quinta-feira, 27 de agosto de 2015

As vibrações de Madrid, por Tânia Almeida

Temos mais uma colaboração linda que foi encaminhada diretamente de Portugal pela querida Tânia Almeida

Como é bom morar na Europa e ter a facilidade de visitar os países vizinhos! E a Tânia, aproveitando a proximidade dos países vizinhos, deu um pulinho ali na Espanha e trouxe para a gente dicas calientes (e bota caliente nisso, já que ela foi no verão, há pouco tempo, e essa é uma época do ano em que as temperaturas podem passar de 40º C!!!!)

Palácio Real de Madrid

E como faz muito tempo que estive em Madrid, essa cidade tão interessante, tão bacana - eu passei 8 deliciosos dias em Madrid em fevereiro de 2005! - achei excelente compartilhar com vocês essas dicas lindas que a Tânia gentilmente nos enviou! 

Vamos curtir um pouco de Madrid pelos olhos de uma portuguesa? 

As vibrações de Madrid, por Tânia Almeida

Dentro da Europa podemos encontrar cidades lindíssimas e cheias de história, só à espera de serem descobertas. Madrid é a capital espanhola e é uma dessas cidades lindas e antigas, com muitas histórias para contar, mas que tem também um lado muito moderno, cosmopolita e que atrai visitantes de todas as idades, de todas as classes sociais e oriundos dos vários cantos do mundo.
Nós tivemos oportunidade de conhecer a cidade este verão e foi uma visita incrível que gostaria de partilhar convosco, deixando algumas dicas para conhecer a cidade.

Comecemos pelas temperaturas: nós escolhemos ir no pico do verão. Muito calor, as temperaturas rondavam os 40ºC, o que faz com que seja difícil percorrer a cidade a pé. O truque é ir fazendo paragens em pontos turísticos que tenham ar condicionado (existe em quase todo o lado) ou em esplanadas à sombra, evitando sempre as horas de maior calor (entre as 14h e as 16h, mais ou menos).

Como chegar: Madrid tem um aeroporto que recebe voos de vários pontos do mundo e é a melhor forma de chegarmos à cidade, a menos que estejam em alguma outra cidade espanhola e que seja possível fazer a viagem de carro, mas mais uma vez preparem-se para temperatura elevadas se resolverem fazer a viagem de carro em pleno verão.

Dica da Lily: A companhia aérea Ibéria faz voos diretos do Brasil (de diversas capitais) para Madrid. E, internamente na Europa, a companhia aérea Low Cost Vueling opera voos bem baratos (mas são daquele tipo em que você paga tudo por fora como extra: água, bagagem etc).

Se estiver na Europa, outra boa forma de chegar em Madrid é de trem. A estação Atocha (aquela que sofreu um grave atentado terrorista em 11 de março de 2004, de autoria do ETA) é muito bem conectada com vários países da Europa e cidades espanholas. Você pode comprar os bilhetes de trem com antecedência e receber em sua casa, no Brasil, pelo site da RailEurope.

Para conhecer a cidade nada melhor do que andar a pé. A cidade tem uma excelente rede de transportes, o metropolitano (= metrô) chega a quase todo o lado, mas para ver tudo ao pormenor, parar várias vezes e tirar várias fotos, não há nada melhor do que andar a pé. Preparem-se para fazer alguns quilómetros, pois a cidade é grande e tem muito para ver.

Você sabia que: Durante o governo de Maomé I, um palácio foi construído onde hoje está localizado o Palácio Real de Madrid. Em torno desse edifício desenvolveu-se uma povoação moura de poucos habitantes chamada al-Mudaina, onde corria o rio Manzanares, que era chamado pelos muçulmanos de al-Majrīṭ (em árabeالمجريط, "fonte de água"). O nome evoluiu para Majerit e mais tarde transformou-se em Madrid. E que há referências relevantes no local onde se encontra a cidade desde o século IX, muito embora a região tenha recebido ocupação humana desde a Pré-História e, durante o Império Romano, ter pertencido à Diocese de Compluto. (Fonte: Wikipedia)

Pela nossa experiência, as pessoas são simpáticas e esforçam-se por compreender e falar o português, até porque há muitos turistas e residentes brasileiros e portugueses nesta cidade, embora o melhor seja ter algum conhecimento de espanhol ou inglês.

