04 abril 2018

Chapada dos Veadeiros: Roteiro, Passeios e Dicas

Chapada dos Veadeiros: Roteiro, Passeios e Dicas


Em 2016, eu - Lily - estive na Chapada em duas ocasiões: final de maio e final de outubro. Conheci bem os dois climas que preponderam por lá, o seco-frio e o úmido-quente. Foi super interessante esse contato intenso com a Chapada até mesmo porque só uma ida para a região é pouco para conhecê-la e entender como é incrível e mágico aquele lugar. Salvo se você tiver disponibilidade e interesse de ficar bastante tempo por lá, pois aí sim já conseguirá explorar bem. O ideal, ao menos para um primeiro contato, até porque as trilhas cansam bastante, é que você tente programar cerca de 5 dias de passeios por lá. 


Cachoeira Santa Bárbara - Cavalcante

Na minha primeira ida, em maio, eu tive 4 dias de passeios. Já na segunda vez, em outubro, eu tive 3 dias (na verdade foram 2 dias inteiros e 2 pela metade rsrs). Conheci muitas cachoeiras, fiz muitas trilhas, nadei em vários poços, tive um contato muito rico com o cerrado, que é o segundo maior bioma do Brasil, com cerca de 2 milhões de km²!!! 


Vista dos Saltos a partir do Mirante da Trilha da Janela

Tudo isso foi indescritível e maravilhoso! Mas eu não conheci tudo! Sim sim... várias coisas ficaram faltando, como a Cachoeira dos Macaquinhos, a dos Cristais, passeio de balão... dentre outras. 

Enfim, mas com o intuito de ajudar a todos que planejam ir para região, vamos compartilhar com vocês várias dicas bem legais de passeios para você montar um roteiro mais ajustado aos seus interesses e tempo disponível. Mas antes disso, não deixem de ler os seguintes posts: 

- Trilhas pelo Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros

- Passeios pela Chapada dos Veadeiros: Couros, Mirante da Janela, Santa Bárbara e Encantado

- Passeios pela Chapada dos Veadeiros: Segredo, Vale da Lua, Loquinhas e Almécegas

- Como é a Hospedagem no Paraíso dos Pândavas

- O melhor risoto do cerrado: conheça o Santo Cerrado Bistrô

Cachoeira Almécegas I

Vale da Lua

Cachoeira da Capivara - Cavalcante

COMO CHEGAR

Nas duas ocasiões em que fui, por uma questão logística, optei por voar para Brasília, partindo do RJ. A oferta de voos entre RJ e BSB é grande e os preços das passagens, se compradas com antecedência, são bastante acessíveis, isso sem contar com a facilidade de poder também resgatá-las valendo-se dos programas de acúmulo de pontos/milhas.



Igualmente, em ambas visitas à Chapada, para ter liberdade de horário e não depender de ninguém, aluguei carro o que é ótimo para quem gosta de dirigir e tem disposição. Eu não dirijo! Mas na primeira ida quem dirigiu foi o Julio e na segunda foi a Sy. O carro já foi alugado em uma das locadoras do aeroporto mesmo (no caso, nas duas situações, as tarifas de aluguel estavam melhores com a Hertz) e já saímos do aeroporto direto para a Chapada dos Veadeiros, localizada  no nordeste do estado de Goiás, a mais ou  menos 260km da capital do país.

Catarata dos Couros

Catarata dos Couros

Isso deu cerca de 3h de estrada, seguindo pela BR-010 / GO-118, se acertar o caminho direitinho rsrs... Dica: use o Google Maps ou Waze que não terá problema! A estrada é bem plana, estava boa quando fui e o único problema dela é que, justamente por ser bem plana e com algumas retas sem fim, às vezes pode dar sono. Portanto, capriche no café antes de começar a dirigir (ou um energético kkkk) e vá na fé!

Na primeira vez, com o Julio, a gente parou em uma das cidades pelas quais passamos, São João d'Aliança, onde havia um supermercado para comprar água e alguns lanchinhos para levar nas trilhas. 




