês sabem que eu e Julio tempos quase que como marca registrada os nossos pulos mundo afora, certo? Mas pular a mais de 4.000 metros de altura não é fácil e requer aclimatação prévia, ou seja, que seu corpo esteja já acostumado com a altitude. 

Durante toda a viagem que fizemos o nosso corpo foi desafiado com alturas que superaram os 5.000 metros de altura. Mas isso porque a gente subiu o vulcão Láscar, como vocês leram lá em cima. Se você não quiser subir um vulcão, ainda assim vai encarar alturas de até 4.950 metros na Bolívia e no Atacama. Para me prevenir do soroche, eu tomava um Tylenol de manhã (não deixe de consultar sempre seu médico antes de viajar para saber o que você pode tomar e até quantos comprimidos tomar por dia para não sobrecarregar seu fígado e prejudicar seu estômago). 

Eu sempre carregava comigo também um Dramin para o caso de enjoo e só tomei duas vezes durante os 12 dias de Atacama e Uyuni. Levei Floraril para a viagem que também foi usado muito por mim e Julio porque nós dois tivemos desarranjos por lá. 

Fora isso, eu não tive dor de cabeça, mas Julio ficou baqueado por dois dias, com estômago e intestino bem ruins. Minhas amigas tiveram problemas com dor de cabeça e enjoos quase que constantes. 

Outra dica muito importante foi a de tomar muuuuuito chá de coca e chachacoma!!!!! Muito mesmo! Eu acho que ajudou. Se você puder tomar todo dia antes de dormir e todo dia de manhã, antes dos passeios, mal não fará e eu acredito que ajude a aclimatar.

Logo, o soroche não é brincadeira e o ideal é fazer um check up antes de viajar. Por exemplo, quem tem labirintite pode ter problemas em alturas assim. Para saber mais sobre o que levamos na viagem, nossa farmacinha e outros itens, veja no Roteiro completo da viagem onde eu contei tudo para vocês.

** VOCÊ SABIA QUE **

Você sabia que a Llama, o Guanaco, a Alpaca e a Vicuña são de espécies "primas" do Camelo? Aliás, são chamados de camelos andinos. 

Você sabia que a Llama é fruto do cruzamento da Alpaca com o Guanaco? E que as Llamas precisam ter sua lã retirada enquanto que a Vicuña não pode. Se retirar o pelo da Vicuña, ela morre. Inclusive, no Chile, a Vicuña é protegida e não pode ser caçada nem consumida, diferentemente do caso da Llama. 

Por fim, Llamas e Alpacas são animais domésticos enquanto que Guanacos e Vicuñas são mais selvagens. Mas não irrite a Llama porque ela já foi considerada como um dos animais mais irritáveis do planeta, apesar da sua carinha dócil. Por fim, as Llamas podem beber até água salgada!

E esse foi um dos aprendizados do Atacama!

** RESUMO DOS RESTAURANTES ONDE ESTIVEMOS **

Estivemos nos seguintes restaurantes em São Pedro:

- Mais Sofisticados e Mais Caros:

. La Casona: Calle Caracoles
. La Estaka: Calle Caracoles
. Blanco: Calle Caracoles

Fotos do Restaurante Blanco








Fotos do Restaurante La Casona:




   
- Mais Descontraídos e Um Pouco Mais Baratos:

. Restaurante Tierra: Calle Caracoles
. El Toconar: Calle Caracoles
. Rancho Cactus: Calle Toconao
. Delícias de Carmen: Calle Caracoles

Fotos do Rancho Cactus:





Fotos do El Toconar:



 

- Mais Para Lanches e Mais Baratos:

. Salón de Té: Calle Caracoles
. Casa da Empanada: Calle Caracoles
. Librería: Calle Caracoles




Ao longo da Calle Caracoles vocês encontrarão alguns mercadinhos para comprar água, lanchinhos rápidos, sanduíches, snacks, biscoitos, frutas... Vale a pena comparar os preços para quem quiser pechinchar um pouco. Por exemplo, havia lugar vendendo o galão de água de 6 litros por 1.700 pesos e havia outro vendendo a 2.000 pesos.

** COMPRAS **




Para que gosta de artesanato local, ímãs, canecas, produtos feitos a partir de lã de alpaca e llama e outras coisas, tem a feira de artesanato chamada Pueblo de los Artesanos, onde não fomos, mas há também uma Feria de Artesanía quase em frente à Igreja e ao lado do posto dos Carabineros, na Praça Principal (basta seguir pela Calle Toconao, atravessar a Calle Caracoles e seguir adiante que chegará na praça).



Agora, se não quiser ter esse trabalho, basta caminhar pela Calle Caracoles e entrar em suas inúmeras lojas. Há também lojas que vendem marcas boas e conhecidas do universo de trilhas e montanhismo, como a The North Face e Columbia. 




2 comentários:

  1. Boa tarde! Sempre tive vontade de fazer essa viagem e com todas estas informações nao tenho mais duvida que sera minha proxima trip! Fotos lindas. Lilian

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lilian!
      Que legal! Fico feliz por estar te ajudando a ter certeza. Juro que você não vai se arrepender! Aguarde que virão mais dicas, viu?
      Acompanhe aqui conosco e seja sempre bem vinda.
      Beijos,
      Lily

      Excluir