segunda-feira, 10 de março de 2014

Último dia em Mendoza...

Então, depois de passar 4 maravilhosos dias em Mendoza e de ter uma Virada do Ano de 2013 para 2014 maravilhosa no restaurante Lo de Fer, o meu dia 01º de Janeiro de 2014, e último dia em Mendoza, foi reservado para o ócio rsrs...




Na verdade, eu cheguei a enviar e-mails para muitos lugares antes, para saber se funcionariam ou não. Infelizmente, por ser feriado, a maioria ficou fechada.

Então pensei que seria bacana passear pela cidade, com calma, depois de tomar o café da manhã no Hotel Amerian Executive e já liberar os quartos, descendo com as malas e deixando-as no bagageiro do hotel.

O plano teria sido ótimo se o ônibus turístico de Mendoza estivesse funcionando no dia.

Eu caminhei do hotel até o cruzamento da Peatonal Sarmiento com a Avenida San Martin, que é o local de saída do ônibus turístico, onde também tem um centro de Informações Turísticas. Lá fica o ônibus turístico Mendoza City Tour (acesse seu site para mais informações sobre circuito e horários).

O interessante foi finalmente passear durante o dia em Mendoza, coisa que eu não tinha feito até então, já que deixei todos os passeios reservados para os dias anteriores.

A ideia do Ônibus Turístico, para quem não tem muito tempo, é super interessante e o valor é bacana. Hoje, o passeio custa 75 pesos para Adultos e tem um circuito bem completo pela cidade, inclusive pelo Parque General San Martin e Cerro de la Gloria.

Hóspedes com quem conversei no hotel e que me indicaram esse passeio, disseram que o ônibus faz até pequenas pausas, como no alto do Cerro de la Gloria, suficientes para que os interessados desçam e tirem algumas fotos.

Realmente, foi uma pena não estar funcionando por ser feriado. Inclusive porque não foi nada fácil depois pegar táxi para tentar conhecer um pouco da cidade. Portanto, o ônibus turístico teria sido super prático e confortável, naquele sol de rachar que fazia (Rio 40º ficava no chinelo perto de Mendoza!!).

Então, aproveitamos para conhecer algumas praças da cidade e observar um pouco da sua arquitetura e ruas. Aliás, a maioria das lojas também estava fechada. Até o café Havanna estava fechado... Ou seja, nosso dia 01º de janeiro foi mesmo dedicado a caminhadas pela cidade e a um barzinho muito mais ou menos na Peatonal Sarmiento.

Primeiro conhecemos a Plaza Italia, logo em frente ao nosso hotel.




Uma praça muito bonita, com decoração que remete a cidades italianas, com arcos e fonte super elaboradas. Uma praça bem agradável, arborizada e bonita.





Aliás, a cidade de Mendoza é super arborizada. Eu mesma fiquei impressionada em ver, do alto do Hotel Amerian, que tem uma cobertura bem bacana, onde fica a piscina, pude ver do alto a cidade e a quantidade incrível de árvores.

Se você considerar que a região toda no entorno de Mendoza é uma região árida, quase semi desértica, ver a cidade do alto dá uma noção bem bacana de como ela se parece como um oásis!


Plaza Italia vista do alto do Amerian Executive Hotel



Todo o planejamento usado para o desenvolvimento de Mendoza tem a ver com o sistema de irrigação e de canalização das águas de degelo que provêm dos Andes.

Super curioso é perceber as canaletas que existem entre as calçadas e as ruas, praticamente por todos os lugares onde passei, responsável para levar água para as árvores plantadas exatamente nestas canaletas.

Depois, caminhamos para a famosa Plaza Independencia, o coração da cidade de Mendoza, a principal praça.

A Plaza Independencia é muito bonita e muito grande!










O Hotel Hyatt Park, talvez o mais chique da cidade, tem uma arquitetura expressiva e chama atenção, estando localizado bem de frente para a praça. Lá teve uma festa de reveillon super badalada, com jantar, coquetel, DJ, pista de dança e alto nível! Eu, como vocês já sabem, preferi algo mais íntimo no Restaurante Lo de Fer.




Algo que me chamou também bastante atenção em Mendoza foi não ver lixo pelas ruas, mendigos ou até mesmo os malditos flanelinhas. Bem diferente de Buenos Aires, especialmente da região do Microcentro, onde há muitos pedintes, vendedores ambulantes (camelôs) e também sujeira.

Daí, já que o ônibus turístico não estava funcionando, sentamos um pouco no pub lá da Peatonal Sarmiento, que eu não indico (com certeza tem coisa muuuuuuuito melhor em Mendoza, ainda mais se você for para a Avenida Aristides, repletas de bares e pubs). Achei, diga-se de passagem, essa Peatonal Sarmiento super caída.





Na volta para o hotel, passamos pela loja Sol y Vino, na Avenida Sarmiento 664, bem perto do Restaurante Azafrán.





Uma ótima loja para comprar vinhos (a única que vimos aberta) e você ainda pode ser atendido por um brasileiro bem simpático. Compramos um vinho, alguns acessórios, alfajores locais (a Havanna estava fechada) e um livro sobre Mendoza!!





Não sei vocês, mas eu adoro livros de viagens! Sou viciada!!!

Como o casal de amigos que estava conosco tinha o voo mais cedo, voltamos para o hotel com eles para nos despedirmos.

Nós tentamos agendar um transfer para eles irem ao hotel, mas o tempo de espera era de cerca de 40 minutos. Quando saímos mais cedo, do hotel, para nossas andanças, eu pedi ao staff do Amerian Executive Hotel, que deixasse já agendado um carro/transfer para levar meus amigos no horário que eles queriam. Porém, isso nos foi negado pelo contato do transfer, sob alegação de que tinha que ligar em horário mais próximo.

Então, diante disso, preferimos não arriscar e fomos para as ruas procurar táxi para eles. Por sorte, conseguimos um e eles foram para o aeroporto.

Não sei se foi o contato do hotel, se foi má vontade dos motoristas de táxi, se foi o fato de ser feriado, se foi tudo isso junto... só sei que é bom não deixar para pegar um táxi ou agendar um transfer em cima da hora, ainda mais se for feriado na cidade de Mendoza.

Depois disso, eu fui com meu namorado tentar conhecer um pouco do Parque General San Martin.




Tivemos dificuldade para conseguir um táxi, mas não havia outra forma: o calor era insuportável... não da para ir caminhando e o Parque é enooooorme!!



A gente só queria mesmo ter uma noção do parque. Portanto, essa voltinha com o taxista atendeu perfeitamente aos nossos objetivos e tivemos uma visão panorâmica ótima do parque.

Curiosidades sobre o Parque: sua construção começou em 1896, sob direção do arquiteto Carlos Thays. Os belíssimos e imponentes portões da entrada foram instalados em 1909.

 O parque possui quase 400 hectares e, dentre alguns atrativos, temos: o roseiral, o Estadio das Malvinas Argentinas, a Universidade Nacional de Cuyo, Museu de Antropologia, Country Clube, Clube de Tênis, Teatro, Hipódromo, Jardim Botânico, um lago muito grande onde fica o Clube de Regatas de Mendoza, praticamente todos construídos no início do século XX.





Eu combinei com o taxista de ele me levar em alguns pontos, parar para eu descer, tirar umas fotos e depois voltar para o carro e seguir conhecendo mais do parque.

Foi um esquema muito bacana e, no final, gastamos cerca de 140 pesos para quase 1 hora de voltas pelo parque, com estas pausas para fotografias.

O taxista foi bem simpático neste sentido e dava até dicas, informações e explicava um pouco para a gente sobre o parque.

A gente também notou como os mendocinos curtem o parque. Por ser feriado, havia muita gente no parque, famílias, crianças e amigos, fazendo piqueniques, tomando chimarrão, simplesmente curtindo o dia e passando o tempo por lá.





O Cerro de la Gloria, para minha tristeza, no dia 01º de janeiro de 2014, estava com acesso fechado para os carros. Daí, para eu subir a pé, ia demorar muito e achei que o taxista ia pensar que eu daria calote nele... É claro que eu poderia deixar pago e pedir para ele esperar. Mas... e se ele não esperasse?? E se demorasse muito? O risco de ficar ali sem táxi (estava mesmo muito difícil conseguir um táxi) e depois perder o horário do meu voo era grande demais para eu correr.

Na volta do passeio de táxi, fui direto para a Heladeria Perin, aquela mesma da Avenida Sarmiento, também pertinho do Restaurante Azafrán, e me esbaldei em muito sorvete de doce de leite!!


Então voltamos para o hotel, pedimos um transfer (tínhamos tempo livre, suficiente para tomar um banho no banheiro da piscina e para tirar mais uma fotos lá do último andar...)





E, enfim... fomos para o aeroporto de Mendoza pegar o teco teco da empresa Sol, parceira da Aerolineas Argentinas, para Cordoba e depois rumo ao Rio de Janeiro com a companhia aérea Gol!




Só um detalhe: o duty free do aeroporto de Córdoba, para regressar ao Brasil, era bem melhor do que o duty free da chegada. Porém, não se anime  muito, viu? Continua sendo minúsculo e com poucas variedades! Serviu mais para a gente gastar os pesos restantes e não voltar com pesos argentinos para o Brasil.

Assim terminou minha viagem a Mendoza! Espero que tenham gostado e se inspirem para conhecerem essa cidade!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário