quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Peru: Huaraz, Cordilheiras e Lagunas 1

A melhor surpresa da viagem e as mais lindas lagoas que já vimos na vida!!!

E vamos então explorar a cidade que é capital da província de Ancash: Huaraz.


Mirante a caminho de Portachuelo, de onde se vê todo o Valle LLanganuco

No quesito aclimatação, como fica bem alto, a mais de 3mil metros de altura, os mesmos cuidados para evitar o soroche, o mal da altitude, observados pelos que vão a Cusco, devem ser respeitados aqui:

- beber muito chá/mate de coca e mascar  sua folha (eu não masquei a folha, mas bebi o mate como água, o tempo todo)


- beber muita água

- evitar bebidas alcoólicas em excesso enquanto não estiver bem aclimatado 

- fazer refeições leves também ajuda (essa é uma tarefa difícil no Peru... tudo é muito temperado e farto! Nós amamos as comidas que experimentamos por lá)

- respeitar os limites do seu corpo e descansar logo que chegar (não exagere!)

- tomar ou não tomar remédios? Antes de qualquer coisa, consulte seu médico!  Também verifique a composição de cada um. Os mais famosos entre os brasileiros que vão ao Peru são:  Diamox; Cibalena A e Sorojchi Pills. Estes últimos contêm AAS (atenção para os alérgicos!)

- de resto, vencer gradualmente os seus desafios e, se precisar, apelar para algo mais alternativo, como o Oxyshot (um oxigênio portátil - mas as boas pousadas costumam ter oxigênio para os seus hóspedes em casos de necessidade). E sempre é bom lembrar da importância de se ter um seguro viagem, principalmente se a viagem for para destinos de aventuras, esportes, grandes esforços do seu corpo ou qualquer coisa mais radical fora do comum da sua rotina.


Portachuelo

O ar é rarefeito e seu corpo pode sentir o mal da altura que se manifesta com dores de cabeça, náuseas, cansaço e até taquicardia em razão da dificuldade de respirar e de transportar o oxigênio no sangue, que já ele já é escasso no ar.

Para os anêmicos, estar em situações assim de grande altitude não é muito recomendado e aconselho conversar com seu médico antes de se aventurar porque os anêmicos terão mais dificuldade em respirar.

Veja mais dicas para fazer uma boa viagem ao Peru aqui!

Veja nosso roteiro completo pelo Peru, com todos os preços/valores que gastamos, aqui!

Agora sim, vamos contar um pouco da nossa aventura!!


Laguna Chinancocha

Começamos nossa viagem pelo Peru em Huaraz, onde passamos 3 dias. No mês de agosto faz muuuuuuito frio pela manhã cedo, à noite e próximo às lagunas que ficam em grandes altitudes.

Huaraz fica na província de Ancash. Para chegar, somente de ônibus,  com companhias como a Movil Tours (80 soles o assento cama); a Cruz del Sur (65 soles o assento cama) e Tepsa.  Também tem um aeroporto em Anta, cidade a cerca de 40 minutos de Huaraz. Os voos não são regulares e são caros, em aeronaves de mais ou menos 30 lugares ou fretados.


Valle LLanganuco

Huaraz é um destino muito famoso entre os esportistas de montanhismo e escalada no mundo inteiro.  Entre os brasileiros, nem tanto. Inclusive, vimos muitos europeus em Huaraz e só vimos brasileiros no ônibus voltando para Lima.

A cidade serve como excelente base para explorar as duas Cordilheiras próximas que a cercam: Cordilheiras Branca e Negra, que fazem parte da Cordilheira dos Andes, e que tem na montanha Huascarán o mais alto pico do Peru e ponto de grande exploração para montanhismo e alpinismo.

Cidades simples, agrícolas, aos pés da Cordilheira Negra

Cordilheira Branca é assim chamada por causa dos seus cumes nevados. E a Cordilheira Negra, como se pode deduzir, é justamente assim chamada por não ter neve.

