sexta-feira, 30 de junho de 2017

Onde se hospedar em Siem Reap: conheça o Park Hyatt

Impossível contar para vocês como foi a nossa experiência no maravilhoso, luxuosíssimo, glamouroso e lindo hotel 5 estrelas, o Park Hyatt, na cidade de Siem Reap, no Camboja, sem antes explicar para vocês por que esse destino entrou no nosso roteiro.


  
Seria bem simples se eu dissesse que foi pela proximidade com a Tailândia e a variedade de ofertas de voos a partir de Chiang Mai e Bangkok para Siem Reap realmente facilita a vida de qualquer turista. Eu também poderia dizer que foi pelo fato de ter pesquisado que esse seria um lugar onde poderíamos ficar 2 a 3 dias e seriam suficientes para explorar bastante o sítio arqueológico que é Patrimônio Mundial da UNESCO e é claro que tudo o que a UNESCO declara como patrimônio da humanidade é algo que desperta o meu interesse e curiosidade. E nós já estávamos a essa altura com um roteiro bem apertado, querendo colocar vários países, como Vietnã e Laos que depois acabei sendo convencida que mereciam bem mais que 3/4 dias.



Também poderia dizer que eu já tinha visto as fotos de amigos, conhecidos e também fotos aleatórias na internet de quem já esteve por lá e todos os templos são impressionantes, especialmente quando há aquelas árvores gigantes, "abraçando" os templos, ação da natureza aliada à derrocada do Império Khmer e abandono do lugar, que assim permaneceu por muito tempo até ser redescoberto e passar - passa até hoje - por diversos processos de recuperação e restauração para então ser aberto ao público.



Ahhh... uma outra boa razão para eu ter colocado Siem Reap no roteiro também tem a ver com o filme da Angelina Jolie, "Tomb Raider"... quem lembra? Há diversas cenas gravadas no Camboja e também nos templos de Siem Reap e isso também foi somado à minha curiosidade.



Bem, no final das contas, foram todos os motivos acima citados que nos levaram ao Camboja para ficarmos 3 noites na cidade de Siem Reap. Só que essas 3 noites, por conta dos horários dos voos de chegada e de partida, acabaram equivalendo a 2 dias cheios de passeios. 

Confesso, todavia, que cometemos um grande pecado, eu e Julio: por falta de tempo, pelo fato de ter sido Siem Reap um dos últimos lugares que visitamos no nosso roteiro de 38 dias pelo Sudeste Asiático, pela correria que foi finalizar os últimos preparativos, nós não nos dedicamos muito a entender a cultura e a história daquele povo e só fomos entendendo um pouco já estando lá, observando alguns contrastes com os países que visitamos antes, como uma pobreza mais latente que reparamos em detalhes que depois contaremos para vocês e, depois, quando voltamos ao Brasil que paramos para tentar compreender melhor tudo o que vimos por lá e absorver tudo aquilo.



Por sorte e coincidência - e sem entrar no mérito se o programa é bom ou não - na semana do nosso retorno ao Brasil, que acabou sendo uma semana depois de termos visitado Siem Reap, assistimos a um programa do canal GNT, chamado "Pedro pelo Mundo" justamente sobre o Camboja, com foco m Siem Reap, até porque, apesar de ser a cidade mais famosa e mais conhecida quando falamos em turismo no Camboja, Siem Reap - pasmem! - não é a capital do país, mas sim Phnom Penh que é a capital.

Assim, assistindo ao programa (e olha que eu raramente assisto ao GNT, acreditam? Foi coincidência mesmo!) a gente ficou ainda mais tocado, pois, afinal de contas, tínhamos visto tudo aquilo de perto há 1 semana e estavam todas as experiências, curiosidades, angústias, encantamentos e dúvidas ainda bem latentes em nossas memórias.



  
Então não tinha mais escapatória e fui pesquisar um pouco sobre tudo aquilo que vimos e vou colocar um resumo aqui para vocês antes de falarmos sobre a nossa espetacular hospedagem no Park Hyatt, que realmente foi um dos melhores hotéis de toda a viagem, com tudo o que se pode esperar - e mais! - de um hotel 5 estrelas muito bem decorado, com um serviço impecável, opções gastronômicas sensacionais, um café da manhã dos deuses além de uma infraestrutura que te faz pensar duas vezes antes de sair dele e encarar o calorão que faz nas ruas de Siem Reap na época quem lá estivemos - mês de março - até porque o hotel Park Hyatt oferece "apenas" 2 piscinas e nós ainda tínhamos uma piscina privada em nosso quarto.. nossa!





