terça-feira, 25 de outubro de 2016

4ª Edição do Mondial de la Bière no Rio de Janeiro: nós fomos e contamos aqui como foi!

Não conseguiu participar da 4ª Edição do Mondial de la Bière? Calma que ano que vem tem mais!! O evento cervejeiro, um dos maiores do mundo, que reuniu milhares de pessoas no Porto Maravilha da cidade do Rio de Janeiro foi um sucesso absoluto. Portanto, se esse ano não deu, seja por que os ingressos esgotaram seja por outras razões, programe-se para o o ano que vem.



Pelo que pudemos perceber, o evento sempre ocorre no segundo semestre: em 2015 foi entre 19 e 22 de novembro, em 2014 foi de 20 a 23 de novembro, e em 2013 foi  de 14 a 17 de novembro. Portanto, a maior tendência é que seja em novembro. Pelo visto, 2016, quando o evento ocorreu de 12 a 16 de outubro, foi uma exceção. Mas acho que, para o ano que vem, dá para apostar nesses dois meses, outubro e novembro.

A primeira edição do Mondial de la Bière ocorrem em Montreal, no Canadá, em 1994. Por isso a origem francesa do nome, já que em Montreal, cidade que pertence à província de Quebec, onde já estivemos em 2012 e adoramos, o idioma mais falado é o francês (lembrando que o Canadá é um país oficialmente bilíngue: inglês e francês). 




Nós divulgamos aqui em primeira mão para vocês as novidades do Mondial de la Bière e também estivemos lá para conferir como foi o evento e contaremos para vocês, até mesmo para que os indecisos possam avaliar melhor se valerá a pena ir ano que vem ou não, considerando que, normalmente, a organização dos eventos costuma melhorar a cada realização.

- 4ª Edição do Mondial de la Bière, no Rio de Janeiro! Confira aqui!

- 4ª Edição do Mondial de la Bière começou e já é um sucesso de público!



O primeiro dia do evento este ano, que reuniu mais de Mil rótulos de cervejas artesanais, coincidiu com o feriado de Nossa Senhora Aparecida

Não fomos nesse dia (12/10), mas soubemos de várias reclamações, tais como: filas enormes para entrar (pessoas esperando até 1h na fila), banheiros fechados, lugar muito cheio ...



Bem,  nós fomos no sábado, dia 15 de outubro, e chegamos às 15h. O evento era das 14h às 23h, com programação de bandas a partir das 17h, no palco que foi montado entre os Armazéns 3 e 4. 

Ah sim, todo o evento ocupou três enormes Armazéns no Cais do Porto: os armazéns 2, 3 e 4! Todo mundo era obrigado a entrar pelo armazém 2 e a sair pelo armazém 4. 



A melhor forma de chegar era de VLT, o novo transporte da cidade - Veículo Leve sobre Trilhos - especialmente por se tratar de um evento cervejeiro.


Ou seja, acho que ninguém foi lá para ver as cervejas sem beber, certo? Considerando a Lei Seca, a recomendação mais sensata era ir de VLT, que deixava praticamente em frente, onde tem o belíssimo mural feito pelo artista plástico Eduardo Kobra, ou ir de táxi, tendo que caminhar um pouco para chegar lá (tentando descer o mais perto possível da Praça Mauá e do Museu do Amanhã).


Quando fomos não havia fila! Não sei se foi pelo fato de eu ter chegado cedo, às 15h (se foi isso, fica a dica para o próximo ano: cheguem cedo!) ou se foi por uma questão de a organização do evento ter corrigido essa questão da fila para evitar problemas nos dias seguintes.



Nós acabamos ficando até depois das 23h rsrs... oficialmente, o evento acabou às 23h, mas a gente foi ficando até ser expulso e saiu de lá umas 23:40. Seguimos o fluxo pelo Boulevard Olimpíco até uma rua cujo nome não me lembro, onde pegamos um táxi (havia vários parados por lá).