E o mais importante: o que não podem mesmo perder. Há muito para ver nesta cidade e poderia falar-vos de tudo um pouco, pois andei a pesquisar muito antes de visitar a cidade, mas vou apenas referir a alguns dos pontos que visitei e onde adorava voltar:

Gran Via – como evitar de referir uma das artérias principais da cidade? É uma avenida sempre cheia de gente, de dia e de noite, onde podemos encontrar muitas lojas, muitos cafés e restaurantes e alguns pontos de interesse, como o edifício lindíssimo do Banco de Espanha, o edifico da Telefónica ou a fonte de Cibelles (deusa grega da fertilidade) no final da Gran Via.



Puerta del Sol – uma das praças centrais de Madrid é a praza da Puerta del Sol. Muita vida e animação a todas as horas do dia, com espectáculos de rua durante a noite. É o ponto de encontro para todos e onde há sempre algo para ver. Para além da animação e das pessoas, podem também observar a estátua da Ursa e do medronheiro, símbolo da cidade de Madrid, comer um gelado para ajudar a combater o calor ou comprar uns “recuerdos madrilenos” nas lojas que circundam a praça.


Obs: Puerta del Sol, nas suas origens, era um dos portões de acesso à cidade, que era cercada por uma muralha. Foi onde eu - Lily - me hospedei em 2005. Achei a região ótima para ficar, bem centralizada, próximo a várias atrações acessíveis a pé, como a Plaza Mayor, Palácio Real, Jardins do Palácio Real, Fuente de Cibeles, Museo del Prado, Catedral de La Almudena, dentre outros que eu conheci a pé e olhem que quando eu fui fazia tanto frio, mas tanto frio, que até nevar nevou! Ou seja, não era difícil andar a pé! Havia também alguns El Corte Inglès por lá e Museos del Jamón também!

Vejam como é tudo perto da Puerta del Sol: Plaza Mayor, Palácio Real, Mercado San Miguel, dentre outros

Círculo de Bellas Artes – adorei conhecer o espaço do círculo de bellas artes, na avenida Gran Via. É um edifício imponente, que tem algumas exposições que podemos visitar, tem uma livraria grande e um restaurante fantástico, com uma esplanada onde se pode apreciar as vistas e refrescar com a sombra e os aspersores sempre em funcionamento.

Livraria Circulo de Bellas Artes

Bairro Las Letras/Calle Huertas - o Bairro de Las Letras e a rua Huertas são pontos mais escondidos da cidade, não estão tão cheios de turistas e encontramos muitos madrilenos por lá. São bairros acolhedores, com várias lojas, espaços para comer e beber. Um bom sítio para experimentar as famosas tapas espanholas e para encontrar um bar onde dançar até ao nascer do dia. 

Esplanada Círculo de Bellas Artes

O bairro de las letras é dedicado aos escritores espanhóis, por ter sido um local onde viveram e escreveram muitos destes escritores. Aqui podemos encontrar várias citações de escritores no chão das ruas, casas onde antigos escritores viveram e livrarias antigas com um ar muito convidativo para os apaixonados pelas letras.

Citações no Barrio de las Letras

Plaza Santa Ana - no bairro de las letras encontramos também a Plaza Santa Ana. É uma praça grande, bonita e com várias casas que oferecem pratos típicos de Espanha, como as tapas e as paellas. Encontram-se por lá muitos habitantes locais, para tomar um copo ou comer alguma coisa depois do trabalho, e turistas também, claro. Nós aproveitamos o passeio a esta zona da cidade para sentar um pouco, apreciar o fresco da esplanada e provar algumas tapas.