Eu nunca me senti na vida tão fina kkk... sério mesmo! Foi a segunda vez em que fiquei em um hotel com piscina privativa no quarto (a primeira vez foi na Praia do Patacho, na maravilhosa Pousada Reserva do Patacho, em Alagoas). E que quarto, hein? Simplesmente dava para morar naquele quarto, pois era absolutamente completo e enorme! Com dois dormitórios, uma ampla sala de estar, dois banheiros... perfeito! Não tem como achar defeito num hotel assim, sabe? Por mais que você se esforce kkk.... mentira! Eu não me esforcei mesmo, porque não precisava ... o hotel é divino!



Mas voltemos a falar só um cadinho mais sobre a história do Camboja, Siem Reap, Khmer Vermelho, Angkor Wat só para a gente contextualizar tudo antes de falar mais detidamente sobre a nossa experiência no Park Hyatt, combinado?



Já colocamos aqui para vocês que Siem Reap, apesar de ser a cidade mais turística do Camboja, não é a sua capital. Mas por que então é a principal cidade? Simples! Por causa do complexo histórico, arquitetônico e gigantesco de templos que são compreendidos por Angkor Wat e demais templos nos seus arredores, que buscam resgatar um passado glorioso, próspero e rico da civilização Khmer.

Apesar de muitos templos estarem reduzidos a ruínas, com paredes cobertas de esculturas retratando cenas da mitologia hindu e budista, o lugar impressiona e realmente demanda pelo menos 2 dias para conhecer com calma alguns de seus templos. Ao menos os principais e essa tarefa não é muito fácil. Tive muita ajuda de amigos para definir quais templos visitaríamos, mas, principalmente, o Concierge do Park Hyatt Hotel nos auxiliou bastante a montar o roteiro e organizou tudo para a gente com um motorista de tuk tuk que trabalha diretamente com o hotel. Foi a melhor coisa que fizemos!




Curiosidade: vocês sabiam que o Camboja é um país do Sudeste Asiático que faz fronteira com a Tailândia, Laos e Vietnã, compondo uma região que era chamada no passado de Indochina, uma colônia francesa e, por isso, há muitos traços presentes ainda da colonização como, por exemplo, uma grande diferença para a Tailândia é que no Camboja a mão de direção volta a ser a esquerda e não a mão inglesa que é praticada na Tailândia, por influência britânica na Índia que os tailandeses acabaram absorvendo. Outa curiosidade também foi constatada nos banheiros, pois, no Camboja, diferentemente da Tailândia, os banheiros são de privadas do jeito que conhecemos, e não aquele banheiro turco com um buraco no chão e um balde para se limpar... graças a Deus porque eu já estava cansada desse banheiro turco kkkk...




** Algumas informações práticas **

- Chegamos de AirAsia vindo de Chiang Mai (com conexão em Bangkok). Siem Reap é muito bem servida de voos da AirAsia conecta a cidade com diversos outros destinos o que torna bem prático chegar lá de avião. A outra opção seria voar om a Vietnam Airlines, Cambodia Angkor Air, Bangkok Airways, Air Wings, Cebu Pacific e Jetstar.

- O transfer do aeroporto ao hotel custa em torno de 5 a 10 dólares americanos, mas nosso caso o transfer estava incluído (e isso é bem comum de ser oferecido pelos hotéis em Siem Reap). É bem rápido porque o aeroporto fica perto da região dos hotéis.

- O Camboja exige Visto dos brasileiros que pode ser tirado logo que chegar no aeroporto - que foi o nosso caso - ou pela internet antes. Custa 35usd para turista, mais 2usd se não tiver foto (acho que ninguém tinha kkk).




- Apesar de a moeda local e oficial ser o Riel (KHR), sabíamos que não seria necessário trocar dinheiro lá e usamos somente dólares americanos - USD porque em Siem Reap tudo é dolarizado: preços de hospedagens, refeições, roupas... o dólar é amplamente aceito, mas não se assuste com isso, pois, apesar disso, trata-se de um país muito - muuuuuito - barato. Mas a dica é ter dindim em espécie porque, como o país é bem mais pobre do que a Tailândia, por exemplo, muitos estabelecimentos não trabalham com cartão de crédito.

- O idioma oficial é o Khmer e, de modo geral, com quem tivemos contato, seja no hotel, o motorista do tuk tuk, os vendedores nas feirinhas próximas aos templos... todos falam um inglês bem mais compreensível do que os tailandeses. Dentro do hotel, então, todos falavam fluentemente e achei incrível! Porque também ficamos em bons hotéis durante os 17 dias na Tailândia, mas era raríssimo encontrar alguém falando inglês tão fluente e tão compreensível, como tinha sido nas Filipinas, por exemplo e isso foi um choque inicial para a gente. Mas aí veio o Camboja e voltamos a compreender melhor as pessoas kkkk.. Ah, e claro, como ex colônia francesa, há muitos que falam francês bem por lá.