Recomendo fortemente ter um carro alugado para ficar mais independente e à vontade para fazer seus passeios e trilhas e, principalmente, otimizar seu tempo. E procure alugar um carro com alguma potência para passar bem nas trilhas, ainda mais na Trilha da Cachoeira do Segredo, onde os trechos mais íngremes exigem do carro e um 1.0 pode ter grandes dificuldades em subir. No geral, não precisa ser um carro 4x4, mas um 1.6, por exemplo, já será suficiente.

Catarata dos Couros

Catarata dos Couros

Catarata dos Couros

HOSPEDAGEM

São 3 as cidades bases da região da Chapada dos Veadeiros e cada qual com sua facilidade/atrativo:

- Alto Paraíso: essa é a cidade com melhor infraestrutura para receber os turistas. Oferece uma boa variedade de hotéis, pousadas, hostels, restaurantes, bares, mercados, supermercados, lojas, posto de gasolina... e quando chegamos nela, já logo nos deparamos com o Portal da cidade em formado de OVNI - Disco Voador rsrsrs... aí sim já se nota toda a vibe mística da região.



Alto Paraíso, portanto, pode ser considerada, dentro de padrões mínimos de qualidade e conforto, como uma cidade bem completinha e foi onde eu me hospedei em minha primeira ida para a Chapada no Hostel Catavento, que conta com nota 8.7 no Booking.com e nos atendeu bem em sua proposta de ser uma hospedagem simples, prática e que, apesar de ser hostel, trabalha também com opções de quartos de casal com banheiro privativo, além de disponibilizar aos seus hóspedes piscina, café da manhã e toda a vibe de um hostel.




A experiência no geral foi positiva, os donos são muito legais e recomendamos se você estiver nesse clima e for desprovidos de luxos. Sim, insisto em dizer que se trata de uma hospedagem simples, mas animada, com uma atmosfera jovial, decoração aconchegante e bom atendimento da equipe de funcionários. 

- Vila de São Jorge: esta vila é um distrito de Alto Paraíso. São Jorge é puro charme, pé no chão, galera mais descolada e alternativa, repleta de bares, lanchonetes, restaurantes, desde os mais caseiros e simples até alguns mais sofisticados e maravilhosos como o Santo Cerrado Risoteria & Café.

Fiquei com vontade de me hospedar lá, mas numa próxima ocasião. Fato é que, se você quiser conhecer o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, terá obrigatoriamente que passar por São Jorge, pois é lá que fica uma das principais portas de entrada do parque, com controle do IcmBio por meio de fiscais e formulários que todos preenchem ao visitar o parque. 


Parque Nacional - Trilha dos Cânions

Parque Nacional - Carioquinhas
  
A estrada entre Alto Paraíso e São Jorge é, em si, um passeio, passando por lugares incríveis, como o Morro da Baleia e o Jardim de Maytreia. 





A estrada é boa, asfaltada até São Jorge e bem sinalizada. Só poderiam colocar uma placa maior para  sinalizar a entrada em São Jorge, mas, se você perder a entrada, acabará na parte da estrada ruim, de terra, e perceberá que é hora de voltar (ao menos foi assim em 2016... não sei informar se seguiram asfaltando a estrada ou se ela continua igual, de terra). 

A distância entre os dois não passa de 40 minutos, num ritmo normal. Às vezes menos. E é nessa estrada que fica a entrada para a Fazenda São Bento, onde é possível conhecer as Cachoeiras das Almécegas I e II, além da própria São Bento.


Almécegas I

Almécegas I

- Cavalcante: o mais afastado, fica a mais ou menos 1:30 de Alto Paraíso. A estrada é razoável, mas não é tão boa quanto a que liga Alto Paraíso a São Jorge. O bom é que, pela estrada, você pode ir parando em várias cachoeiras e fazer desse percurso um passeio em si também, como no caso da Cachoeira dos Cristais e a do Poço Encantado.