Cumes Nevados na Cordilheira Branca

Por isso mesmo, a cidade de Huaraz acaba servindo muito bem  como base de apoio para os passeios nas montanhas e sítios arqueológicos próximos, embora não seja uma cidade bonita em si. Possui boa rede hoteleira e também de restaurantes, além de muitas agências de turismo.

São muitos os passeios possíveis: day trips,  trekkings com acampamento que variam de 2 a 15 dias (pode até ser mais) e escaladas que também podem ser de muitos dias. Dentre os trekkings, o de Santa Cruz é o mais conhecido.

Eu, como tenho minha veia aventureira um pouco entupida rsrs, e estava com medo da tal da aclimatação, achei melhor não abusar e contratei 3 day trips com a agência de turismo e contratamos a empres Inkaland Treks que organizou tudo e realizou passeios privados conosco em Huaraz. A agência eu conheci lendo relatos de mochileiros e também pelo TripAdvisor, onde ela está bem avaliada.

Confesso que tive certa dificuldade em montar meu roteiro para Huaraz pela falta ou pouca informação sobre o destino. Explico: minha veia aventureira × minha veia mochileira é -10. E boa parte dos relatos que eu encontrei foi em blog ou site de mochileiros e montanhismo.

Bem, agora sim, vamos aos relatos da nossa experiência em Huaraz: chegamos na cidade já quase às 22h de um sábado (dia 09 de agosto de 2014). Como estávamos nos sentindo bem, apenas cansados (normal para quem viajou das 05h da manhã às 22h rsrs) resolvemos dar uma caminhada leve para ver os arredores. Acredito que o fato de termos ido de ônibus de Lima para Huaraz contribuiu bastante para estarmos bem (são de 8 a 9h de viagem e chegamos a 4mil metros de altura durante o percurso... ou seja, fomos aclimatando pelo caminho).


Ficamos hospedados no familiar Hotel El Jacal (o albergue Churup também é muito famoso entre os mochileiros e pode ser ótima sugestão para quem deseja economizar).

Na rua do Hotel El Jacal tem um mercadinho muito bom, a caminho da Plaza de Armas. A própria Plaza de Armas parece bonita, porém, a pouca iluminação noturna atrapalhou apreciá-la melhor.

Plaza de Armas de Huaraz, pela manhã

Como a maioria das cidades de colonização espanhola, Huaraz também tem na sua Plaza de Armas o coração da cidade. E o Hotel El Jacal fica ali perto.

Na nossa primeira noite, seguimos caminhando na rua principal, que fica em frente à Catedral, e encontramos o Café Rossonero bem perto da Plaza de Armas. Lanchinho de dois sanduíches e duas vitaminas de morango ao leite bem gostosinho por 25 soles o total. O lugar era ajeitado, limpo e foi a melhor alternativa de um lanche leve para nossa chegada. Como já era tarde da noite, muitos lugares estavam fechando e o hotel nos informou que os serviços de delivery já não estavam funcionando.


Lanchinho no Café Rossonero 

Achei interessante ver tantos restaurantes, pizzarias e cafés em sobrados. Como era sábado, havia muitos jovens e adolescentes na rua.

Quanto ao Hotel El Jacal,  simples,  limpo, bom atendimento, quarto com bom tamanho e banheiro privativo. Meu único problema foi a guerra com o chuveiro que não esquentou para o banho comigo na primeira noite, mas passou a funcionar melhor nos dias seguintes, depois que reclamei e o senhor "faz-tudo" do hotel disse que realmente havia um problema.


Quarto do Hotel El Jacal

Na verdade, outro problema foi o café da manhã. Eles até haviam concordado em servir o café da manhã mais cedo para a gente sair para o passeio. Deveria começar às 7h e disseram que antes disso já poderíamos ir. Mas acabou não funcionando porque o café começou tarde e nos outro dias decidimos não esperar. Ou seja, embora tenha o café incluído na diária, não aproveitamos porque queríamos sair cedo para aproveitar ao máximo os passeios e tentar pegar as trilhas e lagunas com céu mais limpo. 

