sábado, 25 de fevereiro de 2017

Chegando em Kuala Lumpur, Malásia

Após cerca de 30h entre voos, escalas e conexões, após termos saído do Rio de Janeiro, chegamos em Kuala Lumpur às 17:45 de uma sexta feira, com forte chuva caindo.



Fomos direto para a imigração, que estava com filas enormes. A dica para nos que somos da América do Sul é passar primeiro pelo setor do Health Quarenteene para apresentar o certificado internacional de vacinação contra a febre amarela (expedido pela Anvisa) e ter esse documento em mãos quando da imigração. No caso de Kuala Lumpur, esse quiosqe que fica no salão perto da imigração. Sem esse documento em mãos, você terá que enfrentar novamente a fila da imigração.




Demoramos 1h neste processo. Depois Demoramos a recuperar as malas (e eu já tensa rsrs... quem viu meus posts anteriores aqui no blog sabe bem porquê!). Detalhe: o nosso voo com a Ethiopian Airlines não aparecia em nenhum dos painéis que indicavam qual seria a esteira/belt. Fomos até o setor de achados e perdidos que não sabia informar e depois entramos num escritório de outra cia aérea que falou para irmos para a esteira X, que informava no painel ser de outro voo, mas nossas malas estavam lá mesmo.

Passado esse susto, saímos - com malas! - e conectamos o Wi-Fi do aeroporto que é bem bom e gratuito por 1h. Resolvemos chamar o Uber X pelo aplicativo por vários motivos:

1) estávamos cansados.

2) queríamos testar o aplicativo 

3) estava chovendo e se fossemos de KLIA Express, que é um trem, teríamos que fazer câmbio, pegar metrô depois e caminhar um pouco até o hotel. 

4) o valor do Uber - 80 myr - para uma distância que normalmente seria feita em 45 minutos sem engarrafamento, ou seja, cerca de 50/60 reais, pareceu bem justo para a gente e se fôssemos de trem + metrô, além de ter que fazer câmbio, a gente gastaria algo parecido. 

O ruim é que pegamos muito engarrafamento por ser sexta, à noite, em plena hora do Rush, com chuva, para piorar. O bom é que o valor do Uber de 80 myr foi mantido, mesmo a viagem tendo durado 2h até o The Face Suites, onde ficamos hospedados nesta primeira noite na Ásia. 

Enfim, era um risco. 

Sobre o aeroporto de Kuala Lumpur: uma graça, novo, repleto de lojas, cafés e restaurantes, bem moderno. Curtimos! Principalmente porque tem carrinhos de bagagem de mão para usar depois do raio X e isso eu achei o máximo! 



Há um hotel dentro do aeroporto para quem estiver numa longa conexãoe não quiser sair dele. O valor é algo em torio dos 160usd.


Como se deslocar do aeroporto para o centro de Kuala Lumpur de transporte público: 

Kuala Lumpur tem dois aeroportos: o LCCT (Low Cost Carrier Terminal) que recebe os voos da Air Asia, a maior low cost asiática que tem sede na Malásia, e o KLIA (Kuala Lumpur International Airport) que é o aeroporto principal e recebe voos das companhias aéreas do mundo todo, como Air France, KLM, Air China, JAL, Singapore…

– LCCT: não tem acesso pelo metrô/trem, mas tem vários ônibus que fazem a ligação com a estação Central (KL Sentral). Caso não esteja hospedado ali perto, você poderá pegar dali o metrô ou trem para qualquer parte de Kuala Lumpur e até para outras cidades. A viagem dura cerca de 50 minutos. A passagem você compra na porta do ônibus (preço médio de U$2,50). Basta seguir em direção ao setor de desembarque doméstico e procurar pelas placas indicando Bus Station.

– KLIA: existe o trem rápido – o KLIA Ekspres (http://www.kliaekspres.com/) – que faz em 28 minutos o percurso até o centro da cidade. O preço por trecho é de RM 35.00, aproximadamente US$ 10. Ou  ônibus por RM 10.00, com duração de uma hora até o centro. Ambos meios de transporte vão até a KL Sentral Station. (Vejam que o Uber X custoum 80 myr para a gente).

- Dentro de Kuala Lumpur: os táxis são pré-pagos saindo da KL Sentral.

- GO KL: ônibus de turismo gratuito que percorre vários pontos de interesse da cidade. O ponto de partida é Pasar Seni. 

. Documentos Necessários: Não é preciso de visto para brasileiros para ficar até 90 dias no país. É necessário apenas que o passaporte tenha validade de no mínimo seis meses. 

. Vacina: tem que apresentar o certificado internacional de vacinação contra febre amarela, emitido pela Anvisa.

. Idioma oficial: malaio. Os chineses e os indianos que vivem no país trouxeram vários dialetos, incluindo o mandarim e o hindi, que são largamente falados. De modo geral, falam fluentemente inglês.

. Religião: A Malásia é um país muçulmano com população predominantemente islâmica, mas convive pacificamente com hindus e budistas. O país ainda é conhecido como provavelmente o melhor modelo de um país islâmico liberal e tolerante no mundo. 

. Moeda: ringgit. 

. Fuso horário: 11 horas a mais do que o horário oficial de Brasília.

. Comida: impostos aplicados ao álcool no país deixam as bebidas caras até para padrões europeus. Em Kuala Lumpur, o preço médio é de U$5 pela garrafa de cerveja. Outra opção é o Street food para comer bem e barato na Malásia. Oferecem uma boa variedade de pratos e uma aparente adequação higiênica. Desde comida malaia à chinesa, passando pela indiana. Deve-se experimentar o tradicional arroz com frango e os noodles. 

Os mercados de rua abrem por volta das 16h ou 17h, mas o agito é depois das 22h. Na Jalan (rua) Alor e sua paralela, a CBB, ruas movimentadas tanto por turistas quanto por locais, vários restaurantes rústicos servem refeições tradicionais até altas horas.

Kasturi Walk é um calçadão de pedestres que fica na frente do Central Market, cheio de barraquinhas de souvenirs e comidas, lojinhas, alguns restaurantes. 

. Transporte: Kuala Lumpur Kuala Lumpur é servida por um excelente sistema de metrô, que te deixa pertinho de praticamente tudo o que você possa querer visitar na cidade. O seu ponto de referência pode ser a KL Sentral, a estação central, que conecta trens, metrô e ônibus, tanto dentro da cidade quando para outras partes do país.

. Como chegar: de avião! A maior low cost asiática tem sede na Malásia - a Air Asia! Considerada a melhor do mundo no quesito voos baratos. 

. Geografia: a Malásia é dividida em duas paisagens geográficas bem distintas – parte da grande ilha de Bornéu e o que há de mais sudeste no Sudeste Asiático – e a ponta da península de Malaca, no continente asiático, que faz fronteira com a Tailândia, além de centenas de pequenas ilhas. Na península encontram-se a capital e as cidades mais importantes

. Embaixada brasileira:  http://kualalumpur.itamaraty.gov.br – Suite 20.01, 20º andar – Menara Tan & Tan – 207 Jalan Tun Razak -Kuala Lumpur. Telefone: 03 2171 1420;

. Informações turísticas: http://www.tourism.gov.my

. Clima: apesar de não sofrer tanto com as temidas monções, chove muito no país ao longo do ano, mas de outubro a abril o clima piora e as chuvas se tornam mais intensas. Como a Malásia está um pouco acima da linha do Equador, costuma ser quente o ano todo, com temperaturas que variam entre 20 e 35 graus Celsius.



Nenhum comentário:

Postar um comentário