quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

Novo Passeio no Rio de Janeiro: Pantanal Carioca com o Barra Water Shuttle

E você acha que Pantanal só tem lá para as bandas do Mato Grosso do Sul?

E se eu te contar que você conseguirá ver jacarés, capivaras, garças, mangues em pleno Rio de Janeiro? Não acredita? Ahhhh... Então confira aqui nessa matéria que eu vou te provar que o Rio de Janeiro tem o seu próprio Pantanal! E só faltou a onça rsrs

Um Rio de Janeiro diferente do que vemos nos cartões postais que sempre retratam as praias de Copacabana, Ipanema, pôr do sol no Arpoador, Pão de Açúcar e Cristo Redentor!

Um Rio de Janeiro que poucos conhecem e que o Barra Water Shuttle, uma agência de turismo localizada na Barra da Tijuca, levou a gente para ver de perto no último dia 28 de novembro!




Juntamente com os amigos blogueiros Monica - Blog Le Touriste; Cris - Cris pelo Mundo; Di - Histórias da Di; Lu - representando o blog Prefiro Viajar; Ana Paula - Viagens Imperdíveis;  Mauricio - Blog Aventureiros; Leo e Natália - Maior Viagem; Erica - Nós na Trip e Carlos - Fantrip, embarcamos nessa aventura com o Rômulo, em uma balsa, que na verdade é um trimarã, rumo a descobertas e paisagens que eu nem imaginava haver pela Barra da Tijuca!

Vira e mexe, eu acompanho na mídia alguma reportagem sobre jacarés entrando em condomínios e até mesmo na praia na Zona Oeste da cidade. Muito recentemente, inclusive, no Recreio dos Bandeirantes, os moradores de um condomínio levaram um susto com um jacaré que estava bem à vontade nadando na piscina. Peeeeensem na cena! Rsrs. .. mas uma coisa é ter essa idéia e saber da existência, outra coisa é ver de perto esses bichanos e esse com certeza foi um dos pontos altos do passeio.



Mas vamos começar pelo começo, né? Pois já me empolguei e estava aqui me antecipando e contando o final para vocês rsrs..

Então, esse passeio foi desenvolvido pelo Rômulo, que já morou muitos anos no Hawaii e tem ampla experiência em atividades ligadas ao turismo. No Hawaii, ele era dono de uma agência de mergulho e também certificador PADI para futuros mergulhadores. Ou seja, além de detentor de grande bagagem cultural e de expertise para lidar com turistas, ele fala fluentemente inglês.



Voltando para o Rio e morando na Barra da Tijuca, ele observou o grande potencial pouco explorado das lagoas da região oeste.

O Complexo Lagunar da Barra da Tijuca é uma dessas preciosidades que a poucos chama a atenção do seu verdadeiro valor, já que muitas delas ficam escondidas pelos prédios arranha-céus, pelos shoppings centers do bairro e as pessoas nem lembram ou nem fazem idéia da sua existência.

Pensando nisso e aliando ao seu amor pela natureza, o Rômulo idealizou e formatou esse passeio que aos poucos foi ficando conhecido como “Pantanal Carioca”!




É um passeio realmente surpreendente! Fiquei pensando nos gringos que ele leva para o passeio e como devem ficar encantados em poder ver de perto uma cidade tão pouco divulgada, com uma fauna e flora de grande beleza e diversidade.




Nós fomos para a doca de embarque perto do Hortifruti do Jardim Oceânico, na Barra (na Praça Professor Sousa Araújo 390), que é a melhor opção de embarque para quem vai da Zona Sul. Você pode estacionar seu carro no próprio estacionamento coberto do Hortifruti, porém, ele é cobrado à parte de quem não fizer compras neste mercado.



Se você não quiser pagar o estacionamento nem tiver intenção/condição de fazer compras no Hortifruti para ficar isento de pagar o estacionamento deles, há também um espaço (tipo um terreno de chã batido) ao lado da trilha curta que leva para a doca de embarque). Neste local, não há cobrança de estacionamento e há árvores que fazem sombras. 

Como o passeio é circular, na verdade basta combinar com o Rômulo qual o melhor ponto de embarque que ele busca e devolve no mesmo Deck.



São 3 opções de horários de passeios: 11:00; 14:00 e 17:00, sendo que o último é ainda mais especial pela possibilidade de se ver o pôr do sol!

Nós escolhemos o passeio das 11h porque infelizmente o clima no Rio de Janeiro anda bastante instável, como em toda região Sul e Sudeste, em função das alterações climáticas provocadas pelo fenômeno El Niño que deixa as regiões Sul e Sudeste mais chuvosas e as demais regiões mais secas.