E nosso roteiro foi elaborado  justamente com base na aclimatação:

- Chegamos em Huaraz à noite. Dormimos e já  no dia seguinte saímos para passear.

** 1º DIA DE PASSEIO: VALLE LLANGANUCO E PORTACHUELO**


No primeiro dia de passeio (10 de agosto de 2014) tomamos café no Hotel El Jacal que começou depois do prometido (começa normalmente às 7h e pedimos para que fosse antes,  mas acabou sendo às 7:20 e depois disso desistimos de aguardar o café para sairmos cedo). Isso atrasou um pouco nossa saída. O destino foi o Vale de Llanganuco e Portachuelo.


Laguna Chinancocha

No caminho até as lagunas, que levou cerca de 2:30h, pudemos contemplar as Cordilheiras Branca e Negra e paramos em alguns pontos da estrada para tirar fotos, como no mirador de Anta.



Cordilheira Negra

Avistamos o imponente Huascarán, o pico mais alto do Peru. A Cordilheira Branca é realmente muito linda!

Passamos por algumas cidades pelo caminho, como Yungay, que foi devastada por uma avalanche na década de 70.


Registro feito por uma japonesa da avalanche que destruiu a cidade de Yungay na década de 70

Antes de entrarmos no Parque Nacional de Huascarán, fizemos uma parada no posto de controle, onde demos nossos nomes com identidade e foi paga uma taxa de ingresso de 10 soles por pessoa (essa taxa está incluída no passeio oferecido pela Inkaland Treks). Nesse posto de controle é bom aproveitar para ir ao banheiro! rsrs... são tão raras as oportunidades de se ir ao banheiro, que realmente é vale a pena, ainda mais se você fizer como eu e carregar seu mate de coca e for bebendo pelo caminho.


Entrada do Parque de Huascarán

Nós fazíamos sempre assim: pegávamos o sachê de chá de coca no hotel e, como levei minha garrafa térmica, enchia de água fervendo e levava meu mate de coca para beber durante o dia. 



E logo o primeiro passeio foi incrível: as lagunas do Vale de Llanganuco são belíssimas! 


Laguna Chinancocha

Estão a 3.800 metros de altura e já foi nosso primeiro desafio contra a altitude.  Lá, nas lagoas, chega-se fácil de carro e por isso acaba sendo um bom passeio de aclimatação. Você pode, inclusive, dispensar um guia para isso e contratar apenas um remís/táxi e combinar o preço com ele. 


Laguna Chinancocha

Depois de pararmos para fotos lá na Laguna Chinancocha (são duas Lagunas no Vale de Llanganuco), lindíssima e num tom de azul esmeralda sensacional, com a montanha Huascarán ao fundo, seguimos de carro montanha acima até Portachuelo. Como tudo foi privado, a grande vantagem era ir parando para fotografar sempre que desse vontade. E a Edita, dona da Inkaland Treks, que nos acompanhou nos dois primeiros passeios, era muito solícita e gentil. 


Valle Llanganuco

Não tem como deixar de fotografar tanta paisagem incrível, não acha? Portanto, a gente ia parando em mirantes, à beira da lagoa... e sempre que desse vontade! Adoramos!


Valle Llanganuco

A estrada para chegar ao mirador de Portachuelo é estreita e são mais de 40 curvas. Para quem tem medo de altura, pode ser bastante vertiginoso. Ao final, quando atingimos o Mirador Portachuelo, atingimos nada mais nada menos do que 4.700 metros de altura. Haja fôlego!


As curvas na montanha para chegar a Portachuelo View

Considerando que a Montanha Huascarán, a mais alta do Peru, tem aproximadamente 6.700 metros de altura, chegar a 4.700 metros até que é pertinho do céu!