Plaza Santa Ana e as esplanadas

Mercado de SanMiguel – entre a Plaza Mayor e o Palácio Real, fica o mercado San Miguel. É apenas um mercadinho local que foi completamente recuperado e que oferece comidas e bebidas variadas, bem como frutas frescas e alguns doces típicos da zona. 



Não é um centro cultural, mas é um local onde comemos muito bem e onde eu gostaria de voltar quando regressar à cidade. Aconselho a todos! 

Dica da Lily: uma forma de sentir-se madrilenho é degustar ostra com espumante no Mercado San Miguel!

Mix de Tapas

Paseo del Prado – mais uma avenida lindíssima que tem o Museu do Prado como ponto alto, mas que tem muito mais para ver. Ao longo do Paseo del Prado encontramos jardins e estátuas muito bonitas, que merecem um passeio a pé ao entardecer e umas bonitas fotografias.

Estátua de Goya em frente ao Museo del Prado


Museu Nacional del Prado – um dos museus mais famosos do mundo fica em Madrid. Museu del Prado é mesmo um local a não perder. Guarda centenas de obras de arte lindíssimas, sendo que as mais famosas são de Velasquez e de Bosch, e tem também uma cafetaria muito agradável. Pode facilitar a visita comprar bilhetes com antecedência através do site, bem como informar-se dos horários e descontos. Entre as 18h e as 20h a entrada no museu é gratuita, mas as filas para entrar são imensas.

Observação da Lily: O Museu del Prado é um museu muito focado na arte medieval barroca, com grandes obras de mestres como Goya, Velasquez, El Greco, Rembrandt, Caravaggio que trabalham muito com as sombras e boa parte do acervo é voltado para a temática religiosa, já que a Igreja Católica foi a grande mecena (= patrocinadora das obras de arte) durante parte da Idade Média, que também foi conhecida como a Idade das Sombras (nesse caso, as sombras não estão relacionadas às cores, mas sim a uma considerada baixa expressividade artística por parte dos artistas do Renascimento e Iluminismo.) Logo, quem não curte este estilo artístico, pode ficar cansado dentro do museu. A minha dica é olhar o mapa, verificar o que está exposto em cada ala e ir naquelas que mais te interessam porque o museu é grande.

Catedral de laAlmudena – uma catedral muito bonita, junto ao palácio real, foi consagrada pelo Papa João Paulo II e foi a primeira catedral a ser consagrada por este Papa fora da cidade de Roma. É um local de passagem obrigatória, pela sua beleza e pela impressionante imagem da virgem Maria que tem no seu altar. A entrada não é paga, mas é pedida uma contribuição voluntária à entrada da catedral.

Interior da Catedral 

Imagem da Virgem Maria

Palácio Real –, também chamado de Palácio de Oriente, foi construído, em 1738, em mesmo local onde antes havia um outro palácio real - o Real Alcázar de Madrid - residencial oficial do rei de Espanha para festas (a família real reside mesmo em palácio mais modesto, o Palácio de Zarzuela), fica mesmo na lateral da Catedral de la Almudena e, uma vez que estamos naquela zona, é um bom local de paragem. O edifício é muito bonito e a visita ao museu, quando possível, também. No nosso caso, não visitámos o museu, porque se encontrava fechado por estar a decorrer um evento de estado.

Obs.: Eu - Lily - fiz a visita aos aposentos do interior do Palácio Real e me recordo muito bem de como fiquei impressionada com tanta riqueza em detalhes, decoração, coloridos e, principalmente, louças chinesas que me chamaram a atenção. Portanto, se puderem programar uma visita, vale a pena!

Parque de el Retiro – deve ser o maior espaço verde da cidade. Aqui podemos percorrer vários quilómetros a pé, de bicicleta, de skate, patins em linha… 

Estátua do Anjo Caído

Acho que me fiz entender, não é? É um espaço enorme, cheio de árvores, sombras, brincadeiras para crianças, algumas esplanadas muito convidativas e vários pontos de interesse: como a estátua do Anjo Caído, na foto, ou o Palácio de Cristal

A vantagem de poder fazer a cidade toda a pé é ver tudo de perto, mas se estiverem longe do parque aconselho a irem de metro, pois se chegarem muito cansados da caminhada não conseguirão ver tudo o que este parque tem para oferecer.