Como havia previsão de chuva para domingo, achei melhor a gente se garantir e fazer logo o primeiro horário do passeio na esperança de termos sol! E graças a Deus que deu tudo certo porque fez um sol lindo!!!

Foi mais que perfeito o dia, com muito sol! E, para nossa sorte, o tempo só começou a  virar de tarde com muitas nuvens e, à noite, com muita chuva.




E o sol não atrapalhou em nada porque a balsa é coberta e abrigada.

Por falar na balsa, ela tem capacidade para 14 pessoas, além do seu capitão. Possui bancos nas laterais e na frente também.




Em alguns momentos do passeio, eu fiquei na frente para poder fotografar melhor.

Porém, esse local da frente pode ser ingrato às vezes porque molha os pés e às vezes espirra muita água.



Além disso, noutras vezes o próprio Rômulo pedia para a gente não ficar todo mundo lá na frente por causa do equilíbrio da balsa que precisa ter o peso distribuído para navegar bem.



O passeio leva em torno de 3 horas. No início dele, a gente pôde observar a dinâmica de muitos condomínios da Barra da Tijuca que dependem do canal para levar seus moradores para vários lugares e ganhar tempo escapando do trânsito e engarrafamentos.

A Lagoa de Marapendi e seus canais conectam muitos condomínios, restaurantes e Shoppings Centers. Portanto, ela tem certo movimento de barquinhos durante o dia.



Mas não apenas os barquinhos, acompanhamos alguns mais aventureiros praticando SUP por lá.



E bota aventureiro nisso porque eu teria medo de cair ali e contrair uma doença de pele ou até mesmo hepatite.

Infelizmente, o saneamento básico da Barra da Tijuca é muito recente, menos de uma década, e os estragos feitos nas lagoas com o despejo desses dejetos ainda não foram remediados. Lamentável saber que existem condomínios que ainda hoje jogam seu esgoto nas lagoas e rios da região e isso faz com que sintamos, em alguns trechos do roteiro, um odor um pouco desagradável. 


Crédito: Mauricio, do blog Aventureiros - portal Trilhas e Aventuras


Exatamente por isso que esse passeio não é para banho. Não há pausa para banho!



Durante o passeio, o Rômulo ofereceu diversas vezes bebidas para a gente. Bastava pedir a ele também para que ele servisse. Ele também ofereceu snacks, como Doritos, Ruffles e Amendoins por duas vezes durante o passeio que foram providenciais para segurar a fominha mais perto do almoço.



A primeira parte do passeio foi no sentido da Reserva e, assim, as gente seguiu pelo canal quase que em paralelo à praia. A distância entre onde estávamos e a praia era de cerca de 1km apenas.


Pudemos ver de perto toda uma região de mangues até bem fechados, com prainhas, depois dos prédios, compondo um cenário totalmente diferente e inusitado.






Quando o passeio alcança o seu ponto mais distante, ele retorna no sentido Ilha da Gigóia, passando novamente pela mesma doca onde embarcamos e seguindo adiante.

Nessa direção, a gente teve como paisagem quase constante a Pedra da Gávea!



Durante parte desse trajeto, como já conhecíamos a paisagem que foi repetida, aproveitamos para ouvir um pouco das histórias do Rômulo! Aliás, muitas histórias que ele tem para contar! Ele é um grande entusiasta pela defesa do meio ambiente, teve muitas experiências bacanas no Hawaii quando lá morou e mostrou para gente a sua paixão pelo que faz! Segundo ele, seu carro está praticamente abandonado e ele agora só anda de balsa.


Vocês acreditam que ele foi para o Rock in Rio no ano passado de balsa? kkkk... ou que ele tenha levado o Justin Timberlake para mergulhar no Hawaii? Ou seria tudo isso papo de "pescador"? rsrs... seja como for, a verdade é que o papo com ele rende boas risadas e até sobre ETs nós conversamos por lá!


Passamos embaixo da Avenida das Américas e seguimos navegando rumo às ilhas da Gigóia, dos Pescadores, dentre outras várias que são vizinhas nessa região em que a lagoa se abre e forma a Lagoa da Tijuca.

Detalhe: a única conexão com o mar desse complexo lagunar, com lagoa de Marapendi e ladoa da Tijuca, está no Quebra Mar, bem no início da Barra.


Pelo caminho, nós também vimos uma favelinha. Os gringos curtem, né?