Com a Edita, guia credenciada de montanha e dona da Inkaland Treks

Lá em Portachuelo, vimos bem de perto a Cordilheira Branca e seus picos. A paisagem, com neve, é muito bonita. Também há uma lagoa no alto, escondida atrás da pequena trilha na neve que fizemos.

Muita neve em Portachuelo

Lagoa escondida, depois da trilha de neve, em Portachuelo

Aliás, não faltam lagoas na Cordilheira Branca, principalmente em razão dos seus cumes nevados que são as grandes fontes de abastecimento dessas lagoas, além das chuvas.


Carro que fez os passeios com a gente no primeiro e segundo dias

E não é que havia um grupo de suíços corajosos que estavam por lá subindo de bicicleta a montanha com apoio de um carro? Achei incrível! Detalhe: havia muita neve em boa parte do caminho, aquele mesmo vertiginoso, estreito e repleto de curvas de que falei agora há pouco. Haja disposição para subir de bicicleta, fôlego e muita coragem!


Bikes dos suíços que subiram a montanha pedalando - haja fôlego

E em Portachuelo, como não tem banheiro pela estrada, mas apenas na entrada do Parque Nacional de Huascarán (aquela mesma entrada onde eu falei lá em cima para aproveitar e ir ao banheiro) ou no espaço para almoço na Laguna Chinancocha (banheiro custa 0.50 soles), eu tive uma experiência inusitada: fazer xixi na neve! Como subi tomando muito chá de coca, não tive saída! rsrsrs.. e que coisa mais estranha, viu? 


Portachuelo 

E o chá de coca é realmente grande aliado contra o mal de altitude!

Na descida, paramos novamente em alguns bons mirantes!


Valle LLanganuco

Passamos também pelo local de refeições da Laguna Chinancocha, onde paramos para um lanche. Ali é um ótimo local para refeições e até pique nique. 


Árvores Queñual e Laguna Chinancocha

Como os carros chegam facilmente e não precisa de trilha, tem até bastante movimento de pessoas, artesanato, uma simpática llama pronta para você fotografar e, graças a Deus, banheiro! rsrs... 


Llama pronta para a foto! rsrs... no final da tarde, as nuvens tomavam conta da paisagem

Dali também saem os barquinhos para passeio na lagoa. Eu resolvei não fazer porque o barquinho nem vai tão longe assim. Achei melhor ficar ali um tempinho apreciando a paisagem, a lagoa, a montanha ao fundo, as árvores queñua.


Barcos para passeio pela Laguna Chinancocha

Laguna Chinancocha - Valle LLanganuco

Depois disso, começamos a fazer a trilha de descida chamada Sendero Maria Josefa. Muitos passeios fazem essa trilha para subir. Porém, como era nosso primeiro dia e para baixo todo santo ajuda,  preferi fazer a descida. E achei bem tranquilo fazer a descida no primeiro dia! Recomendo.(vamos lembrar que estamos a quase 4 mil metros de altura... e qualquer esforço muito grande pode gerar efeitos colaterais como náuseas e dores de cabeça).


A História das montanhas e o amor proibido entre dois jovens de tribos rivais - muitas lendas e superstição em todo o Peru

Rio, cachoeirinhas, árvores queñua, típicas dessa região (seu tronco é repleto de lascas como se escamasse e essa lasca tem propriedades medicinais). 


Sendero Maria Josefa - árvore queñual

Vimos uma natureza deslumbrante e sobrevivente da altitude. Fizemos a trilha em pouco mais de 1h, muito bom para aclimatação. 


Sendero Maria Josefa

Trilha Maria Josefa - não oferece dificuldade e boa para aclimatação

No final, contudo, tive dor de cabeça que custou a passar e tomei paracetamol para ajudar. Só passou mesmo depois que eu jantei, já em Huaraz.