E por que ficar em Cavalcante? Por lá também é possível entrar no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, mas o que mais as pessoas realmente procuram quando decidem dormir em Cavalcante é a Cachoeira Santa Bárbara, que ficou pop após tanta divulgação nas redes sociais!


Também não é para menos, já que ela não fica devendo em nada para outras cachoeiras desejadas do mundo afora, com um tom de azul turquesa cristalino que os olhos até duvidam quando se aproxima dela... realmente, é um espetáculo da natureza.


Mas na segunda vez que visitei a Chapada dos Veadeiros, eu não fiquei em nenhuma cidade nem na vila, mas sim na estrada que liga Alto Paraíso a São Jorge, no Yoga Resort Paraíso dos Pândavas.

LEIA AQUI a matéria completa sobre a nossa hospedagem no Paraíso dos Pândavas.




MELHOR ÉPOCA PARA IR

Vários blogs e sites dirão que a Chapada pode ser visitada o ano inteiro. Sim, eles têm alguma razão, mas não total razão. Vamos lá... você é do tipo que prefere escolher um período dos seus passeios de ecoturismo em que as chances de chuvas sejam mínimas? Se sim, para você a melhor época para visitar a Chapada será na seca e essa região tem uma temporada de seca bem definida, quando não há risco algum de chuva, nem de relâmpagos ou trombas d'água - DE JUNHO A AGOSTO

Mirante na Trilha da Janela

Mirante na Trilha da Janela

Poço Encantado

Da primeira vez que fui, final de maio, embora estivesse bem frio pela manhã cedo e à noite, frio mesmo de usar casaco mais quentinho, ao longo do dia o sol esquentava e o próprio esforço das trilhas fazia a gente desejar logo dar um mergulho nas cachoeiras!!

Uma delícia! Adorei essa época.




Quando voltei, final de outubro, fui na esperança de não pegar a temporada de chuvas, que começa normalmente em novembro e vai com empenho até meados de março ou início de abril. Mas não dei tanta sorte, pois peguei só um dia de sol mesmo, um dia de mormaço com sol e outro só de chuvinhas... ou seja, definitivamente não foi uma época muito boa. 

Agora, vale registrar algo muito peculiar da Chapada dos Veadeiros, pois todas as épocas têm o seu valor, independentemente das chuvas:

- Na temporada de chuvas, você poderá ver as cachoeiras caudalosas, as flores do cerrado, um pouco mais de verde na vegetação... contudo, se chover muito, isso também traz o risco de alterar a cor da água das cachoeiras porque a chuva naturalmente traz uma maior quantidade de sedimentos que são arrastados e levados para os rios. Inclusive, há relatos de quem foi para lá em janeiro e viu a Cachoeira Santa Bárbara em tons mais escuros a castanhos, por causa destes sedimentos (terra, folhas, galhos... ).




- Na temporada da seca, você não verá as cachoeiras tão caudalosas e ainda correrá o risco de pegar algumas sem água, como foi o que aconteceu comigo quando visitei a trilha das Loquinhas, em que a maioria das quedas d'água estavam sem água e os poços não estavam tão bonitos assim... e também aconteceu comigo quando fiz a trilha do Mirante da Janela em que a Cachoeira do Abismo estava absolutamente seca!! 

Loquinhas

Cachoeira do Abismo seca

Então, como vocês podem perceber, é uma decisão a tomar, assumindo todos os riscos. Mas como o acesso à Chapada não é dos mais complicados (voo para Brasilia + estrada/carro), vale a pena arriscar uma época e, se não for tão bom assim, voltar em outra para vivenciar as duas experiências e poder comparar.



QUANTOS DIAS FICAR

Eu fui duas vezes em 2016 e não conheci tudo! A região é enorme e te surpreende com tantas opções de passeios e trilhas. Por exemplo, não consegui fazer o sobrevoo de balão que tanto queria fazer... uma pena...

A Cachoeira de Macaquinhos, a dos Cristais, dentre tantas outras que não deu tempo para visitar... portanto, antes de pensar na quantidade de dias que deseja ficar, acho legal você olhar as possibilidades de passeios e ver o que será prioridade para você conhecer e, a partir daí, buscar encaixar em feriados ou férias no período ideal.