- A maioria da população do Camboja é Budista.


** Um pouco da História **

A importância de Siem Reap é justamente servir de base para explorar o complexo de Angkor, que foi a capital do Império Khmer durante os séculos IX e XIII, que fica a mais ou menos 7km da cidade. É bem pertinho mesmo e, de tuk tuk, que já é um veículo que anda mais devagar mesmo, você dificilmente gastará mais que 15 minutos para chegar nos templos.

E por que o Império Khmer acabou? Porque sucumbiu à invasão dos tailandeses, durante o apogeu do Reino do Sião, em 1431, os quais dominaram Angkor Thom e provocaram a fuga do rei cambojano para o sul do país. Espremido entre Reino do Sião e Vietnã, aos poucos o Camboja foi perdendo seu brilho e vendo-se reduzido a  um reino totalmente dependente do Vietnã para tudo.

em 1863, a pedidos do rei que viu a necessidade ser protegido pela França, o Camboja passou a ser colônia francesa o que perdurou até 1953 (menos durante um período da Segunda Guerra Mundial, entre 1941 e 1945, em que o Camboja foi invadido pelas forças tailandesas e japonesas).


No pós Segunda Guerra Mundial, já dentro de um contexto de Guerra Fria, o país se viu governado por alguns governos comunistas até chegarmos em 1975, com a tomada do poder pelo terrível Khmer Vermelho, sob a liderança de Pol Pot, que deu início a um verdadeiro genocídio no país a título de começar do zero, o que causou a exterminação de cerca de metade da população.

É muito triste quando a gente para pensar que durante o colégio não nos ensinaram direito sobre essa verdadeira Ditadura Vermelha que ocorreu no Camboja. Os exemplos mais citados de Guerra Fria, a guerra velada entre EUA e ex União Soviética, quase sempre se limitam a descrever um pouco do que foi a Guerra do Vietnã e a da Coréia. Mas e o Camboja?

Por que ninguém fala direito sobre o massacre praticado pelo Khmer Vermelho, que matava por qualquer motivo, ou sem razão mesmo, matava quem reclamasse, quem tivesse alguma religião, os que fossem intelectuais, quem nutrisse simpatia pelos governos anteriores, quem não trabalhasse direito dentro dos seus critérios, até mesmo quem praticasse relação sexual sem autorização do governo... isso para ilustrar como a coisa tomou uma proporção insana e mesmo assim a gente pouco sabe a respeito ou praticamente não sabe.

Uma explicação plausível para isso tem a ver com o próprio fato de que houve uma quase total expulsão da população das áreas urbanas para os campos e essa chacina cometida pelo Khmer Vermelho durou até 1979, não deixando muitas testemunhas ainda vivas nos temos atuais, o que dificulta até hoje obter dados mais precisos e detalhados sobre o que aconteceu. Porém, estudiosos estimam que cerca de 3 milhões de pessoas foram mortas, enquanto outros dizem que foi algo em torno de 1,5 milhões de pessoas. De uma forma ou de outra, foi muita gente!

E esse regime cruel, sádico e homicida só teve fim quando o Camboja, mais uma vez, foi invadido, mas pelo menos agora foi pelo Vietnã que já fez de propósito para pôr fim a este governo. Como se tudo isso não bastasse, o país ainda hoje sofre com o triste legado dos bombardeios feitos pelos EUA, que agia também de forma um tanto quanto inescrupulosa a fim de dar cabo aos governos comunistas, durante a era do Khmer Vermelho, período em que as forças norte americanas despejaram mais de 539 toneladas de bombas sobre o país.

Para completar essa história triste, o país lida com uma geração de mutilados, vítimas também das mais de 4 milhões de minas terrestres que foram instaladas no país durante o regime.

Ou seja, esse povo sofrido e castigado tinha tudo para ser triste, mas eles vêm tentando aos poucos reconstruir seu país com toda a força que têm e o desejo de viver em paz, algo que muitas gerações sequer conheceram. Esse foi um grande contraste que nos chamou atenção porque o pouco contato que tivemos com o povo de Siem Reap já foi suficiente para que pudéssemos perceber que estávamos em um país bem mais pobre do que os anteriormente visitados. Eu não podia sequer desviar meu olhar para alguma roupa exposta nas inúmeras barraquinhas das feirinhas próximas aos templos que já vinham uns 5 carregando vários cabides de roupas e outros objetos para eu ver, quase implorando para eu comprar.