Voltamos para Huaraz e fomos jantar no famoso Restaurante Encuentro. Sempre muito comentado no site Mochileiros.com, esse restaurante é uma gracinha mesmo. Comi um delicioso lomo saltado (25 soles) e nem me importei com o fato de ser "pesado". Estava sublime! Recomendo. 

E assim terminou nosso primeiro dia!

** Prós e Contras de ter uma Agência de Turismo à sua disposição em Huaraz**

- Vantagens:
. Exclusividade
. Poder parar em muitos mirantes e pontos lindos para fotografar
. Ter alguém experiente por perto para ajudar, dar dicas, passar informações e te socorrer em caso de acidente
. Ter alguém para tirar suas fotos
. Ter o apoio da agência com toda a logística e também com os itens necessários para o passeio, pois eles levam comida, frutas, água, mate de coca, em quantidades suficientes para passarmos o dia inteiro fora e você não se preocupa com nada (inclusive, eles carregam!)
. Interagir com alguém local e aprender muito com eles
. Horário muito flexível e aproveitamento máximo do dia

- Desvantagens:
. Preço, pois os passeios ficam bem mais caros do que se você fizesse em grupo (caso você consiga fechar um grupo em um albergue, por exemplo) ou por conta própria, fazendo as trilhas sozinho e indo para os pontos de partida das trilhas de van pública ou táxi
. O carro utilizado era meio velho e sujo. O problema é que, no Peru, de modo geral, é difícil ver táxi novo. A maioria é velho mesmo. E a agência de turismo contratou um táxi para a gente. Podia ser mais limpo. Eu cheguei a reclamar e, como resultado, eles trocaram o carro no dia seguinte por um menos sujo (mas ainda meio sujinho). Na verdade, não dá para ter muita frescura. É muita poeira - muita mesmo! - pela estrada e o carro fica super sujo mesmo.

Quer saber mais sobre Huaraz? Então acompanhe e não perca o próximo post!! 



20 comentários:

  1. Lily, parabéns pelo blog, publicações e dicas para os viajantes! Realmente, contratar um seguro viagem é muito importante. Ainda mais em se tratando de uma viagem com muitas aventuras. Ele minimiza os riscos e imprevistos durante a viagem.

    Somos uma operadora de grande tradição e que atua há 36 anos no mercado de seguros viagem. Temos vários planos, para atender às necessidades de cada cliente. Estamos com uma promoção de 15% de desconto para as pessoas que apresentarem o código promocional TOURIST15. Para quem quiser conhecer melhor a empresa acesse o nosso site: http://www.touristcard.com.br e o nosso chat, onde respondemos de imediato a qualquer dúvida: http://bit.ly/chattour.

    Um abraço para todos!,
    TouristCard

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada TouristCard!
      Realmente, para viagens com aventuras e riscos, o seguro viagem é uma cautela recomendada.
      Abraço,
      Lily

      Excluir
  2. Olá,
    Parabens pelo post no Blog! 
    Hoje em,dia qualquer dica, ajuda para quem quer morar for a ou fazer intercâmbio é válida. Visite o site da nossa agência de intercâmbio com base em Brighton na Inglaterra JapStudies.com (Juniors, Adults & Professionals Studies). Como nosso serviço é em sua maioria online os custos são muito mais baratos do que se comparado com as empresas no Brasil e você pagará seu curso diretamente para a escola através de uma transferência bancária internacional com a cotação do Banco Central.
    Entre em contato com a gente e peça um orçamento sem compromisso 
    Um forte abraço JapStudies.com

    ResponderExcluir
  3. Bom dia, não estou encontrado o tempo do passeio... Minha ideia é ir de Lima - Huaraz, fazer o passeio da Laguna Chinancocha e retornar a noite para Lima.. É possivel?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei Simone,
      tudo bom?
      Então... nós não fizemos essa laguna, a Chinancocha. Sobre as demais lagunas, a rotina era mais ou menos igual: acordávamos muito cedo e saímos entre 6:30 e 7:30 (a gente ia cedo para aproveitar mais o dia e evitar qualquer risco de pegar chuva final do dia ou nuvens, porque todo dia de tarde as nuvens chegavam tampando o sol ... e com sol, tudo é mais bonito, né?). E sempre chegávamos de volta em Huaraz por volta das 18/19:00. Isso porque os deslocamentos de Huaraz até a base para o início dos trekkings levavam em torno de 2 horas.