Em geral, costumo indicar ao menos 5 dias inteiros para conhecer a Chapada dos Veadeiros. Da primeira vez que fui, no feriado de Corpus Christi, cheguei em uma quarta à noite e tive quinta, sexta, sábado inteiros para passeios e domingo pela metade. Logo, foram 3 dias e meio de passeios.


Catarata dos Couros

Catarata dos Couros

Da segunda vez, cheguei em uma quinta na hora do almoço e tivemos sexta e sábado inteiros e domingo pela metade. Portanto, quase 4 dias (2 dias inteiros e 2 pela metade).

Se conseguirem 5 dias cheios de passeios, será perfeito e você não se arrependerá! Vá por mim!

ONDE COMER

Nosso restaurante preferido foi o Santo Cerrado Risoteria em disparado! Amei muito aquele lugar. LEIA AQUI a matéria completa sobre o melhor risoto que já comi!!

 
 

Mas também estivemos em outros lugares, especialmente em Alto Paraíso, quando fomos da primeira vez, porque da segunda vez que fomos, no Yoga Resort Paraíso dos Pândavas, o regime de hospedagem era de pensão completa, portanto, almoçamos e jantamos algumas vezes por lá. Da primeira vez, que eu fui com o Julio, saímos para jantar todas as noites e estivemos nos seguintes restaurantes:

- Rancho do Waldomiro, na estrada entre Alto Paraíso e São Jorge. Super simples o lugar, o atendimento foi simpático, a comida é famosa por ser bem caseira e bem servida, no melhor estilo PF. Faz muito sucesso e é um restaurante muito querido por todos.

O preço foi um dos mais baratos para o que serve. Lembro que pagamos cerca de R$25.00 por um PF que dividi com o Julio. E ainda teve uma cachacinha da casa de cortesia para experimentar.

- Restaurante Jambalaya, em Alto Paraíso. Esse é mais sofisticado, em ambiente rústico-chique. Se quiser um prato mais elaborado, lá você encontrará. Por conseguinte, os preços são mais elevados também.



- Zu`s Bistrô, em Alto Paraíso. Pensem em uma Senhora muito simpática, falante e que faz questão de conversar com seus clientes? Essa é a Dona Zu, que abriu as portas da sua casa, literalmente, e montou seu negócio ao lado do fogão da casa.


O restaurante fica na varanda da sua casa e, por isso mesmo, é pequeno. Seu carro-chefe são os risotos. Baratíssimos e muito fartos!! Eu comi um de gorgonzola com damasco e estava muito saboroso.

Na lista dos melhores Restaurantes da Chapada dos Veadeiros, de acordo com as avaliações feitas no site do TripAdvisor (clique aqui e confira), encontramos assim o ranking (consulta feita na data da divulgação da matéria - abril de 2018):

- 1º lugar: Santo Cerrado Risoteria Café,
- 2º lugar: Zu's Bistrô,
- 3º lugar: Cravo & Canela,
- 4º lugar: Vila Chamego
- 5º lugar: Rancho do Waldomiro

- Obs: no ranking dos melhores restaurantes para jantar no mesmo site, o Restaurante Jambalaya aparece em 8º lugar, pois muitos restaurantes na Chapada dos Veadeiros somente funcionam para o almoço, como é o caso do Rancho do Waldomiro (clique aqui e confira).

PASSEIOS QUE FIZEMOS

- O QUE LEVAR:

Sugiro levar muita água sempre. Em um dos passeios que fiz, dentro do Parque Nacional (trilha dos cânions), calculei muito errado a quantidade de água e fiquei morta de sede no final da trilha. Se conseguir levar 1,5L por pessoa, tanto melhor. Se conseguir mais que isso, acho válido também. Mas é claro que dependerá muito do peso que você dará conta de carregar.