Era muito difícil escolher as cervejas que desejávamos provar, pois a oferta era enorme e não conhecíamos várias das cervejarias presentes no evento. Acabamos priorizando algumas que não conhecíamos, outras porque gostamos muito e assim, com muita dor no coração (porque a vontade verdadeira era a de ter conseguido provar todas kkkk... mas aí teríamos que descobrir a fórmula de continuar sóbrio após tanto exercício de "levantamento de copo". As escolhidas foram:





- Leopoldina (Armazém 2) 

- Wals (Armazém 2) 

- Bodebrown (Armazém 3) 

- Wieninger Bier (Armazém 3) 

- Roter (Pavilhão 3) 

- Krug (Pavilhão 3)

- Antuérpia (pavilhão 4) 

- Gaspar (pavilhão 3) 

- Sud (armazém 4) 

- Mohave (armazém 3) 

- Madá (Armazém 4) 

- Baker (Armazém 4) 


Adoramos todas as cervejas que degustamos das cervejarias acima. Olha... realmente não temos nada de ruim ou a reclamar... tudo o que nos foi oferecido para degustarmos estava maravilhoso!


Mas devo destacar que me surpreendeu muito a cerveja da SUD que provamos, cervejaria da região sul do Brasil, de Bento Gonçalves, que trouxe uma cerveja que passou 24 meses em barril de carvalho que tinha sido usado antes para a produção de vinho. Muito especial! 



A Wäls trouxe uma versão similar, mas de uma cerveja que ficou quase um ano envelhecendo em barril de cachaça (nada mais mineiro, não é mesmo?) e a Leopoldina, também da serra gaúcha, cidade de Bento Gonçalves, que tivemos o prazer de conhecer no ano passado quando visitamos o complexo da Casa Valduga e a sua cervejaria, que é a Leopoldina, trouxe para o Mondial uma cerveja que também fica cerca de 1 ano envelhecendo em barril de carvalho por onde já passou algum tipo de vinho da vinícola antes. 




Graças a Deus que a oferta de FoodTrucks, que ficavam do lado de fora dos Armazéns, no corredor externo, era bem grande. Afinal, com tanta tentação cervejeira, só mesmo revezando entre alguns copos e algumas comidinhas para não sair de lá cantando o clássico "beber, cair e levantar!" kkkk...



Havia vários foodtrucks bem interessantes e nós acabamos optando por provar o burger de porco bêbado Foodtruck do Belga, primeiramente, porque achei o nome muito engraçado kkk... Em segundo lugar, porque não tinha fila e rapidinho pagamos e pegamos o burger! Gente, que delícia! Que pão macio, que carne de porco perfeita, com queijo da serra da canastra... Jesus!!!! Eu comeria uns três dele! 




O outro foi o FoodTruck Big Daddy's, onde também acabamos escolhendo um burger para provar. Não era tão espetacular quanto o do Belga, até porque o do Belga não era propriamente um burger, já que a carne de porco era desfiada. O do Big Daddy's era realmente carne de hambúrguer. Estava bem gostoso, mas a fila de espera foi de cerca de 40 minutos no total, entre pagar e comer. 


Percebemos que os FoodTrucks localizados no corredor do lado externo do Armazém 2, que era o primeiro onde todo mundo chegava, ficavam mais vazios, com menos filas. 

O mesmo se passou com as cervejarias, pois os Armazéns 3 e 4 eram os mais disputados e cheios e o Armazém 2 estava mais tranquilo para andar. 



** Algumas Informações Legais sobre o Evento **

- Todos os visitantes ganharam um copo do evento para usar nas degustações



- Achei o máximo a preocupação com o bem estar das pessoas, com a colocação de pontos de hidratação com água mineral, que são ótimos para evitar bebedeiras e para limpar os copos e seguir bebendo sem misturar as cervejas


- Esse ano, o evento ocupou 3 armazéns que estavam repletos de stands cervejeiros e no corredor do lado de fora estavam os food trucks



- O visitante poderia adquirir um cartão de recarga onde depositava o valor que desejava consumir. Esse cartão custava 5 reais que poderia ser reembolsado ao final, quando da entrega do cartão. Ao colocar mais dinheiro do que que efetivamente foi gasto, eles não devolviam esse valor de sobra. Esse cartão deveria ser usado para a aquisição de quase tudo no evento, desde cervejas a comidinhas. E a aquisição desse cartão poderia ser feita por meio de pontos de venda fixa ou ambulantes (pessoas com a placa de venda do cartão). Só estavam aceitando dinheiro ou cartão de débito.


- Todavia, para comprar souvenirs e cervejas engarrafadas, por exemplo, coisas que não eram para o consumo local, aí poderia ser pago direto com dinheiro / cartão de crédito 



- Havia muitos banheiros, desde os químicos (mas daqueles bonitinhos, que parecem traillers) até os fixos, já pertencentes aos armazéns. O máximo de fila de banheiro que eu peguei (já que para mulheres é sempre dramático) foi de 5 minutos. Não fiquei mais que isso em fila. E tive que ir várias vezes kkkk...


- Entre os armazéns 3 e 4 foi montado um palco onde aconteceram shows depois das 17h. 



- Havia algumas brincadeiras por lá, como a piscina de bolas que a Jeffrey's trouxe, ou a área de brinquedos que a AmPm trouxe também... mas não é um ambiente dos mais apropriados para levar crianças pequenas, embora eu tenha visto algumas por lá, eu não recomendo. 



- Havia Posto Médico, o que achei muito importante também, pois, por se tratar de um evento cervejeiro, nem todo mundo bebe de forma responsável e é melhor prevenir mesmo. Por outro lado, merece ser dito que, justamente por ser um evento para onde as pessoas vão para beber, a gente até esperava ver uns ou outros bêbados chatos, porém, não vimos nada que desabonasse a organização do evento, não vimos pessoas bêbadas inoportunas ou causando confusões... aliás, não vimos qualquer briga ou confusão por lá e isso nós achamos ótimo.


- Melhor forma de chegar foi de VLT.


- O ingresso esse ano custou R$60,00 (na venda antecipada, parece que custou R$50,00).


- Algumas curiosidades do evento:


** Sabia que o Mondial é realizado anualmente em Montreal, no Canadá, e em Mulhouse, na França? Considerado a porta de entrada para muitas indústrias de cervejas estrangeiras nos países de realização, já é um dos maiores eventos cervejeiros do mundo!





** No RJ, foram mais de 1.000 rótulos de cervejas artesanais!

** Toda hora em que alguém deixava cair um copo, a galeria já agitava uma ola com gritos rsrs... era engraçado!


** A Wäls ganhou três medalhas de ouro no MBeer Contest, concurso do Mondial de La Bière, que elegeu os melhores rótulos de cerveja do ano. As cervejas premiadas foram a Wäls Niobium, a Wäls Dubbel e a Wäls Cuvée Carneiro. A mineira também levou para casa o título de cervejaria mais premiada do evento




** O concurso MBeer Contest totalizou 13 medalhas de ouro e uma de platina. Os vencedores foram:

. A cervejaria Backer levou a medalha de platina, com a Bravo, uma Imperial Porter. 




. As medalhas de ouro foram para as cervejas: 

- Noi Cioccolato da Cervejaria Noi; 
- Hopi da Cervejaria Mistura Clássica; 
- Wals Niobium da Wals Cerveja Arte; 
- Hazy da Cervejaria OverHop; 
- Wals Cuvéé Carneiro da Wals Cerveja Arte; 
- Pazion da Zalaz; 🍺- DarkHop da Cervejaria OverHop; 
- Cacau Wee da Bodebrown; 
- #TBT da 3 Cariocas; 
- Wals Dubbel da Wals Cervejaria Arte; 
- India White Ale da Three Monkeys Beer; 
- Canudos da O Motim; 
- Cerveja Mafia New York da Cervejaria Serra Verde Imperial

Enquanto não chega a quinta edição do Mondial de la Bière no Rio, acho digno a gente experimentar as cervejas campeãs! Muitas são marcas de cervejarias artesanais cariocas, para o nosso orgulho!




Foi assim esse ano e temos certeza de que ano que vem será muito melhor!

Agradecemos pelo convite que recebemos para conhecer o evento, já que foi a nossa primeira vez lá, e agradecemos também a todas as cervejarias que nos receberam com muito carinho e queriam que a gente degustasse tudo rsrs... a gente também queria provar de todas, mas não deu! Algumas até nos deram algumas das cervejas engarrafadas para a gente conseguir provar em casa... e já tomamos quase todas! Sensacionais!



O bom é que ano que vem tem mais e prometemos tentar comparecer todos os dias para conseguirmos! Que tal? Até 2017!

** VEJAM MAIS FOTOS DO EVENTO **


















Nenhum comentário:

Postar um comentário