      Sendo assim, você só conseguiria fazer o que pretende, se for de Lima para Huaraz num dia (lembre-se de que se você for de ônibus, gastará umas 8 horas para chegar em Huaraz), daí você vai dormir em Huaraz, acordar no dia seguinte cedo para fazer o passeio (já deixe o passeio agendado com a agência) e voltar à noite para Lima no ônibus noturno. Mas eu não vejo forma alguma de fazer bate e volta de Lima a Huaraz sem ter que dormir lá!! Aliás, tem o fator da aclimatação também, que é super importante. Não adianta sair de Lima, que está no nível do mar, subir para Huaraz que já está a uns 3 mil metros e encarar trilhas para as lagunas que estão a mais de 4.000 metros sem estar aclimatada porque o risco de passar mal fica ainda maior.
      Espero ter ajudado.
      Beijinhos,
      Lily

      Excluir
  4. Parabéns pelo relato e as fotos estão maravilhosas ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada! Foi uma viagem maravilhosa!
      Beijos,
      Lily

      Excluir
  5. Oi, poderia me informar, por gentileza, qual o pacote você contratou e o valor aproximado? Pode me passar tbm o email de contato, estou planejando ir para la porém não acho mto a respeito na internet

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Lara!
      Huaraz é um sonho!!!
      Olhe ,todos os valores e contatos estão neste post --> http://www.blogapaixonadosporviagens.com.br/2014/09/peru-roteiro-completo-para-17-dias.html

      Nele você encontrará tudo bem detalhado e com essas informações.

      Beijos,
      Lily

      Excluir
  6. Lily, Bom dia. Estou indo para Huaraz fazer o passeio da laguna paron. 3 dias da pra fazer o passeio tranquilo ? Você chegou a usar o Oxishot(tubo de oxigenio)e muita folha de coca ? kkkkkk...Nunca fiz trilha, fiquei com essas duvidas devido a altitude. Obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Marcus!
      Acho que já te respondi em outro post, certo? Mas para deixar registrado aqui também, 3 dias são sim suficientes. Não usei o Oxishot, pois não foi necessário. Vi vendendo em mercados e pareceu bem prático para carregar, mas não sei se faz efeito mesmo. Tomei muuuuuuuito chá de folha de coca, tylenol antes de começar as trilhas e deu tudo certo!
      Conte para a gente como foi a sua experiência! Deu tudo certo? Espero que sim.
      Abraços e Feliz 2017!
      Lily

      Excluir
  7. Lily,
    é possível chegar a Huaraz de carro?
    Se puder me ajudar conversando por inbox. fb.com/carolcastropina

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Carol! Tudo certinho?
      Sim sim... é possível, pegando a mesma estrada que peguei quando fui de ônibus. A questão importante que eu te sugiro pensar a respeito é sobre os efeitos da altitude. Quem vai dirigir? Essa pessoa que vai dirigir está acostumada com a altitude? Você passará ao longo da estrada, numa viagem que vai durar cerca de 7 a 8 horas dirigindo, por altitudes que ficaram na casa dos 4.000 metros. Então vale pensar se quem for dirigir estará apto a isso, pois, se passar mal, vocês estarão no meio do nada em vários trechos da estrada.
      Depois me conte o que decidiu.
      Feliz 2017!
      Beijos,
      Lily

      Excluir
  8. Oi Lily! Tudo bem?
    Muito legal acompanhar todos estes lugares lindos e inspiradores! ❤️ parabéns!!