Chegando na Lagoa da Tijuca, observamos todo um cenário ainda mais bonito e fofo: restaurantes, hostels, barquinhos, mais garças.... com a Pedra da Gávea ao fundo deixando ainda mais especial!





Confesso que eu nunca tinha ido para esses lados da Barra, embora eu conheça a fama dos restaurantes da região, principalmente da Ilha da Gigóia, como é o Laguna, eu declaro toda a minha preguiça de sair do meu conforto da Zona Sul e ir para a Barra. Primeiro, eu não sei dirigir. Segundo, nós não temos carro e, ou ficamos na dependência de pegar carona, ou morremos numa graninha boa em táxis... e, para completar, ainda tem a Lei Seca, que no Rio de Janeiro, é rigorosa e séria. Logo, muita gente que mora na Zona Sul desanima de passear na Barra.



Mas, após esse passeio, eu pude constatar quanta coisa legal eu estou perdendo e deixando de curtir. Então, ou eu aprendo a dirigir (está difícil, viu? kkk), ou eu terei que juntar a galera para dividir o táxi! kkkk...


E deu vontade de ficar por ali mesmo em um dos diversos restaurantes fofos da região para almoçar. Aliás, eu sempre ouvi dizer que esses restaurantes da Ilha da Gigóia são maravilhosos para frutos do mar, com peços justos e pratos muito bem servidos. Viram só por que eu tenho que voltar logo?



Ahhhhhh... e finalmente chegamos no ponto alto, o clímax do passeio: vimos os jacarés!!

Eram ums 8 jacarés em um cantinho de mangue, tranquilões, pegando sol e nem se mexeram com a nossa presença.




O cheio desse cantinho onde eles ficam não é muito agradável, sabe? O Rômulo disse que ali é mesmo mangue e não seria esgoto, mas a gente sempre fica na dúvida.

Outra dúvida que também ficou é: já pensaram nesses jacarés chegando na praia, ali na altura do Quebra Mar? Será que isso um dia vai acontecer?



Digo isso porque o Rômulo explicou para a gente que o nível da lagoa está muito baixo, muito seco e isso interfere na dinâmica da cadeia alimentar de todos os animais que vivem por ali.

Eu espero que não! Jacaré em praia basta na Austrália e bem longe de mim kkkk


De todo modo, nós fechamos o passeio com chave de ouro e com a confirmação de estarmos em um habitat repleto de biodiversidade, um tanto quanto semelhante (um cadinho, vai?) com o Pantanal, com a beleza da Cidade Maravilhosa, as bênçãos do Cristo Redentor, as praias lindas que o Rio tem... ou seja, como nossa cidade é realmente rica!


Espero que tenham gostado do nosso passeio!

Ficha Técnica do Passeio:

1) O valor do passeio para turistas hospedados em hotéis é R$120,00/adultos e R$90/idosos e crianças entre 6 e 11anos (de 0 a 6 free). Para residentes da Cidade Maravilhosa, o custo é R$80,00/adulto e R$60,00 (idosos e crianças)

2) A embarcação é coberta com capota conversível (podemos abaixar a qualquer momento de forma inteira ou apenas parcialmente para aqueles que pedem um bronzeado)




3) O passeio é um roteiro circular de 28km inteiramente abordo e navegando nos canais e Lagoas do Complexo Lagunar da Barra da Tijuca. Como o roteiro é circular, independentemente do ponto de partida, voltamos exatamente para a mesma doca (salvo pedidos especias).

4) Duração total entre 2:45 a 3:00 de navegação.

5) Durante o passeio, são oferecidos snacks e bebidas não alcoólicas (refrigerantes, mate e água). As bebidas alcoólicas são cobradas à parte e há a possibilidade de combinar com o Rômulo de levar suas próprias bebidas alcoólicas e colocar na caixa térmica dele com gelo.

6) Em dias mais frescos, é aconselhável trazer um casaquinho para quem for mais friorento.

7) Trajes leves e sapatos confortáveis, lembrando que os sapatos/chinelos podem molhar se você ficar sentado na frente.

8) Não tem banheiro no barco.


Credito da Foto: Mauricio, do Blog Aventureiros - portal Trilhas e Aventuras

TriAdvisor: Nota 10, com 11 avaliações. Vejam aqui os comentários.

Contatos:

- site: http://www.bws.tur.br/
- email: info@bws.tur.br
- telefone: +5521 3942-0209 / +5521 99925-2547  
- Instagram: @BarraWaterShuttle 



Nenhum comentário:

Postar um comentário