Espero que a descrição de todos estes locais tenha ajudado a “abrir o apetite” para conhecer a cidade e visitar Espanha. Há muito mais para ver na cidade e, estando em Madrid e tendo algum tempo livre, há outras cidades próximas que também merecem uma visita, como Toledo, Segóvia, Salamanca e Ávila (facilmente acessíveis de trem). 

Mas isso fica para outros textos…

** MELHOR ÉPOCA PARA IR **

No inverno, por estar muito adentro no continente e a 650 metros acima do nível do mar, faz bastante frio. Eu - Lily - senti muito frio quando eu fui em fevereiro de 2005.

Já no verão, principalmente nos meses de julho e agosto, o calor é infernal. O verão é quente e seco! A própria Tânia nos contou aqui que as temperaturas estavam em torno dos 40º C. 

Os meses mais chuvosos são entre abril e maio e outubro e dezembro.

Sendo assim, eu sugiro a primavera (maio e início de junho) e outono (final de setembro e outubro) como épocas mais agradáveis para passear pela capital espanhola.


** OUTROS PASSEIOS SUGERIDOS PELA LILY **

- Plaza Mayor, o coração de Madrid! Sua história vem desde o século XV e já sofreu alguns incêndios devastadores. Observem a Casa de Panadería e a Casa de la Carnicería. É um belíssimo complexo com edifícios medievais bem conservados e rodeada de bares e restaurantes. É claro que os preços dos restaurantes são mais caros aí que é um ponto altamente turístico. Outra coisa que percebi, quando eu fui em 2005, é que os preços eram diferentes se a pessoa estivesse sentada no balcão, dentro do restaurante ou em mesa do lado de fora. De modo geral, para quem se senta do lado de fora, o preço é mais caro. Ao centro fica a estátua equestre de Filipe III.

- Estádio Santiago Bernabéu, do Real Madrid - para quem é fã de futebol (verifique os horários das visitas)

- Puerta del Alcalá, situada na Praça da Independência, foi construída em 1778 pelo Rei Carlos III para servir como porta de entrada da cidade.

- Museu Reina Sofia - Calle Santa Isabel, 52

- Vista do último andar do El Corte Inglès da Puerta del Sol


- Museu Thyssen-Bornemisza, onde está a magnífica obra de arte de Picasso - Guernica - que é um quadro que vai além das imagens, representando a dor de uma cidade espanhola que serviu de palco de teste para as armas nazistas numa Espanha dominada pelo ditador Franco. Eu juro que fiquei quase uma hora olhando para esse quadro e buscando decifrar e captar cada detalhe dele.

- Museo del Jamón, para comer tapas a preços mais em conta

- City Tour em ônibus - um city tour em Madrid em ônibus de dois andares no esquema Hop On - Hop Off. Eu fiz esse passeio, que toma um dia inteiro se você quiser fazer todas as rotas possíveis, principalmente porque estava muito frio quando eu fui em fevereiro de 2005 e acho que valeu muito a pena!

- Templo de Debod, um pouco do Egito em Madrid. O templo, que foi construído no século IV antes de Cristo, foi desmontado e doado pelo governo egípcio para a Espanha. Infelizmente, quando eu fui em 2005, não tive a oportunidade de conhecer. Mas está na minha lista para quando eu retornar à cidade!

- Monasterio de las Descalzas Reales - fundado em 1559, um dos passeios que mais me surpreendeu quando eu fui! O Monastério é muito bonito por dentro e ao mesmo tempo sombrio. Chamou-me muito a atenção para a quantidade de caveiras com o Menino Jesus. É uma visita interessante que nos remete a uma Madrid medieval.
- Veja mais informações nos sites:

. Es Madrid - site oficial de turismo da cidade


Um comentário:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir