terça-feira, 29 de novembro de 2016

Roteiro Completo de 3 Dias em Viena com o Vienna Pass: Dicas de como Economizar

Bem, ao planejarmos uma viagem para a Europa, nós pobres mortais que ganhamos em reais buscamos sempre, na medida do possível, obter informações e dicas para economizarmos alguns passeios, aproveitando muitas vezes entradas gratuitas em museus, free walking tours nas cidades, descontos em bilhetes para usar por dias ou semana, descontos se for estudante ou menor de 18 anos ou idoso... e por aí vai? Quem nunca procurou saber se conseguiria algum descontinho, hein? Por mais que você se  planeje para viajar e saiba que terá gastos em outra moeda e vamos combinar que "quem converte não se diverte", se a gente consegue reunir essas dicas de economia, podemos usar o dindim gasto de outras formas, como fazendo comprinhas de souvenirs, pagando um jantar mais chique ou uma hospedagem mais bacana.

Schönbrunn

Belvedere

Pois bem, Viena, dentre as cidades europeias em que já estive, considerando ser uma capital, não é das mais caras, muito menos das mais baratas. Posso dizer que é um pouco mais cara que Berlin (eu achei a Alemanha um país bem barato quando fui, comparando com a França, Inglaterra, Suíça, Dinamarca, Noruega, Suécia, Itália, Irlanda, Escócia... ).. .mas se a gente for comparar com a Grécia (tirando Santorini e Mykonos), Croácia, Montenegro, Bósnia, Portugal e Espanha, aí a Áustria perde por ser um destino mais caro que esses aí.

Vista a partir do Museu Albertina

Portão Principal do Palácio Hofburg

Porém, de modo geral, achei os preços em Viena tranquilos (valendo-me da máxima de que quem converte não se diverte e pensando em dinheiros e não em reais rsrs... ). Ainda assim, acho muito válido compartilhar com vocês a experiência ótima que eu tive com o VIENNA PASS!! 

Neue Burg

Nós recebemos dois cartões VIENNA PASS para experimentar o serviço oferecido por eles, que oferece aos turistas a entrada gratuita em mais de 60 TOP ATRAÇÕES TURÍSTICAS na cidade, além de também ajudar muito a economizar tempo, com as filas diferenciadas para os portadores do cartão, e economizar dinheiro, se você somar o valor de cada atração individualmente e o valor do Vienna Pass!

Prater Park e Roda Gigante

Vou mostrar para vocês como funciona e como eu usei!

Nós recebemos o cartão que era válido por 48 horas. A primeira dica que devo passar para vocês e que é muito importante é a seguinte: A VALIDADE DO CARTÃO NÃO É POR HORAS CORRIDAS, MAS SIM POR DIAS! Um exemplo: se eu for ao guichê de aquisição do Vienna Pass às 12h de um sábado, eu não terei até às 12h da segunda para usar o cartão, mas sim até às 24h do domingo para usá-lo.

Schönbrunn

Portanto, a primeira dica para quem for comprar o Vienna Pass é que o faça pela manhã cedo, para usá-lo ao longo do dia inteiro e do dia seguinte também, se optar pelo cartão de 48 horas, tal como nós fizemos.

Michaelzplatz e Igreja de São Miguel

A outra dica importante é: selecione para visitar nos dias em que adquirir o cartão todas as atrações turísticas que te interessam conhecer e que tenham entrada gratuita com o cartão para valer a pena! Junte o máximo de atrações para aquele dia, priorize aquelas que mais te agradam e conforme-se por saber que não conseguirá fazer tudo o que o cartão oferece! kkkk... sim, essa última dica é bem relevante, pois eu fiquei um pouco triste com tantas opções legais de passeios, museus, atividades turísticas em Viena que o Vienna Pass abrange e que são gratuitas com o cartão, mas que não deu tempo de fazer. 




Belvedere

- PRIMEIRO PASSO: você comprar o Vienna Pass online e escolher se prefere recebê-lo via correios (eu não escolheria essa forma) ou se o retira em algum dos postos em Viena ou compra diretamente nos pontos de venda (eu faria assim - e você pode retirar o ticket nos pontos do ônibus turístico Hop On - Hop Off ou nas bilheterias localizadas no centro da cidade, dentro da estação de metrô Karlsplatz, ou no aeroporto). 

- SEGUNDO PASSO: você apresenta o seu Vienna Pass na bilheteria da atração incluída e retira a sua entrada gratuita. Nenhum outro pagamento será requerido. Em algumas atrações, você precisa trocar por um ticket próprio do lugar. Em outras atrações, basta mostrar o seu Vienna Card e já será o suficiente para entrar. Além disso, várias atrações oferecem uma entrada diferenciada e mais rápida para os portadores do cartão. 

- TERCEIRO PASSO: você receberá um livro com mais de 100 páginas de um Guia Completo de Vienna, escrito em inglês, alemão, francês, espanhol e italiano - veja aqui e faça o download gratuitamente aqui. Pronto, basta dar uma olhada antes, ler sobre as atrações, selecionar as que mais te interessam, tentar montar um roteiro considerando o horário de funcionamento de cada atração e aproveitar ao máximo o seu Vienna Pass! 