Vale da Lua

Santa Barbarinha

Santa Barbarinha

Leve snacks também, como barrinhas de cereais, biscoitos, frutas... coisas leves que sirvam de lanches para dar aquela "sustância" na trilha, para repor as energias sem pesar demais o estômago, lembrando que em muitos dos passeios você ficará praticamente o dia todo fora e nem sempre dará tempo de almoçar. Sanduíches também são legais para carregar. 

Trilha da Janela

Repelente é muiiito importante! Lembre dele! Filtro solar também é altamente recomendável. A depender também da sua disposição para carregar peso, leve uma toalhinha para se enxugar após os banhos de cachoeiras e poços. Existem toalhas de alta absorção que são vendidas em lojas esportistas como a Decathlon, que são leves e muito práticas para essas situações. 
 

- ROUPAS:

Sugiro roupas apropriadas para trilhas, leves, confortáveis, que te permitam esticar a perna quando necessário (por exemplo, eu jamais usaria calça jeans em trilha... prefiro leggins ou calças assim de tecido maleável), que você não passe nem muito calor, além do natural que vai sentir pelo esforço e sol escaldante, nem frio, se for em época de frio ou se chover. 

Loquinhas

Trilha da Janela

Estrada entre Alto Paraíso e São Jorge

Se estiver em época de chuvas, vale a pena levar uma mochila waterproof ou uma capa à prova d'água para sua mochila a fim de proteger seus equipamentos eletrônicos. No meu caso, a minha mochila é resistente à água, tem uma capa e foi perfeita para o dia de chuva que peguei na trilha dos saltos dentro do Parque Nacional. Além disso, como meu celular àquela época não era à prova d'água, eu levei uma capa waterproof própria para ele.


Dica: o sol na Chapada pode até enganar, mas ele queima bem até demais! Portanto, especialmente para as meninas que usam às vezes tops e bodies cheios de recortes e detalhes, se não quiserem ficar com marcas estranhas no corpo, então é melhor usar algo mais protegido, principalmente camisas com proteção solar, como aquelas da linha UVLine. 


Cachoeira da Capivara

Poço Encantado

Por falar em filtro solar, não deixem de levar um bom protetor solar, chapéu e óculos de sol!

- IMPORTANTE: não deixem para testar um calçado pela primeira vez numa viagem dessas!! Levem aquele com o qual já está acostumado e que já sabe que não vai te machucar. Na primeira vez que fui, usei um tênis de trilha, de cano mais alto, que tinha usado e abusado dele na viagem para o Atacama e achei que estava Ok. Mas não estava, porque ele é um tênis apropriado para trilhas no frio e não no calor. Além disso, errei feio na meia e fiz alguns calos e bolhas no tornozelo.

Cachoeira Carioquinhas - Trilha dos Cânions

Catarata dos Couros

Eu também carrego sempre minha papete, ainda mais quando tem momentos para banho e já sei que terei que pisar em pedras. Eu sou campeã em dar topadas com meus pés em pedras e me lascar, literalmente. Então prefiro carregar a papete - sapatilha de neoprene, e mergulhar sem medo, pisando nas pedras mais protegida. Aí vai da frescura de cada um e de quanto peso estará disposto a carregar.


ROTEIRO

Foram duas visitas à Chapada dos Veadeiros em 2016, assim, foram dois Roteiros:

- Maio de 2016, os passeios foram realizados com o guia Riverlino (@river_mello - contato: Whatsapp: 62 996783206), que formou um grupo, organizou a melhor logística e distribuiu as trilhas para cada dia da seguinte forma, com a ressalva de que cada um foi no seu carro e esse valor que pagamos foi para ter o guia conosco.


ATENÇÃO: todos os valores descritos abaixo são de 2016 e muito provavelmente já sofreram alteração... portanto, servirão apenas como referência para terem alguma noção. Não deixem de confirmar os valores com o seu guia quando forem.

. 1º dia: Trilha do Mirante da Janela, passando pela Cachoeira do Abismo que estava seca e avistando os saltos do Rio Preto pela manhã (7km de caminhada ida e volta) e Cataratas dos Couros (4km de caminhada ida e volta) - custou àquela época R$50,00 por pessoa. Saída bem cedo, às 7h.
- Ingresso para o Couros:  R$5,00
- Ingresso para a trilha da Janela: R$10,00

Trilha do Mirante da Janela

Catarata dos Couros

Mirante da Janela

. 2º dia: Cachoeira Santa Bárbara, em Cavalcante, com Cachoeira da Capivara e, no retorno, parada no  Poço Encantado - custou à época R$35,00 por pessoa. Saída também foi cedo, até porque dirigimos até Cavalcante, a cerca de 1:30 de Alto Paraíso.
- Ingresso na Santa Bárbara e Capivara: R$20,00
- Ingresso no Poço Encantado: R$20,00

Santa Bárbara

Poço Encantado

Poço Encantado

. 3º dia: Cachoeira do Segredo (8km de caminhada) e Vale da Lua, passando pelo Jardim de Maytrea e mirante do Morro da Baleia - custou R$40,00
- Ingresso na Cachoeira do Segredo: R$25,00
- Ingresso no Vale da Lua: R$20,00

Cachoeira do Segredo

Vale da Lua

Vale da Lua

. 4º dia: como era nosso último dia, fizemos por conta própria, sem guia, para ficarmos à vontade com relação ao horário - Trilha de Loquinhas e Almécegas I.
- Ingresso para Almécegas I, II e São Bento: R$30,00

Loquinhas

Loquinhas

Almécegas I

Almécegas I

Obs: algumas pessoas, no retorno do passeio do Vale da Lua, pegaram o embalo e foram conhecer as Termas do Morro Vermelho. Nós ficamos cansados e com preguiça e eu só fui conhecer as Termas quando retornei em outubro. O bom é que as termas ficam abertas até às 22:00 e o ingresso custava R$20,00.


- Outubro de 2016, os passeios foram realizados em tempo mais curto, com a agência EcoRotas e o guia Pequeno acompanhou nos dois dias de trilhas dentro do Parque Nacional.

. 1º dia: chegada no Paraíso dos Pândavas, onde ficamos hospedadas (eu e Sy) e como havia diversas atividades dentro do pacote de hospedagem, neste primeiro dia nós ficamos curtindo o seu espaço e aproveitando suas atividades de Meditação, Yoga... - CLIQUE AQUI e confira a matéria sobre a hospedagem.





. 2º dia: Trilha dos Cânions e Cachoeira Carioquinhas, dentro do Parque Nacional + Termais do Morro Vermelho (entrada custou R$10,00)




. 3º dia: Trilha dos Saltos, dentro do Parque Nacional + Cachoeira São Bento, que fica bem próxima ao Paraíso dos Pândavas (entrada custa R$10,00 para visitar somente a São Bento)




CLIQUE AQUI para ler a matéria completa sobre as Trilhas dos Cânions, Saltos, Carioquinhas e São Bento

. 4º dia: atividades dentro do Paraíso dos Pândavas e caminhada até a cachoeira dentro da propriedade.


E como otimizar tudo isso para conhecer os melhores? Mais uma vez, isso é uma questão pessoal que também dependerá da sua disposição. 

Meu ranking dos melhores passeios e os que achei mais bonitos, considerando o que eu vi (ou seja, levando em conta que algumas cachoeiras certamente são mais bonitas do que eu vi, especialmente em função da falta de água em várias delas)

1º lugar: reinando em absoluto no meu coração, a Cachoeira Santa Bárbara e Santa Barbarinha (esta é uma continuação daquela, em versão menor, mas igualmente bela). Não é a toa que segue sendo uma das mais fotografadas porque é um azul inesquecível! E, como normalmente que vai até lá também aproveita para visitar a Cachoeira da Capivara, para otimizar seu tempo, faça isso também porque a da Capivara é bem bonita.



