quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Rio de Janeiro: Trilha da Pedra do Telégrafo

Nosso último final de semana no Rio de Janeiro foi de muita aventura e trilhas, no sábado (9) e domingo (10), já mostrando que 2016 chegou com pique total e cheio de disposição aqui no Apaixonados por Viagens!

Vamos falar da trilha que fizemos no domingo? Há tempos que desejo fazer a Pedra do Telégrafo, mas a distância  (é longe pra chuchu da Zona Sul), o fato de ter que acordar super cedo, o calor, as condições climáticas nem sempre favoráveis e outros compromissos de final de semana sempre nos impediam.

Além disso, nós somos desmotorizados rsrs... e eu, ainda por cima, nem sei dirigir! Logo, não era tão fácil conjugar todos esses fatores para realizar essa aventura.



Praias Selvagens do Rio

Eis que neste final de semana, o segundo do mês de janeiro, tudo estava perfeitamente alinhado: estávamos no Rio, previsão boa de tempo, amigos interessados em fazer a trilha conosco, que poderiam dar carona e, acima de tudo, dispostos a madrugar em pleno domingo para partirmos rumo à Barra de Guaratiba!

E bota disposição nisso, viu? Porque nós acordamos às 5:30h da matina!! E tudo isso por causa da "Pedra da Foto" rsrs... a famosa pedra da ilusão ótica que até uns 8 meses atrás conseguia enganar todo mundo e ficou famosa nas redes sociais com as fotos que foram tiradas nela simulando uma escalada beirando um penhasco.

Quem diria que uma pedra ganharia tanta fama e arrebataria dezenas e dezenas, senão centenas, de pessoas a perder de vista, atraídas pelas inúmeras possibilidades de registros fotográficos e brincadeiras em cima dela com o intuito de enganar depois os colegas com a ilusão ótica?

É o poder das mídias sociais, do Instagram e do Facebook, que conferiu fama a uma simples pedra que até um ano atrás era praticamente desconhecida. E nós fomos lá conferir tudo isso, na esperança de chegarmos super cedo e não pegarmos tanta fila rsrs... ledo engano nosso! Já conto o porquê...

Então, acordamos às 5:30h e saímos de Copacabana por volta das 6:20h com nossos amigos tão doidos quanto nós rsrs...

Seguimos via Lagoa, Túnel Zuzu Angel, São Conrado, Joá, Barra da Tijuca e aí fomos seguindo as placas para Barra de Guaratiba! Colocamos no Google Maps para dar uns ajudinha e o destino final era o Corpo de Bombeiros de Barra de Guaratiba, nosso ponto de referência.

Passamos pelo Sítio Burle Marx, pela famosa rua dos restaurantes de Barra de Guaratiba, onde fica o Restaurante da Tia Penha, onde depois almoçamos, e chegamos no centrinho de Barra de Guaratiba e logo depois nos Bombeiros, onde paramos para pedir informações.


Restinga da Marambaia ao fundo

DICAS:

1) Vá cedo! Até mesmo por causa do sol e calor.
2) Atenção às placas para Barra de Guaratiba e NÃO CONFUNDA com Pedra de Guaratiba ou Ilha de Guaratiba. O caminho certo é o que leva a Barra de Guaratiba.
3) Leve água, lanchinho, filtro solar e óculos para fazer a trilha.
4) Estacione no estacionamento lá do alto da Rua Chico Buarque  (n. 402). Se você estacionar ali, vai economizar uns 20 minutos na subida da trilha.

Então, assim chegamos e procuramos a rua indicada para estacionar que era uma rua perpendicular  à principal logo antes dos Bombeiros.

É uma ladeira mega ultra íngreme que até assusta. Estávamos com carro de passeio 1.6 e mesmo assim saímos do carro e deixamos só nosso amigo para subir com o carro. Ele conseguiu! Rsrs... mas não sei se é todo mundo que tem habilidade para subir ali sem patinar.

Vocês poderão ver na pracinha antes da entrada para a Restinga de Marambaia uma placa indicando haver estacionamento na ladeira.  Ali, já pode pedir orientação de como chegar.

O estacionamento era na casa de uma família na verdade e custou R$20,00 pela diária. Mas se você não quiser estacionar lá em cima e conseguir estacionar embaixo, basta depois subir normalmente a ladeira.

No nosso caso, nem foi assim tão grande esse adiantar porque tivemos que subir a ladeira a pé de qualquer forma para que nosso amigo subisse com o carro mais leve.

Finalmente, com carro estacionado, mochila abastecida de água e lanchinhos, filtro solar, boné e óculos, calçando tênis  (ou crocs, no caso do Julio), nós, que chegamos em Barra de Guaratiba às 7:20 mais ou menos, só começamos a trilhar por volta das 7:50.


SOBRE A TRILHA ATÉ A "PEDRA DA FOTO"

Para quem não sabe, a famosa "Pedra da Foto" não é a Pedra do Telégrafo! Mas a trilha sim é a da Pedra do Telégrafo, entende? 

Bem, prepare-se para muita subida!

Sobe, sobe, sobe... e quando você pensa que agora será plano... proooonto: dá-lhe mais subida! Nem se anime muito com os poucos trechos que não são de subida porque eles só servem para causar falsa esperança rsrs.

O que eu achei? Em si, a trilha na subida não é difícil, bastando ter disposição e fôlego para aguentar essa subida, que é feita em trilha marcada e, em boa parte, fechada pelas árvores e bambuzais do caminho. Mas também não vou dizer que é fácil.


Restinga da Marambaia

Cansa, viu? E olha que eu não sou sedentária rsrs...

Mas não chega a ser como a subida do Morro Dois Irmãos. Eu diria que está parecido com a subida da Pedra Bonita.

Vejam aqui as matérias sobre as trilhas que fizemos no Morro Dois Irmãos e na Pedra Bonita.

Se você estiver com bom condicionamento físico e não parar nos mirantes para tirar foto, acho que conseguirá chegar na "Pedra da Foto" em uns 40 minutos.

Nós, por outro lado, paramos umas 3 vezes para fotos e, no meu caso, para beber água e respirar um cadinho (eu tinha feito trilha no dia anterior e não ia à academia há 20 dias... Acho que por isso fiquei cansada, fora o calor que já era forte, mesmo em torno das 8h da manhã).

Como disse, a trilha é fechada por árvores em boa parte o que é bom por um lado, porque assim o sol castiga menos, mas é ruim por outro lado porque venta pouco e fica abafado.

A trilha pela parte alta que fizemos e o acesso às praias selvagens estão muito mal sinalizados porque tiraram as placas. Depois até tivemos dificuldade em achar a trilha para o Perigoso.

Fizemos então 3 pausas para fotos pelo caminho antes de chegarmos à tal pedra.

E as vistas são incríveis lá do alto, já fazendo valer todo o sacrifício!



Restinga de Marambaia por inteiro e a imponência do mangue realmente surpreendem.

Chegando mais perto da "Pedra da Foto", não tem como não se encantar com a vista incrível para algumas das praias selvagens do Rio de Janeiro!

E sabe aquela sensação de não estar mais na cidade? Como pode ainda estarmos no Rio?


Praia do Meio, Praia Funda

Praia Funda

Praia do Meio
Ali, bem se pode ter uma ideia do deslumbre dos nossos colonizadores ao chegarem por aqui! Praias selvagens e uma natureza exuberante!

Assim, chegamos na "Pedra da Foto" às 9h. Com fila, como já era esperado.

Ficamos 1:30 lá entre enfrentar fila e tirar nossas foto.

Sim, esse lance da fila é chato e tem a ver com modismos.  As pessoas ficam muito tempo tentando tirar a foto perfeita com a ilusão ótica de ser alpinista. Aí demora, né?

Alguns tiram, depois vêem a foto e repetem porque não ficou boa... e por aí vai.

Poderia ter sido bem pior porque a fila foi só crescendo e o calor aumentando!

Aproveitei enquanto os amigos estavam na fila e fui explorar os arredores que têm pontos fotogênicos incríveis em outras pedras menos famosas rsrs..

E o melhor de é que a "Pedra da Foto" gera tanta atenção que as pessoas nem ligam muito para os arredores, que estavam vazios e fáceis para fotografar com calma.

É claro que isso que fiz só foi possível porque as almas caridosas dos meus amigos ficaram na fila guardando nossa vez!

Durante a fila também foi engraçado ver o espírito esportivo das pessoas que faziam brincadeiras e sacaneavam mesmo aqueles que estavam na pedra tirando suas fotos. Sempre rolava uma piadinha engraçada.

Outra "vantagem" da fila (se é que ficar em fila tem alguma vantagem hahaha ), foi poder observar as poses que as pessoas faziam e buscar inspiração para o que faríamos e o que definitivamente não faríamos.




Muita gente fica lá na fila um tempão para fazer pose normal kk... puxa vida gente, bora desentupir a veia teatral! Chegar lá para ficar em pé e sorrir para a câmera é sem graça, viu?

Quando finalmente chegou a nossa vez (Aleluia! Aleluia!), aproveitamos nosso tempo e mandamos ver nas poses engraçadas!

Em grupo!



Individualmente!




Em casal!



Kkkkkk... abusamos, como todo mundo!!!

Mas eu juro que fomos bem rápidos porque já havíamos combinado as poses.

E o resultado ficou legal, né?

Reparem no efeito ótico kkk... É uma brincadeira bem divertida!

Depois nós respiramos fundo e seguimos para a Praia do Perigoso.

Nós pegamos a trilha de descida que começa mais ou menos onde tem um tronco atravessado no meio (para quem desce da "Pedra da Foto", é a segunda quebrada para a esquerda).

A descida foi bem pior por causa do risco de enorme se escorregar.

Há vários trechos com terra fina que requerem muita atenção para não sair rolando kkkk... Nosso amigo improvisou um "cajado de bambu" para facilitar a nossa vida rsrs. Mesmo assim, eu escorreguei e ralei um pouco a mão.

E antes que pensem que é por que eu sou fresca, já adianto logo que várias pessoas escorregaram, inclusive o meu amigo. Vale a pena ter muito cuidado para não se machucar.

Então, descendo essa trilha, nós meio que voltamos para a vila de Barra de Guaratiba, em uma ladeira de paralelepípedo e vimos a placa indicando as Praias (virando para a esquerda depois de descer parte dessa rua que tem casas e carros).

Daí começou mais uma trilha!

E dá-lhe mais subida, trechos escorregadios e muitas depressões na trilha, buracos e pedras. Foi mais ou menos mais 1 hora de trilha. Pelo menos dessa vez tinha placa para indicar.

Ainda fomos num desvio pelo caminho bem rapidinho para vermos a Pedra da Tartaruga. E não é que parece mesmo?


Pedra da Tartaruga
A pior parte é o último trecho, após a placa que mostra as distâncias e tempo para a Praia do Meio e Praia Funda. Aliás, para quem for somente para as praias selvagens, vale a pena seguir direto e ir para a do Meio que parece ser muito melhor e mais bonita.

O problema é que serão (por este caminho) 2 horas de trilha por trecho no total para chegar na praia do Meio. Aí você terá que avaliar a sua disposição e cansaço para explorar mais praias, como a do Meio, a do Inferno e a Praia Funda.

Nós, que já tínhamos feito a trilha para a "Pedra da Foto", no Telégrafo, estávamos muito cansados e, por sorte, no caminho de descida encontramos vendedores ambulantes de água e reabastecemos o estoque que já estava quase acabando.

Sem água, não rola!

Vencido o perrengue do final da trilha para o Perigoso, já avistando a Praia da Tartaruga, fiz outra pausa para foto.


Praia da Tartaruga
O cajado de bambu ajudou muito nessa hora! Todo cuidado é pouco porque derrapa mesmo. Eu só ficava pensando naqueles doidos indo com criança pequena no ombro, com isopores e bolsas térmicas e uma tralha sem fim kkkk... eu mal me aguentava sem carregar qualquer coisa que fosse!

Sobre o Perigoso, algumas considerações:

O Perigoso estava muito cheio e com muita sujeira deixada pelos que acampavam nela... Havia muitas barracas de camping por lá e adeptos da farofa rsrs... Não curti muito isso. 


Perigoso

Perigoso

Teria sido melhor ir para a do Meio que é mais reservada e limpa, mas estávamos tão cansados que não era daquela vez que iríamos.


Praia do Meio avistada do Perigoso

Ficamos ali num cantinho mais reservado, mais tranquilo para descansarmos e darmos aquele mergulho dos justos que estavam de pé desde às 5:30 da manhã e mega cansados.




A água estava verdinha e menos gelada (ainda sim gelada) do que no dia anterior. Foi uma delícia!

Tudo o que eu precisava porque eu derreti fazendo a trilha kkkk...

De onde estávamos, praticamente aos pés da Pedra da Tartaruga, pudemos ver o pessoal no rapel. Eita povo corajoso, viu?


Rapel na "cabeça" da Tarturaga rsrs

E a preguiça de pensar em encarar a trilha de volta? Eis que apareceu um barqueiro do nada e eu me senti num deserto avistando uma miragem kkkk...

Óbvio que catamos esse barqueiro, o Alexandre, mais conhecido como Bigode, que está acostumado a levar as pessoas para lá. Não pensamos duas vezes e pagamos os 25 reais por pessoa, que ele cobrou para levar a gente de volta para Barra de Guaratiba!

- Contato do Alexandre: + 55 96443-9326 / 98218-2875 / alexandrebigoderj@hotmail.com

Ufaaaaa!!!! Nem parecia verdade!





Acabou sendo outro passeio incrível a volta de barco, com emoção e ondinhas pelo caminho, circundando a Pedra da Tartaruga e outras praias.




Avistar Barra de Guaratiba pelo mar também me encantou e, forçando um pouco a barra, a imagem me lembrou Cinque Terre na Itália  (foi só uma remissão... Não me crucifiquem rsrs...).


Chegando em Barra de Guaratiba


Mas a praia de Barra de Guaratiba estava lotadíssima... já não curti.



Por fim, cansados e mortos de fome, fomos almoçar no Restaurante da Tia Penha, que fica na estrada dos restaurantes, saindo de Barra de Guaratiba,  para repor as energias com uma deliciosa moqueca de robalo e um bobó de camarão.

Moqueca de Robalo

Molho de camarão da moqueca que veio separado porque pedimos
O restaurante é muito famoso pelos fartos e saborosos pratos de frutos do mar e faz jus à fama.

Esperamos cerca de 20 minutos na fila e mal deu tempo de pedir uns pasteis de entrada e chopes (nada mais cara de pau do que enfiar o pé na jaca após um treino intenso de trilhas kkkk).



Bobó de Camarão
Tanto a moqueca completa, com arroz, pirão, farofa e molho de camarão (em torno de R$260,00) quanto o bobó (em torno de R$90,00), estavam deliciosos e foram mais que suficientes para 5 pessoas esfomeadas!



Como podem ver, não se trata de um restaurante barato, mas sim muito procurado pela qualidade e pratos fartos.

Para arrematar, ainda compramos doces da Tia Conceição, bem em frente ao restaurante da Tia Penha, onde ela fica há 23 anos vendendo doces dentro de um carro de passeio!

E assim foi a nossa grande aventura!

Obs: Soubemos que a Tia Palmira, dona do restaurante homônimo, faleceu e que o restaurante, igualmente famoso, tinha fechado. Mas não tenho certeza.

Outro restaurante badalado da região de Barra de Guaratiba é o do Bira, onde eu estive no final de 2014 e também aproveitei para matar meu desejo de comer moqueca! Da mesma forma, farta, a moqueca para 2 serviu muito bem 3 pessoas. E os preços são mais ou menos parecidos com os da Tia Penha.




A vantagem, ao meu ver, do Bira é a sua localização privilegiada com vista incrível para a Restinga de Marambaia e por ser um excelente local para apreciar o pôr do sol!



Por outro lado, a desvantagem do Bira é o fato de não ter estacionamento e eu lembro que foi muito complicado conseguir vaga, ainda mais por ele estar no alto de uma ladeira e ter uma grande demanda.