Muitas vezes eu ficava sensibilizada e até comovida por saber que esse assédio só acontecia por ser reflexo da pobreza do povo. É claro que às vezes a gente também ficava constrangido e até mesmo incomodado porque o assédio era bem intenso e aí eu resolvi parar de olhar para as feirinhas ou só olhava se realmente eu tivesse algum interesse em comprar.

Tudo por lá é tão baratinho que dá até vontade de comprar só para ajudar. Mas eu já estava no meu limite da bagagem e não poderia extrapolar nas compras. Em todo caso, vale também registrar para vocês que a qualidade dos produtos, de modo geral, no Camboja, não é grandes coisas. Apesar de o tipo de roupa ser bem parecido com o que vi sendo vendido na Tailândia, eu fiquei com a impressão de que o acabamento era bem ruim e que a roupa ia se desfazer na primeira lavagem rsrs... Porém, como é bem barato, vale a pena tentar ver se dura um pouco ou até mesmo comprar para ajudá-los.


Mas era isso que eu queria contar para vocês, para contextualizar um pouco sobre o país, sobre a sua história, sobre a importância do sítio arqueológico de Angkor e espero que vocês sintam o mesmo que nós, que se sensibilizem com a história e, quem sabe, na sua viagem para a Ásia vocês incluam também o Camboja para uma visita, pois, a bem da verdade, o turismo é uma importante fonte de renda para eles, especialmente em Siem Reap, e nós, enquanto viajantes conscientes, sabendo que podemos também ajudar dessa forma, acho que já fica uma mensagem positiva e de esperança para esse país se reconstruir finalmente, em paz. Ao menos é a nossa torcida sempre!

Até porque fomos muito bem tratados por todos, com muita simpatia, com um sorriso no rosto... era gratificante estar lá e conhecendo sua história e cultura.

** EXPERIÊNCIA NO PARK HYATT SIEM REAP **

A verdade é que é muito fácil falar de um hotel 5 estrelas maravilhoso do início ao fim, um verdadeiro oásis em meio a jardins privativos dentro da cidade, não acham? De fato, não tenho críticas a fazer, mas somente elogios até porque a nossa experiência no Park Hyatt Siem Reap não poderia ter sido mais perfeita!





O hotel encontra-se na Avenida Sivutha, a 1 minuto a pé do bairro colonial francês, o Old French Quarter, que é a melhor região para se hospedar por estar próximo às principais atrações, como o Mercado Antigo, um grande Night Market, a famosa Pub Street que faz a alegria dos turistas com bares, barraquinhas de bebidas e drinks, escorpiões e aranhas para degustar, restaurantes, boates, casas de massagens e o famoso chope Angkor que é vendido na maioria destes lugares por 0.50usd (isso mesmo, cinquenta centavos de dólares!), o hotel também fica bem próximo ao Aeroporto Internacional de Siem Reap e dos principais templos de Angkor, portanto, a sua localização é ótima!



Assim, para quem não abre mão de uma hospedagem chique e luxuosa, ficando no Park Hyatt em Siem Reap, você também poderá ter uma experiência local de maior imersão e pitoresca, algo característico da cidade a poucos passos do hotel! 



O hotel é fabuloso em tudo, desde o transfer do aeroporto, em que fomos muito bem recebidos, passando pelo check in feito com ares de informalidade e muito conforto no Living Room.





O café da manhã farto e delicioso no melhor estilo da culinária francesa com toques da gastronomia asiática, chá da tarde incrível, shows à noite com apresentações de jazz, músicas e danças folclóricas, jantar com o melhor das especialidades da gastronomia khmer que nos surpreendeu com sua explosão de sabores, serviço de concierge eficiente e solícito, café da manhã take away maravilhoso que levamos para o passeio do nascer do sol em Angkor Wat e acabou durando quase que o dia inteiro, facilidades de lazer e conforto para todos os gostos e perfis, além de diversos cantinhos lindos e encantadores por todo o hotel que são um verdadeiro convite para sentar, relaxar, descansar, tais como:



↘Living Room e Sala de Leitura




Restaurante The Dinning







Lounge Bar no Living Room





↘The Glasshouse Delicatessen








↘SPA




↘Duas piscinas em andares diferentes, coberta e aberta, ao ar livre (ground floor e 1° andar), além da hidromassagem






↘Boutique/Loja




↘Uma Galeria de Arte com a maior coleção de arte moderna e tradicional cambojana




↘Fitness Center que funciona 24h




↘Sauna

Só temos a agradecer a toda equipe do Park Hyatt que deixou nossa estada em Siem Reap ainda mais especial por ter nos recebido com tanto carinho e luxo!

** NOSSA SUÍTE NO PARK HYATT **

O Hotel Park Hyatt Siem Reap oferece 104 espaçosas suítes com design moderno, incluindo 13 elegantes e luxuosas suites com jardim privativo ou piscina exclusiva modern.