Esse GUIA COMPLETO DE VIENA contempla o seguinte:

  • O endereço exato das atrações
  • O ponto mais perto do ônibus de turismo HOP ON HOP OFF VIENNA SIGHTSEEING TOURS que também é gratuito para quem tiver o cartão.
  • Os pontos de transporte público mais próximos das atrações (ônibus, bonde, metrô, trem...) 
  • O telefone da atração turística  
  • O horário de funcionamento
  • O site da atração para você poder pesquisar outras informações 
E como já mencionei, se você curte o ônibus turístico Hop On - Hop Off, aquele de dois andares que percorre diversos pontos da cidade e sempre te deixa perto das atrações turísticas, essa é mais uma vantagem do Vienna Pass que inclui o ônibus. Você pode aproveitar as 5 linhas do ônibus Hop On - Hop Off para conhecer toda a cidade - clique aqui

    - Red & Yellow Line: State Opera House (saída)
    - Blue Line: Museum of Applied Arts (saída)
    - Green Line: National Theatre (saída)
    - Grey Line: Hotel Hilton / Stadtpark (saída)
    - Brown Line: Opernringhof (opposite State Opera) (saída)
Em cada ponto de parada do ônibus, há um grande painel com o horário certinho da linha. E é incrível como eles são pontuais, viu?



Quer ver como é possível economizar dinheiro? Veja então algumas simulações se você adquirir o Vienna Pass para 3 dias:

- PRIMEIRO DIA:

. Ônibus Hop On Hop Off (que pode ser usado nos três dias) - 33 euros
. Time Travel - Magic Vienna History Tour - 19,50 euros
. Kunsthistorisches Museum - 15 euros
TOTAL SEM O VIENNA PASS: 67,50 EUROS

- SEGUNDO DIA:

. Scönbrunn Palace Grand Tour - 16,40 euros
. Schönbrunn Zoo - 18,50 euros
. Museu das Carruagens em Schönbrunn - 9,50 euros
. Roda Gigante no Prater Park - 9,50 euros
TOTAL DO DIA SEM O VIENNA PASS: 53,90 EUROS

- TERCEIRO DIA:

. Spanish Riding School - 15 euros
. Hofburg Imperial Palace - 12,90 euros
. Albertina Museu - 12,90 euros
TOTAL DO DIA SEM O VIENNA PASS: 40,80 EUROS

O total ficou em 162,20 euros sem o Vienna Pass. Já o Vienna Pass para 3 dias, sem promoção, custa 89 euros para adulto (no momento, por exemplo, está com promoção da Black Friday e custando 80,10 euros). Em resumo, você teria economizado 73,2 euros (mais ou menos R$270,00 no câmbio de hoje - 28/11/16). Bom, não é? Ainda mais se você estiver viajando com sua família.

Mais um exemplo:

ATRAÇÕES EM VIENA PREÇO NORMAL PARA ADULTOS
Ônibus HOP ON HOP OFF €33.00
Schönbrunn Palace€16.40
Schönbrunn Zoo€18.50
Leopold Museum€13.00
Spanish Riding School€15.00
Museum of Art History€15.00
Sem o Vienna Pass, visitando apenas essas 6 atrações acima, você vai gastar - com os valores de hoje - €106!

Com o Vienna Pass, além de economizar, você ainda pode se valer da entrada FAST TRACK nas atrações, em filas diferentes que costumam ser menores. Ou seja, além de economizar dinheiro, você também vai economizar o seu TEMPO! 

E para te dar uma ajudinha sobre POR ONDE COMEÇAR a programar o seu roteiro com o que é imperdível em Viena e que você possa usar o VIENNA PASS e economizar um $$, o próprio site do cartão dá umas dicas incríveis sobre o que ele considerar ser O MELHOR DE VIENA:

- THE BEST OF VIENNA:

. VIENA IMPERIAL: Schönbrunn Palace Grand Tour, Imperial Palace Schloss Hof, Hofburg Imperial Palace, Imperial Treasury

. MUSEUS: Mozarthaus Vienna, Museum of Technology, Jewish Museum + Museum Judenplatz, Sigmund Freud Museum

. EDIFÍCIOS HISTÓRICOS: St. Stephen’s Cathedral, Otto Wagner Pavilions, Beethoven Pasqualati House, Johann Strauss Apartment

. GALERIAS DE ARTE: Kunsthistorische Museum Vienna, Kunst Haus Wien - Hundertwasser Museum, Leopold Museum, Albertina, Museum of Modern Art - mumok

. PASSEIOS E TOURS: HOP ON HOP OFF Bus Tour, Guided Walking Tour: Introducing Vienna , Vienna Sightseeing Tours: Guided Walking Tour, Guided Tour of UN Headquarters

. MONUMENTOS: Klosterneuburg Monastery, Vienna Giant Ferris Wheel, Danube Tower

. LOCAIS DE INTERESSE: Schönbrunn Zoo, Spanish Riding School, Apple Strudel Show, Schlumberger Cellars

TOP ATRAÇÕES EM VIENAVocê visita todas elas de graça com o Vienna Pass


DITO TUDO ISSO, AGORA VOU MOSTRAR COMO EU E JULIO FIZEMOS, OK?

Como já disse, nós ganhamos dois cartões do Vienna Pass com validade de 48 horas. A gente não sabia que a contagem era por dia e não por horas, como a gente imaginava e, por conta disso, a gente não se programou para retirar o cartão cedo e perdemos tempo de passeio com o Vienna Pass. No final das contas, embora fosse de 48 horas, só usamos mesmo por cerca de 1 dia e meio. Mas foi ótimo, ainda assim, pois a gente aproveitou ao máximo e conseguiu conhecer diversas atrações turísticas com o cartão. No final eu conto para vocês o que a gente não conseguiu fazer que eu tinha colocado na wish list!

Bem, retiramos o nosso cartão no escritório do Vienna Pass, localizado no metrô da Karlsplatz, que é bem fácil de identificar, pois fica em frente à State Opera e o guichê deles é todo amarelinho, destacando-se no metrô (fica antes de passar a roleta, logo que descer as escadas do metrô, em frente à Opera, do lado esquerdo).

Em frente fica um ponto de partida do ônibus Hop On Hop Off! Se quiser, já pode pegar o cartão e sair com o ônibus para percorrer as atrações turísticas.