No caso do Restaurante da Tia Penha, embora não tenha vista, ela tem um amplo estacionamento e isso facilita bastante. 

** FICHA TÉCNICA **

** Trilha da Pedra do Telégrafo  (mas a grande atração é a "Pedra da Foto" da ilusão ótica

- Dificuldade: nível médio para pessoas despreparadas. Só subida e só descida. A descida tem trechos escorregadios. Mas não há escalada.

- Duração: cerca de 1h para cada trecho, a depender do seu preparo físico e das pausas que fizer para recobrar o fôlego ou para fotos, pode ser menos ou pouco mais.

- Fila para tirar foto: está na moda agora (há cerca de 8 meses!). Quem sabe se com o tempo vai piorar ou simplesmente ficar batida e sair da moda? De todo modo, vá bem cedo e prepare-se para fila se for no final de semana ou feriado.

** Trilha para as Praias Selvagens: Perigoso, Meio, Inferno e Funda

- Duração: Descida da "Pedra da Foto" até a base de Barra de Guaratiba e início da trilha para o Perigoso dá em torno de 45/50 minutos.

Do início da trilha, já na parte da vila, até o Perigoso, mais cerca de 50 minutos.

Do Perigoso até a Praia do Meio, mais cerca de 50 minutos.

Voltando de barco do Perigoso a Barra de Guaratiba, cerca de 15 minutos.

- Grau de dificuldade na trilha do Perigoso: médio para intenso, principalmente na reta final, com muitos trechos em depressão, buracos grandes e escorregadios por causa da terra fina.

O QUE LEVAR:

- Água
- Lanches
- Óculos
- Repente
- Filtro solar
- Chapéu
- Câmera
- Mochila
- Roupas Leves e Confortáveis
- Tênis para a trilha
- Álcool em Gel

Obs.: O banheiro, na trilha, é orgânico rsrs...



4 comentários:

  1. Ameiiiiiiiiiiii o post! Suuuuuuuuper completo! Parabéns Lily!
    Estou doido pra ir lá... o problema é essa fila desanimadora.
    Já me falaram que pode pegar até 3hs de fila dependendo da hora q vc chegue.
    Vou esperar passar a moda de verão, rsrs.
    Arrasou no post! Bjão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mauricio!! Que honra ver seu comentário aqui no blog! Muito obrigada mesmo!

      Pois é, né? Tem que ter dose extra de paciência e tempo e muito espírito esportivo para aguentar a fila da Pedra da Foto! kkkk...

      Mas como você mora mais perto, acho melhor mesmo esperar passar um pouco esse modismo e o verão. Daqui a pouco a fila fica menor kkk... e durante a semana a realidade é sempre outra! Finais de semana que são uma loucura!

      Ficarei esperando você ir para ver suas fotos, viu? Quero ver sua veia teatral =P

      Beijihos e muito obrigada!
      Lily

      Excluir
  2. Bom dia lily! Muito bom o seu post, super completo. A melhor parte e você falando da descida dos riscos que tem. Na verdade gostei de tudo e espero em breve conhecer esse local, mais como não tenho muita paciência, vou deixar pra arriscar na semana mesmo rs. Só tenho 2 duvidas o Alexandre, mais conhecido como Bigode cobrou 25 reais por pessoa? E a foto que você tirou em casal pendurada na pedra teve muita dificuldade para fazer aquela pose rs?
    Obrigada e parabéns pelo post que estar nota 10! Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Evelyn,
      muito obrigada! Fico feliz por você ter gostado da matéria.
      Olha, já até atualizei o post, por causa do seu comentário, e coloquei lá que foram 25 reais por pessoa, ok?
      Do jeito que estávamos cansados, saiu "de graça" kkkk...
      Com relação à foto, fácil fácil não é! Tem que ter força no braço, na perna e abdomen =)) E eu estava há 20 dias sem malhar... logo, só mesmo o Julio me puxando para eu conseguir, pois, sozinha, acho que não conseguiria!
      A brincadeira ficou legal, né?
      Beijinhos e, quando você for, volte aqui para contar para gente a sua experiência, viu?
      Lily

      Excluir