Todos os quartos são modernos e muito confortáveis, com decoração inspirada no mais contemporâneo da arquitetura Khmer, além de não pecar em conferir aos quartos aquele toque especial de se sentir em casa.



Com vista para o centro de Siem Reap ou para o pátio do hotel, os quartos são um convite para o descanso em meio a uma decoração de móveis personalizados no melhor estilo de casa de praia, com ar-condicionado, TV de tela plana via satélite com DVD player, cafeteira Nespresso, águas de cortesia, frigobar abastecido, roupas de cama e banho impecáveis e cesta de frutas de boas-vindas, reabastecida diariamente.




O banheiro é privativo em todos os quartos, com revestimento em mármore italiano e conta com 2 pias, o que eu sempre acho um luxo e sonho ter em minha própria casa! Isso sem contar as amenities que são em quantidade mais que suficiente para passar sua estada no hotel, da forma mais completa e mais cuidadosa.




  
O hotel trabalha com as seguintes categorias de quartos:

- Suite
- Deluxe
- View
- Standard
- Rooftop Garden Suite
- Family-Friend Suite

Nós ficamos hospedados de forma esplendorosa no Family-Friend Suite!



Gente, vocês nem imaginam a minha alegria e surpresa ao me deparar com este quarto. Foi um upgrade que eles nos concederam em última hora e eu realmente não esperava por isso... pela segunda vez na vida eu me hospedei em uma suíte com piscina privativa só para mim e para o Julio!


Foi um sonho!! Ainda mais naquele contexto de Siem Reap, onde fazia um calor digno de verão carioca, ter uma piscina só nossa foi sensacional! A gente não se fez de rogado, ficou super feliz e curtiu mesmo esse luxo!


O quarto era enorme... quando digo enorme, pense em algo realmente bem grande! Olha... eu nem conseguia pensar (até porque chegamos tarde da noite e cansados, após voar de Chiang Mai, passamos por Bangkok e depois seguimos para Siem Reap... logo, estava mesmo difícil fazer tico e teco entenderem o que estava acontecendo kkkk....) e ficava doida tirando foto de tudo para mostrar para vocês... porque eu tenho certeza de que a maioria aqui que lê acha que nossa vida é fácil, né?






Molezinha chegar num hotel tardão da noite e não poder desfazer mala para tirar foto de tudo bem bonitinho para depois escrever a matéria... olhem que eu nem deixo o Julio usar o banheiro kkk... tadinho! Mas é isso, minha gente, vida de blogueiro nem sempre é só glamour, viu? E eu lá hora, vendo aquele quarto enorme, não sabia se ficava muito feliz, pensando em como foram generosos conosco, ou se eu ficava angustiada pensando na responsabilidade de corresponder com um bom trabalho e que teria que tirar foto de todos os detalhes para poder depois lembrar de tudo e mostrar para vocês aqui no blog kkkk... mas no fim deu tudo certo!





Bem... nada que um bom banho de banheira, com sais, um bom vinho na minha mão (cortesia também do hotel que nos recebeu de maneira magnífica, com frutas e vinho) e uma boa noite de sono para recompor as energias não me fizessem relaxar após a sessão longa de fotos kkk..



E por falar em fotos, vamos mostrar um pouco mais do quarto para vocês:

Esse quarto, como o próprio nome já diz, é próprio para uma família, com dois amplos quartos, sendo que um oferece cama de casal e ou outro é composto por duas camas de solteiros. Ou seja, perfeito para uma família com crianças.





Isso sem mencionar que cada quarto tem a sua própria saleta de estar. Embora as saletas compartilhem o mesmo espaço, elas estão muito bem definidas cada uma em um ambiente e na direção de cada quarto.

Mais uma vez, reparem na beleza, na harmonia da decoração, nos toques cambojanos presente nos objetos de arte espalhados pelo quarto... eu realmente fiquei muito encantada.






Além de se tratar de um quarto absolutamente completo, com tudo! Roupão, chinelos, roupa de cama e banho perfeitas, felpudas, macias, cheirosas e limpíssimas, dois closets em cada quarto (ou seja, são 4 closets no total e isso é incrível!!), com cofre, tábua e ferro de passar de roupa, cafeteira com café ... é ou não é uma hospedagem dos sonhos?













E ainda fomos recebidos com frutas e um vinho! Ai ai ai ... assim arrebata de vez meu coração! Isso sem contar que a eles tão oferecem de cortesia a água de boas vindas!





E o banheiro? Hummm... eu já mencionei lá em cima que os banheiros são revestidos de mármore branco italiano, o que é puro luxo, além de oferecer duas pias, o que para mim é ainda mais luxo kkk... e também o toilet é separado do chuveiro, o que eu sempre acho uma boníssima ideia!







Sabem o melhor de tudo? Este quarto oferece um banheiro por habitação, portanto, havia dois banheiros! Pronto... assim realmente conquista meu coração, como se não bastasse todo o resto.

Calma... e eu já quase ia esquecendo que havia uma TV na frente da banheira de mármore!!! Agora eu tenho certeza de que o nosso quarto deve ter levantado alguns suspiros por aí, não?




Eu moraria fácil lá, hein? Vai  me dizer que você também não? Kkkk...


** OPÇÕES DE LAZER **

Essa parte do Hotel Park Hyatt é um verdadeiro deleite até porque todo o hotel já é um convite para você relaxar e curtir seus ambientes que são absolutamente harmoniosos e prazerosos!!



Você pode aproveitar os jardins bem cuidados para ler um livro, pode refrescar-se do calor bizarro que faz nas piscinas, lembrando que são duas piscinas, uma no térreo e outra no primeiro andar, além da experiência magnífica e exclusiva que tivemos com uma piscina privativa no nosso próprio quarto.






Sobre as piscinas, a do andar térreo atende melhor os hóspedes que estão próximos a ela porque eu pelo menos não teria coragem de atravessar todo o hotel para ir à outra piscina de roupão ou voltar molhada de lá rsrs... principalmente à noite, quando acontecem shows e apresentações no jardim aberto que fica ao lado do Living Room e Dining Restaurant.



Assim, nós acabamos usufruindo mesmo somente da piscina de baixo, que ficava literalmente em frente ao nosso quarto e, por isso mesmo, era bem cômodo ir lá. Ela está inserida em um espaço de arquitetura belíssimo, com arcos, espreguiçadeiras e um algo que me lembrava um clima meio mediterrâneo.


   
Sabem do que mais gostei? Além da quase borda infinita cercada por pedrinhas, a piscina tinha dentro dela alguns “bancos” com saídas de hidromassagem o que a tornava uma delícia ainda maior.




Já sobre a piscina do primeiro andar, onde também estivemos, ela tem dois ambientes, um coberto e ótimo para dias chuvosos ou para fugir do sol, rodeado por gazebos, e outro ambiente aberto e muito lindo também, cercado por mesas, cadeiras, barracas de sol e espreguiçadeiras, além de muita vegetação que deu aquele toque tropical ao espaço, que é bem diferente da piscina do andar térreo.





  
Dividindo o espaço, além da piscina, havia também a hidromassagem, o fitness center, a sauna a vapor e o SPA.



Infelizmente, por conta do tempo muito corrido que tivemos que conciliar com os passeios aos templos de Siem Reap, a gente realmente só deu conta de curtir a piscina do nosso próprio quarto e a do ground floor (térreo).

Vale registrar que a academia funciona 24h e que o SPA serviços de massagem que podem ser personalizados, além de tratamentos holísticos.


** GASTRONOMIA NO PARK HYATT: CAFÉ DA MANHÃ, JANTAR E CHÁ DA TARDE **

Um caso de amor à primeira vista, ou melhor, no primeiro café da manhã! Afinal, foi o nosso primeiro contato com as opções gastronômicas oferecidas pelo hotel.





Eu não vou descrever as gostosuras que nós provamos no café da manhã item por item porque realmente era bem farto, variado, com diversos itens feitos na hora, frescos, como pães quentinhos, frutas, iogurtes, alguns pratos orientais, como o dim sun que estava tão excelente que eu tive que “provar” algumas vezes kkk...





O café da manhã é servido no The Dining Room, que é um dos melhores restaurantes de Siem Reap, no ground floor do hotel, bem ao lado do jardim interno. Sua decoração é belíssima e seu espaço interno é bem amplo e bastante confortável, especialmente para quem sente mais calor porque dentro tem ar condicionado.







Nós, por exemplo, tomamos café da manhã nas mesas em frente ao restaurante, com vista para o jardim, no corredor do lado de fora.



Além do buffet exposto, também é possível solicitar algo do menu diretamente ao garçom.


O café da manhã é servido das 6h às 11h e por isso não conseguimos pegar o café da manhã tanto no dia em que fomos assistir ao nascer do sol em Angkor Wat, pois saímos às 5h, como também no dia em que fomos embora porque nosso voo era às 8h da manhã. 

Nesses casos, não se preocupe porque o hotel prepara, bastando solicitar, um magnífico café da manhã take away, dentro de bolsas, tudo muito bem embalado, com as opções que você solicitar por telefone para eles, pois, para ter o take away, é recomendável ligar antes ou avisar ao concierge desta sua necessidade e escolher os itens que comporão a bolsa do café da manhã.



E as embalagens que eles usam são tão fofas que o nosso motorista do tuk tuk até pediu para a gente deixar com ele as embalagens, para não jogarmos fora. É claro que deixamos, mas isso também me marcou.

Já sobre o jantar, pois também fomos convidados pelo hotel para jantarmos no The Dining Room, foi outro passeio gastronômico que fizemos em muito boa companhia de uma excelente seleção de pratos franceses e cambojanos que fazem parte do cardápio da casa, preparados a partir de receitas tradicionais e ingredientes cuidadosamente separados para cada prato.




O jantar é servido de segunda a domingo, das 18:30 às 22:30 e muitas vezes há shows com dança, música, jazz, ou apresentações folclóricas que deixam a ocasião ainda mais especial. 





O email de contato para reserva ou para saber melhor a programação é diningroom.repph@hyatt.com.


Como estávamos curiosos para conhecer a culinária khmer, nós focamos nisso e pedimos pratos nesta linha. Mas eu deixei claro que não queria nada apimentado em exagero. Acho até que eu pedi que o meu prato viesse sem qualquer tipo de pimenta porque a esta altura da viagem eu estava cansada dos temperos muito fortes kkk...



  
Mas Julio pediu o dele bem tradicional e adorou!




CLIQUE AQUI e veja o menu. 



Notem que os restaurantes do Park Hyatt focam sempre na obtenção de produtos de origem local, salvo rara exceção que os obrigue a importar algum ingrediente.

E o chá da tarde, meus queridos? Outra demonstração de cuidado e carinho com o hóspede. 

Nós tínhamos incluída em nossa diária a cortesia do chá da tarde, mas perguntamos se seria muito farto, muita coisa ou pouca coisa, pois já estava prestes a ser finalizado



O chá da tarde vai das 14h às 17h e nós chegamos já às 17h do passeio e corremos para tentar ainda pedir o chá da tarde e ter a experiência completa.


Eles foram uns fofos e nos atenderam com maestria! O curioso é que perguntamos se seria muito farto ou não, apenas para a gente se organizar quanto ao jantar daquele dia e eles disseram que seriam só uns snacks.

Bem.. vou mostrar para vocês como foram esses poucos snacks rsrs...





Que tal uma mesa-balanço? Assim foi o nosso chá da tarde, chamado por eles de high tea, completo e absolutamente perfeito para depois de um dia inteiro e intenso de bateção de perna nos templos de Angkor, em Siem Reap! Estar ali, naquele ambiente, saboreando tantos quitutes gostosos foi como fazer o tempo parar um pouco e só  pensar naquele momento.


Isso sem mencionar o calor bizarro das ruas de Siem Reap... pois estávamos exaustos e nada mais revigorante e mais gostoso do que voltar para o hotel e ser recebido com um chá da tarde dessa forma... realmente não tem preço 

Por fim, também é possível desfrutar de sanduíches preparados na hora e itens de confeitaria no Glass House, como sorvetes caseiros que eu morri de vontade de provar, mas acabou não dando tempo.

**SUGESTÕES DE PASSEIOS A PARTIR DO PARK HYATT**

No nosso primeiro dia de passeio em Siem Reap, saímos já tarde do hotel (que era uma tentação grande ficar por lá curtindo as piscinas dele já que o calor que fazia era de derreter por completo) e fizemos apenas os templos Ta Prom, Angkor Thom (mais conhecido como Bayon) e Phnom Bakheng (este é indicado para ver o pôr do sol, mas após 1h na fila para subir... sim, tinha fila! ... nós desistimos!) E corremos para ver o pôr do sol em Angkor Wat.

No nosso segundo dia de passeios, começamos cedo para “tirar o atraso” e tentar visitar o máximo que desse porque seria nosso último dia por lá. Saímos às 5h do hotel e assistimos a um belíssimo nascer do sol em Angkor Wat (a dica é ficar do lado esquerdo, onde há um laguinho e faz um reflexo maravilhoso do sol nascendo!)

Fiquei impressionada ao constatar que a galera é realmente bem disposta e já havia uma multidão de pessoas madrugadeiras quando chegamos lá, esperando o astro Rei!

Após visitarmos o interior de Angkor Wat, nós fizemos o dia render o que deu super certo porque tivemos todo o apoio logístico sensacional do Concierge do hotel Park Hyatt que providenciou tudo para a gente: tuk tuk que custou 16usd no primeiro dia de passeio que durou das 12:30 às 19h, e 30usd no segundo dia de passeio que foi das 5h às 16h...

O concierge ajudou muito a gente a montar o roteiro e o hotel forneceu água para o dia inteiro de passeio - nosso tuk tuk era tão chique que tinha até cooler com gelo o que foi formidável para deixar a água sempre gelada e também conservar alguns iens do café da manhã take away que levamos no segundo dia de passeio.

Para terem uma ideia do que conseguimos visitar no segundo dia de passeios, segue a lista com os nomes dos templos:

Angkor Thom (Bayon, que visitamos duas vezes porque voltamos na esperança de encontrar mais vazio... mas estava cheio de novo kkk)
↘Thommanom 
↘Chau Say Thevada 
↘Ta Keo 
↘Banteay Kaei 
↘Pre Rup 
↘East Mebon 
↘Ta Som 
↘Neak Pean 
↘Preah Khan 

Nossa, foi um dia cheio, uma verdadeira maratona, viu? E a melhor parte é que nosso motorista era muito simpático e falava inglês bem razoável e bom, especialmente depois de termos passado 17 dias na Tailândia onde raramente a gente conseguia entender alguém falando inglês direito kkkk...

Sobre os ingressos para os templos: existe um Centro de Turismo, a caminho dos templos, onde você adquire os bilhetes e lá você verá as opções que existem. Basicamente, funciona assim: ou você paga 37usd por dia para fazer os passeios pelos templos do complexo de Angkor ou paga 62usd por pessoa para um passe de 3 dias. Ou seja, vale mais a pena pegar o passe de 3 dias se você tiver 2 dias para passear. Já é feito para você pagar o de 3 dias mesmo. 

** FICHA TÉCNICA **

- Site: https://siemreap.park.hyatt.com/en/hotel/home.html

- Endereço: Sivatha Blvd, Krong Siem Reap, Cambodja

- Email: siemreap.park@hyatt.com

- Telefone: +855 63 211 234

- The Spa: https://www.hyatt.com/corporate/spas/The-Spa-Siem-Reap/en/home.html

Um verdadeiro oásis em Siem Reap que oferece um tratamento relaxante, numa verdadeira experiência cambojana de paz e bem estar. 

- Serviços: ótimo sinal de wifi, Room Service 24h, segurança 24h, serviço de concierge, agendamento de passeios e de tuk tuk, transfer aeroporto-hotel, apresentações com dança e teatro para hóspedes e não hóspedes que estejam na área do restaurante.

- Check in: 14h
- Check out: 12h

- O que fazer nos arredores do hotel: o hotel está estrategicamente muito bem posicionado próximo aos mercados, à Pub Street, diversos restaurantes e a cerca de 15 minutos de tuk tuk do complexo arqueológico de Angkor.  

- Opções Gastronômicas: o hotel oferece 3 restaurantes, a saber

. The Dining: restaurante do hotel onde é servido o café da manhã e também onde jantamos. Especializado em cozinha francesa com inspiração na Indochina, sem perder a essência da culinária mais tradicional Khmer em um ambiente bem elegante. 



. The Living Room: onde fizemos o check in e recebemos um drink de boas vindas bem geladinho e refrescante. Provavelmente, foi o ambiente que achei mais chique e luxuoso do hotel, pois realmente fiquei encantada com os livros, as cores vibrantes e o bar ao fundo que é puro glamour! Um ótimo lugar para tomar um drink em um espaço retro-chic. Mas não é só para drinks que serve o Living Room, mas também para curtir o chá da tarde que é fabuloso também e uma ótima pedida para relaxar após os passeios. 



Happy Hour: das 17h às 19h


Chá da Tarde: das 14h às 17h






. The Glasshouse Deli: uma belíssima Patisserie, no coração de Siem Reap, localizada no fundo do Living Room, tem um design em vibro que lembra um conservatório. O bom é que tem entrada separada para a rua,  formidável para não hóspedes que não terão que passar pelo hall de entrada do hotel. O lugar é maravilhoso e fiquei morrendo de vontade de experimentar os sorvetes caseiros deles, mas acabou não dando tempo... peninha... mas tudo lá é tão fofinho, tem tanta casa de ser gostoso, que merece que vocês passem por lá para ver ou até experimentar seus pães frescos e caseiros, sanduíches e sorvetes!
Aberto diariamente das 6h às 21h 




- Lazer: SPA, Fitness Center, sauna, hidromassagem, 2 piscinas comuns a todos os hóspedes e suítes com piscinas privadas.

- TripAdivisor: com mais de 1250 avaliações, o hotel tem nota 9, encontra-se na posição 45 do ranking de 342 hotéis e ostenta o selo Traveller's Choice de 2017. Clique aqui e veja os comentários

- Booking.com: o hotel tem nota 8.9 (na data da publicação desta matéria), com 125 avaliações. Clique aqui e veja os comentários.

- FAÇA A SUA RESERVA AQUI




Nenhum comentário:

Postar um comentário