No nosso caso, a gente optou por ficar ali no Centro Histórico e fomos caminhando até o Museu Albertina o qual, para mim, foi espetacular porque eu simplesmente amo arte impressionista do final do século XIX e início do século XX, e todo o espaço ocupado pelo museu é lindo.



Para começar, caminhe do lado de fora do museu e contemple as vistas de cima. Dá para ter uma ideia do tamanho da Ópera e observar o vai e vem das charretes.

Monet, Cézanne, Klimt, Picasso, dentre outros, realmente nos encantam com suas obras de arte, sua sensibilidade e maestria!



Para quem curte esse tipo de arte e gosta de observar bem os quadros e ler as informações sobre cada sala, eu sugiro separar pelo menos 2 horas para a visitação, no mínimo, que foi o tempo que eu fiquei lá sem sair muito triste por ter que ir embora. Mas se você estiver com tempo sobrando, pode separar 3 horas para o Albertina!

Não deixe de ver: O Hall of Muses, Os trabalhos do Impressionismo, Fauvismo, o quadro do Monet The Water Lily Pond, as Duas Dançarinas de Edgar Degas, as séries de Joan Miró, dentre tantos outros que realmente revolucionaram seu tempo e deixaram um legado esplendoroso para a gente seguir admirando mais de um século depois. A Coleção Batliner, de Monet a Picasso, passando por Degas, Cézanne, Matisse e Renoir é realmente incrível e, o melhor de tudo, é uma coleção permanente!




- Você sabia que?

1) O Museu tem o nome de Albertina porque seu fundador, em 1776, foi o Duque Albert de Saxe-Tesche, o genro da Imperatriz Maria Teresa.

2) Há mais de 50.000 pinturas no museu

3) Henri Matisse e Pablo Picasso eram amigos e rivais, desde que se conheceram em 1905.

- Horário de Funcionamento do Albertina: das 10h às 18h, salvo às quartas, cujo  horário vai até às 21h. Mas sempre confirme antes de ir. A última admissão costuma ser 1 hora antes. Para chegar lá, você pode descer nas estações de metrô Karlsplatz ou Stephansplatz. De ônibus, tem a linha 3A Albertina  ou o Tram 1, 2, D, 62, 71 com a parada Badner Bahn Staatsoper / Kärntner Ring.



Observação: Essas linhas D, 62 e 71 do Tram dão a volta pelo Ring! É bem bacana andar nele e ter uma ideia da beleza dos edifícios que compõem o Ring, onde antigamente ficava a muralha que defendia o burgo de Viena e que veio abaixo no século XIX para trazer ares mais modernos à capital austríaca, abrindo-se esse belo boulevard.

De lá, nós caminhamos para o Hofburg Palace, que é enoooooooooooooorme!!! Um complexo de edifícios que compõem o palácio Hofburg para deixar qualquer um de queijo caído e repleto de atrativos bem legais para conhecer. 


Nós começamos a nossa visita ao Palácio não pelo portão principal, que fica em frente à Praça São Miguel e Igreja de mesmo nome, mas sim, como fomos caminhando pelo Museu Albertina, seguindo pela Josefsplatz, a gente entrou logo na Biblioteca Nacional (aproveite essa mesma rua e visite também a Augustinerkirche que nós acabamos visitando em outro dia).


A Biblioteca Nacional também está incluída no Vienna Pass e é um must go na cidade! Ela é linda, grande, com exemplares de muitos séculos lá guardados e mostra toda a riqueza do que já foi um dia o Império Austríaco e tudo quanto foi conquistado por ele!




Para quem curte, vale a pena visitar a biblioteca! Como queríamos aproveitar ao máximo o Vienna Pass, a gente não ficou nem 1 hora lá dentro, mas até que dava...



Em seguida, aí sim nós caminhamos no sentido do portão principal do Palácio Hofburg e entramos por ele, em frente à Praça de São Miguel (Michaelerplatz - metrô mais próximo é o U3 Herrengasse).


Ali não houve qualquer hesitação e fomos direto para o Museu Sissi, da Imperatriz que ficou famosa por ser de vanguarda, por gostar de viajar bastante, por ter se interessado pelos direitos dos húngaros, por ser muito bonita e extremamente magra para a sua época, por fazer dietas loucas e ser apaixonada por doces e pela Sacher Torte, por ter comovido uma nação inteira e eternizada nas telinhas do cinema por uma trilogia da década de 50 que romantizou a vida da Imperatriz Elizabeth, mais conhecida como Sissi.


A princesa Isabel da Baviera, com 15 anos, ao acompanhar a irmã mais velha, Helena, para o seu noivado na corte austríaca, acabou por arrebatar o coração do seu primo e jovem Imperador Francisco José I que não quis mais saber de Helena e com a Sissi se casou.



O casamento foi marcado de muitas turbulências, algumas devido à dificuldade de Sissi se adaptar aos rigores da corte austríaca, outros em razão do seu difícil relacionamento com sua sogra, que lhe tomou os filhos para serem criados longe dela devido ao seu "mau comportamento", advindo daí outras questões e doenças que a fizeram viajar diversas vezes para a Ilha da Madeira, Ilha de Corfu na Grécia, dentre outros lugares.

Suas correspondências com o imperador nos deram uma noção dos seus conflitos internos e tormentos e, talvez, em razão disso, que ela hoje seja tão querida, por ter se expressado, ter mostrado a sua fragilidade.

O museu é bem legal, começando pela parte das louças e prataria da família imperial que foram guardados, onde se pode fotografar.



É impressionante pensar em toda aquela riqueza, observar as mesas postas com tantos talheres e louças... realmente chama a atenção e demonstra o quanto já foi poderoso o Império Austríaco.

Tem uma mesa de jantar composta com 7.000 peças!!!




Depois a gente foi para os aposentos da Sissi, onde há toda a trajetória da sua vida, seu sofrimento, seus dilemas enquanto imperatriz, mãe, esposa e sua dificuldade em lidar com a corte e as exigências da sua sogra, humanizando a imperatriz que morreu tragicamente, atacada por um punhal por um anarquista italiano, enquanto fazia uma das suas viagens, para Genebra, quando já era viúva.

Nem preciso dizer que me identifiquei bastante com ela nessa questão de querer viajar o mundo, de fazer algo novo, diferente, de ousar e tentar mudar regras e paradigmas! Foi incrível!


Porém, acho que a visita ao museu pode ser mais interessante para quem curte esse tipo de história. O Julio até que resistiu bravamente, mas depois disso já não queria mais ver aposentos e só falava em ver o museu das armaduras rsrs...

Vale dizer que não se pode fotografar nos aposentos da Sissi, onde estão expostos mais de 300 objetos pessoais dela (não deixem de notar o quarto de ginástica dela! A academia do século XIX era bem engraçada), que ficam no andar de cima do seu museu, dentro do complexo do Palácio Hofburg, bem como que o Vienna Pass abrange também essa atração.



Em seguida, nós fomos ao Treasury Museum, o Museu do Tesouro Imperial, que vai muito além de ser um simples museu que expõe os tesouros da realeza austríaca, mas também conta toda a história da formação e decadência do grande e imponente Império Austríaco e, em especial, da dinastia Habsburg, que reinou por séculos no país.



Mais uma vez, se você for fã de história e fascinado pelo Velho Continente como eu sou, coloque esse museu na sua lista, viu? Merece! Eu fiquei muito surpresa em ver que não se tratava apenas em apresentar as jóias da coroa, mas também toda a preocupação em mostrar a formação, o avançar e o fim do Império Austríaco, que já foi um dos maiores impérios europeus.

Um detalhe importante sobre os museus: a maior parte das informações estará ou em alemão ou em inlgês e alemão, pois o idioma oficial da Áustria é o alemão. Isso pode ser uma dificuldade para as pessoas que de repente não tem facilidade nem com uma nem outra língua e, nesse caso, a visita será em tempo menor ou com menos encanto do que eu tive ao poder acompanhar essa trajetória do Império e ler os painéis que explicavam tudo.



Ok, o Google está aí para isso e se depois você quiser pesquisar mais e tiver ficado interessado, basta colocar lá e pegar mais informações sobre o império Austríaco.

Dica: Principais Pontos de Interesse no Hofburg Palace:

  • The Imperial Apartments
  • Sisi Museum
  • Imperial Silver Collection

Dica: Você sabia que?

1) O palácio foi originalmente construído para ser um castelo fortificado que data do século XIII

2) Hoje em dia, o Palácio contempla 240.000 m², com 19 praças e jardins e mais de 2.600 aposentos

3) A adega de vinhos do palácio era localizado no porão

4) A coleção de prataria imperial contém 7.000 itens. 

5) Que a dinastia dos Habsburgs reinou por mais de 600 anos na Áustria e que cada membro da família tinha o seu próprio apartamento ou suíte.

6) O Palácio Hofburg foi a maior residência da dinastia Habsburg.

Em relação ao Vienna Pass, você precisará trocar por um ticket na porta de cada atração. A maior parte das atrações funciona das 9h às 17:30. Mas fique atento ao horário de funcionamento e confirme sempre antes pelo site, pois sempre é possível haver mudança em razão de horário de verão, horário de inverno e a última admissão, se a atração encerrar às 17:30, será 1 hora antes de fechar.

Depois de passearmos pelo Palácio Hofburg, a gente foi para o Neue Burg, o Palácio novo, que fica bem acoplado ao Hofburg, quase como se fizesse parte dele. 


Com uma fachada mais imponente e um amplo jardim na frente, só de passar na frente já valerá a pena para admirar o seu gigantismo! 


Contudo, se você tiver o Vienna Pass ou interesse pelos museus dentro dele, valerá também a pena entrar para fazer uma visita, ainda que rápida, pois ele é gigante e demandaria quase que uma manhã inteira para percorrer todos os seus andares com calma. As suas escadarias de mármore são um luxo! Não resisti e tirei foto também rsrs... Tem até elevador dentro para facilitar, para quem já estiver exausto e preferir evitar a fadiga... 



A gente não tinha muito tempo e ainda tínhamos esperança de conseguir subir na torre da Catedral St. Stephan (que não deu tempo mesmo... ), então focamos no que o Julio mais queria, que era o Museu das Armaduras e, antes de chegar lá, passamos pelo Museu dos Instrumentos Musicais

O Museu dos Instrumentos Musicais é uma delícia... um verdadeiro passeio pelo século XIX, em especial, com alguns instrumentos de Mozart e Strauss para a gente admirar. 




Não somos músicos, embora a gente curta bastante, por isso mesmo a gente passou por esse museu um pouco mais ligeiro, para ter uma ideia dele, mas sem nos atermos a muitas explicações.

Chegamos no Museu das Armaduras, tão esperado pelo Julio, que ficou que nem criança olhando para as armaduras, imaginando o peso de cada uma delas - algumas pesavam até mais de 30 quilos - e a gente realmente se divertiu com os tamanhos das armaduras, com os seus formatos e até ficamos com pena em ver as armaduras dos cavalos, das crianças... bem, todas são bem medievais mesmo e até faz sentido, embora fosse cruel. 




Então, após visitarmos o Neue Burg, com o adiantado da hora, não dava mais para ver nada com o Vienna Pass. As atrações fecham e maioria às 17:30 com última admissão até, em média, uma hora antes. 



Observação: todos os museus que visitamos tinham banheiro e alguns tinham bebedouro também. Em Viena, em algumas ruas do centro histórico há bebedouros gratuitos, uma ótima oportunidade e economizar mais alguns euros e encher a garrafinha rsrs...

Todavia, ainda estava claro e seguimos passeando e fomos na direção da Maria-Theresien Platz, onde fica em cada lado dela o Museu de História Natural e o Museu Kunsthistorisches, que são dois edifícios magníficos!!! Lindos mesmo. 



Uma pena que não deu para visitá-los, embora os dois estivessem abrangidos pelo Vienna Pass... não deu tempo! 

Ainda, passeando pela ring, a gente passou em frente ao Parlamento, que estava com um belo laço na frente, já adianto o Outubro Rosa (campanha mundial contra o câncer de mama), depois passamos em frente à Prefeitura, onde estava acontecendo uma feirinha e um circo e, do outro lado da rua, fica Burgtheater.



Voltamos caminhando pelo Volksgarten e encerramos o nosso dia fazendo comprinhas Kärntner Strasse, que liga a Opera à Catedral de São Estevão (Stephansplatz). 


No dia seguinte, que era sábado, ainda tínhamos o Vienna Pass válido, mas resolvemos fazer comprinhas pela manhã na Mariahilfer Strasse, que ficava do lado do nosso hotel Ruby-Marie nesta segunda etapa de hospedagem em Viena. Como no domingo as lojas fecham em grande maioria, a gente resolveu abrir mão de passear no sábado de manhã, mesmo sabendo que o Vienna Pass iria acabar, para poder ir a algumas farmácias, mercados e lojinhas... infelizmente, meu lado consumidor falou mais alto e meu desejo de comprar creminhos e mostardas doces também!


Pois bem, já sem taaaaanto tempo assim para aproveitar o Vienna Pass e sabendo que não teríamos como percorrer tudo lá, a gente resolveu ir a outro MUST GO em Viena: o Palácio Schönbrunn




Ele é enorme e sabíamos que estávamos indo somente para conhecer o que desse, ter uma ideia do seu gigantismo e aproveitar o Vienna Pass!

- Como Chegar: muito fácil! Fomos de metrô, pela linha U4 e descemos na estação Schönbrunn. É bem na frente e basta seguir o fluxo! Você também pode ir de tram, pegando as linhas 10 ou 58 ou de ônibus, com a linha 10A, ou aproveitando o ônibus Turístico Hop On Hop Off que desce bem na frente, na sua Linha Amarela.


- Horário de Funcionamento: das 8:30 às 17:30 no horário normal ou, no verão, estendido até às 18:30. A última admissão no palácio é 30 minutos antes de fechar.

- O que ver no Palácio Schönbrunn: ele é enorme e realmente é melhor você ou passar o dia inteiro lá, já que abre cedo, ou priorizar o que te interessa mais, dentre as seguintes atrações:




  • Schönbrunn Palace (Grand Tour pelos Aposentos) - o tour é ótimo para poder aprender sobre a dinastia e como era o mundo durante o império austríaco. Quartos temáticos, como os da Imperatriz Sissi, aposentos privados, salões, o quarto de Marie Antoinette que foi usado para receber jantares familiares, deslumbre-se com a magnífica decoração Rococó que faz do palácio tão único, além do Salão dos Espelhos onde Mozart apresentou-se pela primeira vez com apenas 6 anos de idade. Observe os carpetes, os enormes quadros, papéis de parede... infelizmente, nós não chegamos a tempo de visitar e deu até dor no coração.
  • Orangery (dizem ser tão bela quanto a de Paris) - com 189 metros de largura, é uma das duass maiores Orangeries em estilo Barroco do Mundo! Olha, só perde para o do Palácio de Versailles, na França. Fraz Joseph II costumava usar sua Orangerie particular ou como um jardim de inverno ou para festivais da corte imperial, ocasiões em que ele decorava as árvores cítricas com flores exóticas para a imperatriz e seus convidados. Também não consegui visitar... com dor no coração.
  • Schönbrunn Zoo (tentei ver o Panda Fu Long e o Urso Polar, mas não deram o ar de sua graça) - dentro do complexo do Palácio, o Zoo é considerado o mais antigo do mundo, inaugurado em 1752 pelo Imperador Fraz I Stephan, esposo da Imperatriz Maria Theresa. Com mais de 500 espécies de animais, recebe uma média de 2 milhões de visitantes por ano e é considerado um dos melhores e mais modernos do mundo.
  • Privy Garden e maze (o labirinto é um barato! É mais infantil, mas eu curti e tem um mirante/point view para ver lá de cima como funciona... e não pense que é fácil descobrir a saída, viu?) - aberto ao público em 1779, por Maria Theresa, que, inclusive, ajudou a desenhar o estilo que ainda vemos hoje dos jardins, que refletem o mesmo Barroco presente em todo o conceito do palácio. Os jardins foram feitos para representarem um símbolo do poder do Império.
  • Imperial Carriage Museum Vienna (é lindo! Conseguimos ver e vale a pena) - a coleção inclui a carruagem feita para a coroação de Joseph II em 1764, que pesa nada mais nada menos do que 4.000 quilos (sim, é mil mesmo... não errei nos zeros rsrs)
  • Gloriette (estava em reforma.. snif... snif... mas deu para subir e contemplar a vista do alto) - é a jóia da barroco deste complexo imperial que compõe o Palácio, a verdadeira cereja do bolo! Arcos, colunas, um impressionante hall que era usado como um grande salão para jantares no século XIX e onde há hoje um ótimo café aberto aos turistas. Não deixe de subir ao seu topo para ter uma deslumbrante vista para os jardins do palácio. 
  • Children's Museum (não fomos por motivos óbvios... ainda não temos filhos) - uma ótima forma para entreter os pequenos e envolvê-los na história imperial de Viena. O objetivo é mostrar aos visitantes o mundo em que viviam as crianças durante o Império Austríaco, um pouco da realidade delas dentro da corte, mas também mostra a realidade de outras classes sociais durante o império... uma verdadeira viagem no tempo para aprender mais sobre a sociedade. 



Todas essas atrações estão abrangidas no Vienna Pass de forma gratuita, mas você precisará trocar o seu ingresso.

- Você sabia que?
1) São impressionantes 1.441 quartos dentro do Palácio de Schönbrunn, cada um com um estilo de decoração diferente.

2) Mozart, aos 6 anos de idade, fez o seu primeiro concerto para a Imperatriz Maria Theresa dentro do esplendoroso Salão dos Espelhos.



3) Um inventário realizado em 1900 contabilizou 25.000 orquídeas de 1.500 diferentes espécies o que, àquela época, bateu o recorde como a maior coleção de orquídeas da Europa.

4) A Imperatriz Maria Theresa e o Imperador Fraz Stehpan de Lorraine tiveram 16 filhos! 11 mulheres e 5 homens... que falta fazia ter uma TV ou uma internet naquela época, hein? rsrs... 






- Sobre o Palácio Schönbrunn: a residência de verão da família imperial, inegavelmente trata-se de uma das mais populares atrações turísticas em Viena. Considerado como um dos mais belos exemplares da arquitetura barroca na cidade, durante o reinado de Maria Theresia, no século XVII, o palácio transformou-se em foco da vida da corte!

Em 1996, com muita justiça e reconhecimento, o Palácio e os jardins ingressaram para a lista da UNESCO como Patrimônio Cultural Mundial. 





Bem, como disse, ficamos pouco tempo lá, pouco perto de tudo o que o Palácio oferece e tudo o que é abrangido pelo Vienna Pass. Deu dor no coração mesmo, porque a gente correu - e muito - para pegar o Museu das Carruagens aberto e ainda corremos -  mais ainda - para entrar no Palácio e fazer o Grande Tour, mas fomos barrados.





No final das contas, além de caminhar um pouco por seus jardins, a gente subiu o Gloriette, visitou rapidamente o Zoo e visitou o Museu das Carruagens. Na minha lista, eu ainda queria visitar o Orangerie e o Palácio e seus aposentos no Grande Tour. Ou seja, eu precisaria de mais umas 2 horas lá no mínimo. A gente deve ter chegado lá por volta das 12:30 e saímos na hora que tudo fechou, ou seja, às 17:30.


E, como ainda era dia, já que estávamos no início do mês de outubro e anoitecia perto das 19:00, a gente correu - de novo - e foi de metrô até a Giant Ferris Wheel - RODA GIGANTE, aproveitando que ela estava operando ainda com o horário de verão até a meia noite!

Dica: é sempre bom observar os horários de funcionamento das atrações, principalmente porque mudam a depender da época do ano, se for verão a tendência é ter um horário estendido.



Localizada no Prater, que é um grande parque que tem de tudo um pouco, como montanha russa, a própria roda gigante, outras atrações de entretenimento, como o museu de cera mais famoso do mundo, o Madame Tussauds, e, quando lá estivemos, ainda demos a sorte de pegar a Oktoberfest de Viena dentro do Prater, bem ao lado da Roda Gigante!

Incrível! O lugar era uma festa! A gente pegou fila para subir porque era sábado, o parque estava cheio já que também tinha a Oktoberfest lá rolando e, quando finalmente embarcamos, já estava anoitecendo. Ainda assim, deu para contemplar bem a paisagem lá do alto que é linda.




- Sobre a Roda Gigante de Viena: a primeira vez que ela funcionou foi em 1897, oferecendo uma bela vista da cidade e do rio Danúbio. Pode ser vista a longa distância com os seus 64,75 metros. E seu ingresso está abrangido pelo Vienna Pass!

- Como Chegar: Metrô U1 ou U2 com descida na estação Praterstern, ou Tram Linha 5 ou ônibus Hop On Hop Off - Blue Line, descida Prater.

- Horário de Funcionamento: de maio a setembro, das 9:00 às 23:45.

- Você sabia que?

1) A Roda Gigante, com seus quase 65 metros de altura, foi a mais alta do mundo entre 1910 e 1985.

2) Seu nome verdadeiro, em austríaco, é Wiener Riesenrad.

3) Originalmente, ela tinha 30 cabines que foram danificadas durante a II Guerra Mundial. A partir daí, apenas 15 cabines foram reconstruídas.

4) Essa Roda Gigante é bem famosinha no cinema também, figurando em célebres filmes, como o James Bond The Living Daylights.


5) Ela dá apenas uma volta, incluída no passeio. Mas é bem devagar, permitindo ter tempo suficiente para contemplar a paisagem e tirar muitas fotos também. O melhor lado é o da direita, para poder tirar fotos do Centro Histórico. Queria muito ter tentado ver o pôr do sol lá do alto, mas não chegamos a tempo.

6) Se você quiser algo mais exclusivo e romântico, pode também pagar por um jantar dentro da cabine. Algumas são destinadas para jantares e coquetéis. Legal a proposta, não acham?


Quando saímos da Roda Gigante, o Madame Tussauds já estava fechado, obviamente... e não havia mais nada a fazer além de curtir a animação da Oktoberfest que lá acontecia e finalmente descansar, tomar uns bons chopes e sanduíches de linguiça!


Então, em nosso último dia em Viena, no domingo, a gente foi cedinho para a Catedral de São Estevão, na Stephansplatz, na esperança de usar o Vienna Pass para subir na Torre Sul, que nos foi dita ser a melhor em termos de vista (se você tiver tempo, suba nas duas torres, a Sul e a Norte, para comparar... mas também requer disposição, além de tempo rsrs).

Mas não permitiram usarmos o Vienna Pass, confirmando que, na verdade, ele não é bem válido por 48 horas, mas sim por dia inteiro, embora eu tivesse retirado o meu na sexta por volta das 11h da manhã, no domingo, às 9h da manhã, não me deixaram mais usar por estar expirada a validade.



- Sobre a Catedral de São Estevão, ou St. Stephan Cathedral: como toda catedral que se preze, ela é enorme e abrange um complexo de museus, catacumbas, torres, dentre outras atrações para quem se interesse por esse tipo de passeio e estão todas abrangidas pelo Vienna Pass.

- Como Chegar: de metrô na linha U1 e U3, descendo na estação Stephansplatz ou com o ônibus turístico Hop On Hop Off, com descida na Schwedenplatz / DDSG Blue Danube. Ir de metrô é molezinha e nós fomos várias vezes para lá.




Inclusive, se você não estiver hospedado perto do Centro Histórico e precisar chegar nele de metrô, nós recomendamos que você escolha a Stephansplatz para começar o seu passeio na cidade, pois é uma ótima referência e o metrô é bem interligado (ou, também, você pode escolher a Karlzplatz, mas eu ainda acho a Stephansplatz melhor para começar a explorar o Centro Histórico de Viena).

- Horário de Funcionamento: a Catedral abre normalmente das 6h às 22h (menos domingo, que abre às 7h) e, durante a realização das missas, não permitem as visitas no seu interior, menos ainda fotos.

Já o Tesouro funciona das 10h às 18h todos os dias, menos aos domingos, que é das 13h às 18h.

Infelizmente, não tivemos de tempo de fazer nada disso, mas tão somente subimos mesmo na Torre Sul e pagamos a entrada com nosso dinheirinho, porque o cartão tinha perdido a validade.

Desde os tempos romanos até as Guerras Mundiais, a catedral sempre desempenhou um importante papel na cidade. Sua construção remonta à Idade Média, no século XIV, como uma catedral católica, em estilo romanesco e gótico, sendo desde então um dos mais importantes e simbólicos edifícios de Vienna.

- Destaque para:
  • Tesouro - os objetos mais preciosos da Catedral são exibidos na galeria oeste. O acervo também apresenta esculturas, peças de arte, manuscritos medievais, pinturas, dentre outros. 
  • Seu telhado multi-colorido em mosaico
  • As Torres Romanas Sul e Norte
  • Os Sinos - a catedral possui 22 sinos no total e o mais pesado, St. Mary's Pummerin, pesa mais de 20.000 quilos, mas é tocado somente em ocasiões especiais, como, por exemplo, a virada do ano. 
  • O Altar principal - a Catedral possui 18 altares, além de capelas e outros altares menores. Peeeeeensem no gigantismo do seu interior! 

- Você sabia que:

1) O telhado em mosaico colorido é formado por um total de 230.000 azulejos.

2) O sino 'Pummerin' é o maior da Catedral, e o maior da Áustria, pesando 20.130 quilos. 

3) Graças aos sinos da Catedral, Ludwig van Beethoven conseguiu descobrir a sua dificuldade de audição. 

4) O funeral de Antonio Vivaldi ocorreu dentro da Catedral em 1741, bem como foi na Catedral de São Estevão, em Viena, que Mozart casou-se e onde dois de seus filhos foram batizados. 

5) As catacumbas ficam embaixo da Catedral, quase que na extensão toda da praça, onde se encontram os sarcófagos de muitos duques, nobres, arcebispos, além de o tour também passar por um boneyard (galerias de ossos) onde estão mais de 10.000 cidadãos vienenses enterrados. 

Então lá fomos nós subir a TORRE SUL da Catedral, que custa 4,50 euros. Como disse, fui direto nela porque eles mesmo me informaram que ela era mais alta e conferia a vista mais bonita da cidade, com os seus 137 metros e 343 degraus.




Olha, como último dia de uma viagem de 23 dias que teve de tudo um pouco, eu confesso que achei que ia tirar de letra os 343 degraus. Não foi bem assim. 

PRIMEIRO AVISO: aos claustrofóbicos de plantão, a via de subida e descida é única, em caracol, estreita, no melhor estilo medieval e com pouca circulação de vento e quase nenhuma janela. Já aviso logo porque pode ser sofrido para algumas pessoas. 

Nós não temos esse tipo de problema, salvo o calor que sentimos, ao finalmente chegarmos lá em cima. Sério... a sorte é que o dia estava fresquinho, já começando a esfriar, pois eu estava morrendo de calor quando cheguei no topo da torre e estava tudo fechado. Eu quase tive um treco e pedi para o vigilante lá em cima abrir as janelas para dar uma circulada de ar e também para facilitar a tirar fotos.


Afinal de contas, eu não ia subir 343 degraus para ficar tirando foto através de um vidro riscado e embaçado kkkkk... eu realmente pedi para ele abrir as janelas e ajudou bastante!

Belvedere visto da Torre Sul


Observem os mosaicos coloridos


Centro Histórico de Viena
A vista é realmente linda! Compensa, viu? E é legal ver um pouco da história da torre, que já foi usada pelos bombeiros para vigiar a cidade e observar onde houvesse fumaça e fogo e poder enviar os bombeiros para lá. 




Por fim, após descermos a Torre Sul, nós caminhamos um bocado na cidade. Mesmo com vento mais frio e uma chuva fininha, a gente conseguiu aproveitar bem o domingo. Encontramos amigos e fomos tomar um café no Cafe Central, depois caminhamos e entramos em algumas igrejas, cujo acesso é gratuito, como a Igreja de São Miguel, em frente ao portão principal do Palácio de Hofburg e a Igreja Augustiner, ambas bem bonitas. 



Seguimos caminhando até a Karlskirche, que é paga e desistimos de entrar. Já valeu a caminhada e ela é bem bonita do lado de fora também. 

Aliás, de lá é possível avistar a bela estação da Karlsplatz Stadtbahn Station, que, salvo melhor juízo, informaram-me ser a mais antiga da cidade. 


Então, em nossas andanças, fomos parar no Stadtpark para podermos ver a famosa estátua de Strauss, que dizem ser uma das estátuas mais fotografadas do mundo!


Uma pena que não deu tempo de ficarmos mais tempo no Stadpark, pois ele me pareceu belíssimo para passear, almoçar, tirar uma pausa... 

Nosso objetivo final, em nossos últimos momentos em Viena, era chegar no Belvedere, que também está incluído no Vienna Pass, mas já não tínhamos nem tempo nem o cartão válido.




Logo, caminhamos rumo ao Belvedere para conhecer o ambiente, contemplar seus jardins, lagos, estátuas ao ar livre, sua bela harmonia e paisagismo, e seguir conversando com os amigos que encontramos na cidade. 

- Como chegar nos Palácios Belvedere: 

. O Upper Belvedere (que fica mais em cima): Tram O ou 18, com descida no Quartier Belvedere / Tram D, com descida no Schloss Belvedere / ônibus Hop On Hop Off na linha Amarela com descida no ponto Schloss Belvedere

. Lower Belvedere (o que fica mais embaixo): Tram 71 com descida no ponto Unteres Belvedere / Tram D ou 2 com descida em Schwarzenbergplatz / ônibus Hop On Hop Off na linha Amarela com descida no ponto Schwarzenbergplatz

- Horário de Funcionamento: todos os dias da semana, das 10h às 18h

O Belvedere é um dos mais bonitos e mais importantes museus de Viena e um dos mais visitados também. Originalmente, os dois palácios, que são conectados por um lindíssimo e único jardim em estilo barroco, foram construídos pelo Príncipe de Savoia Eugene para ser sua residência de verão.




O Upper Belvedere foi construído entre os anos de 1717 e 1723, em uma colina que providencia uma vista magnífica da cidade. E o Lower Belvedere foi construído primeiro, entre 17174 e 1716, ambos para o uso privativo do Príncipe Eugene.

- Destaques:

1) A coleção Vienna 1880-1914, incluindo a maior coleção do artista Gustav Klimt, incluindo pinturas e a sua mais famosa obra de Art Nouveau, "O Beijo" e "Judith". Aliás, vocês verão muitas referências a essa pinta, "O Beijo", em tudo quanto é canto de Viena, tanto quanto verão muitas referências a Mozart e seus famosos bombons de chocolate com recheio de pistache.

2) Também no Belvedere vocês poderão apreciar obras de Paul Cézanne, Edgar Degas, Vicent Van Gogh, Claud Monet, Edouard Manet, Camille Pissarro e Pierre-Auguste Renoir. Mas não se sitam culpados se não der tempo - como no meu caso - desde que vocês tenham visitado antes o Museu Albertina, que também é especializado nesse movimento artístico, o Impressionismo e, no entender de várias pessoas que visitaram os dois museus - Albertina e Belvedere - o Albertina é melhor. Ufa! Não consegui ver o acervo do Belvedere, mas o Albertina eu vi!

3) O nome Belvedere significa Bela Vista, sabiam? E isso remonta ao tempo da Imperatriz Maria Theresa, que adquiriu a propriedade logo após a morte do Príncipe Eugene.




4) A Galeria Imperial foi aberta ao público em 1781! Incrível essa preocupação do Império Austríaco em levar a cultura aos seus súditos. E justamente essa atitude que fez do Upper Belvedere um dos primeiros museus do mundo a ser aberto ao público.

5) Não perca a coleção no Upper Belvedere que vai desde a Idade Média até os tempos atuais.

6) Imperdível: passear por seus terraços e jardins, desenhados pelos design Dominique Girard, repleto de lagos, fontes, esculturas mitológicas, dentre outros, conectando os dois palácios.

7) Visite também os aposentos do Príncipe Eugene, além do Hall de Mármore (Marble Hall), a Galeria de Mármore, o Gabinete de Ouro, além da orangerie e os estábulos no Lower Belvedere.

E assim encerramos nossos passeios em Viena com o Vienna Pass, a quem agradecemos pelo apoio, que realmente foi ótimo para a gente conseguir otimizar o tempo e aproveitar ao máximo as atrações abrangidas pelo cartão.

Além desses passeios, nós também fizemos um City Tour guiado e a pé no Centro Histórico, sobre o qual depois contarei para vocês!

E, apesar de muita gente não se encantar tanto assim por Viena, especialmente quem a visita depois de ter visitado Praga, que é realmente uma cidade maravilhosa, nós adoramos Viena. Achei a capital austríaca tão linda, sofisticada, chique, charmosa, elegante... tudo o que eu tinha em mente e tudo a ver com o legado deixado por um Império que já foi um dos mais importantes da Europa!


- ALGUNS LINKS BEM IMPORTANTES PARA TE AJUDAR A DEFINIR AS ATRAÇÕES EM VIENA (os textos estão em inglês) - nós não tivemos tempo de visitar essas atrações:
. Sobre a DANUBE TOWER - infelizmente, não conseguimos ir, mas queria demais ter ido porque eu adoro uma vista legal panorâmica da cidade. Com seus 155 metros, é possível ter uma bela noção da cidade e do Rio Danúbio. Atualmente, opera como uma torre de rádio onde também há um restaurante no seu terraço que deve ter uma vista incrível.

. Sobre o MUSEU SIGMUND FREUD

. Sobre o APPLE STRDUDEL SHOW

. Sobre a CASA DE MOZART

. Sobre o PALÁCIO ESTERHAZY

. Sobre o MUSEU DE HISTÓRIA DA ARTE

. Sobre a CASA DE BEETHOVEN PASQUALATI


Nenhum comentário:

Postar um comentário