2º lugar: Vale da Lua. É daqueles lugares que palavras são incapazes de traduzir o sentimento de estar lá ao vivo contemplando aquela paisagem louca, que não recebeu esse nome a toa porque é algo único e lindo! Caminhar pelo Vale da Lua e tomar banho em algum de seus poços tem que obrigatoriamente estar no seu roteiro porque é uma loucura esse lugar.
 



3º lugar: Cachoeira do Segredo. Achei todo o entorno da cachoeira simplesmente incrível de lindo! Fiquei muito encantada e a trilha também é legal, com poços pelo caminho. O conjunto do passeio super vale a pena



 

4º lugar: Cataratas dos Couros. Todas as quedas são sensacionais, de tirar o fôlego! E são inúmeras as possibilidades de banho nos poços... é um passeio que tem que entrar no seu roteiro!




5º lugar: Almécegas I eu achei lindíssima, imponente, grandiosa... a trilha não é das mais complicadas, a água é congelante, mas nadar até chegar perto da queda d'água e tomar aquela ducha foi maravilhoso



6º lugar: Trilha dos Saltos, dentro do Parque Nacional. A trilha é lindíssima e as cachoeiras e saltos onde podemos tomar banho são um deleite para os nossos olhos. Infelizmente, no dia que fiz a trilha estava nublado e chegou a chover. Isso não tirou a beleza do lugar, mas saí de lá com a certeza de que é ainda mais incrível do que eu vi.





7º lugar: Trilha da Janela e Cachoeira do Abismo. Se você gosta de um desafio, essa trilha vai te conquistar e vai testar sua resistência. Infelizmente, a Cachoeira do Abismo estava seca quando fui, mas a trilha, ainda assim, valeu a pena pela grandiosidade que ela nos apresenta do entorno do Parque Nacional.




8º lugar: Trilha dos Cânions, dentro do Parque Nacional. A trilha não é de grande dificuldade, apesar de ser uma longa caminhada. Revela paisagens extraordinárias do parque a partir dos seus mirantes e o banho na Cachoeira das Carioquinhas é um brinde para renovar as energias.





9º lugar: Poço Encantado. O lugar é bonito, mas achei o ingresso salgado e não sei se justifica pagar tanto assim para ir lá. Porém, o acesso é fácil e pode ser uma boa para quem tem crianças ou dificuldade de locomoção. A cachoeira é bonita, mas não é mais bonita do que as que mencionei acima.



 

10º lugar: Loquinhas. Eu certamente estou cometendo uma grande injustiça em colocar aqui as trilhas das Loquinhas e suas cachoeiras e poços. Explico: acontece que na época que fui, não dei sorte e peguei vários poços com água meio parada e feia e cachoeirinhas com filetes de água apenas. Um ou outro poço, com água azul cristalina gritante e bizarra que chamou minha atenção e me fez imaginar que o lugar com água em abundância deve ser um verdadeiro espetáculo. Logo, está em 10º lugar porque eu não tive a melhor experiência, mas se você quer um passeio tranquilo, uma trilha fácil, demarcada, tudo bem organizado e, melhor ainda, se estiver por lá no final do período de chuvas e conseguir pegar os poços e as cachoeirinhas com água, eu imagino que você vai elevar as Loquinhas para algo como 3º ou 4º lugar no ranking. 



11º lugar: Cachoeira São Bento. Só fui nela porque ficava do ladinho mesmo do Paraíso dos Pândavas, era prático visitar, acesso fácil, trilha tranquila e ingresso barato para dar uma voltinha. Vale muito a pena conjugar com as Almécegas, porém, você não vai se surpreender tanto com a São Bento que é a prima feia das demais. Contudo, mais uma vez, tem também o seu valor por ter acesso fácil e, se estiver com muito tempo sobrando, vale passar por lá para conferir. Mas não espere muito.



Bem, como o Roteiro de Outubro de 2016 já foi bem detalhado em posts próprios, no próximo post eu vou contar para vocês com mais informações como foi o Roteiro de Maio de 2016, ok? Não deixem de conferir.




Postar um comentário

Botão do Whatsapp só funciona no celular

Digite o que procura e tecle "enter" para buscar