    Gostaria de te fzr uma perguntinha rápida sobre sua ida ao Peru, mais precisamente a Huaraz: Cotamos com a Inkaland e estamos prestes a fechar o pacote! Eles estão nos cobrando um adiantamento de 30%... Fizeram isso com vcs tbm? Vc lembra de alguém chamada Deysi trabalhando na agencia? Pq as transferencias são no nome dela, e não da Edita!

    Muito obrigada :) Bjs!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Aline! Tudo certinho?
      Ficamos muito felizes por nos acompanhar!! Que coisa boa!

      Sobre a Inkaland, eu os sigo no instagram e vejo sempre fotos da Edita por lá. Ou seja, ainda que não tenha sido ela a responder o email, ela ainda está lá sim. Vira e mexe, tem muita gente que chega até nela por causa do blog e ainda nos falamos de vez em quando por email.

      Não me lembro se pagamentos algo adiantado. Mas acho que não. Também não lembro da Deysi.

      Mas, no seu lugar, para ficar tranquila, eu tentaria fazer uma ligação para lá, via skype de repente, para não ficar caro, e pediria para falar diretamente com a Edita para tirar essa dúvida.

      Você vai adorar tudo! Quero saber depois como foi, ok?
      Bjs,
      Lily

      Excluir
  9. Adorei suas dicas. Fui ao Peru em abril, mas não conheci Huaraz. Está na minha lista. Que máquina fotográfica vc usa?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oiii!Muito obrigada pelo carinho! Que bom que gostou... então já tem um bom motivo para voltar, não é? As fotos são em grande maioria ou da Canon T5i com lente 18-200mm ou do celular Samsung que na época (tem 3 anos já) eu acho que era o Galaxy S4, viu? Hoje eu tenho o Galaxy S6 ... amo a câmera do Samsung série Galaxy e não penso em trocar por um iPhone de jeito nenhum kkkk...

      Abraços,
      Lily

      Excluir
  10. Olá Lily tudo bem? ... deixa eu te perguntar o mirante portochuelo dá para chegar de carro? Ou tem que andar? E se sim vc sabe mais ou menos qtas horas ou km? E o Paron dá para ir de carro ou tem trilha? Qtos km? O 69 parece que são 7km ida e volta né? Adorei seu post e que fotos mais lindas! Está de parabéns ������������ muito obrigada pelas dicas! Beijo ��

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oiii!!! Tudo bom? Sim sim, nós fomos de carro até Portachuelo, direto até o topo. Ainda bem, né? Mas havia uns suíços doidos por lá subindo o zigue-zague da montanha de bike!

      Em relação à Laguna Parón, fomos de carro até chegarmos na frente dela. O legal é fazer uma caminhada e vê-la mais de perto. Mas se for de carro, o ponto máximo onde o carro consegue chegar já fica de frente para ela, com vista para a ela. Se fizer a trilha, são cerca de 4 horas no total, mas também fizemos uma pausa para almoçar. A caminhada em si é leve, não há dificuldades. O único problema é a altitude e a dificuldade em respirar.

      Aqui neste link eu conto em detalhes como foi: http://www.blogapaixonadosporviagens.com.br/2014/09/peru-huaraz-cordilheiras-e-lagunas-2.html

      Temos um post índice com tudo de importante para você saber antes de planejar sua viagem para lá: http://www.blogapaixonadosporviagens.com.br/2015/09/huaraz-laguna-69-llanganuco-paron.html

      No caso da Laguna 69, são 14km no total (7km cada trecho).

      Veja os demais posts que estão beeeeeem detalhados também e é provável que você tire suas dúvidas neles =)

      Espero ter ajudado! Seja sempre bem vinda aqui no blog.

      Beijos,
      Lily

      Excluir