sexta-feira, 27 de julho de 2018

Roteiro Férias Caribe: Panamá, Bahamas e Cuba

Quando começamos a pensar em nossas férias para 2018, como nós sempre dividimos em dois períodos, normalmente um de 10 dias e outro de 20 dias, optamos por deixar inicialmente o de 20 dedicados a explorar um pouco mais do Caribe, região que tanto amamos e que oferece uma infinidade de opções de destinos espetaculares para a gente curtir, apaixonar, descansar e ficar com vontade de quero mais sempre!

Exumas

San Blás

Sendo assim, objetivando a melhor logística para os deslcamentos, escolhemos o Panamá como nossa porta de entrada do Caribe e dos países que traçamos explorar, levando em conta que esta cidade é hub da companhia aérea Copa Airlines o que facilitou muito a nossa vida na hora de comprar a passagem com múltiplos destinos.

Ou seja, em vez de comprarmos vários trechos separados, compramos apenas uma passagem, com saída e retorno para o Rio de Janeiro, colocando ida e volta para o mesmo lugar. Preferimos fazer com várias cidades justamente pela facilidade de a Copa oferecer voos diretos do Rio de Janeiro para a Cidade do Panamá e, a partir desta podermos seguir viagem para outros países, que foram Bahamas e Cuba, nesta ordem.

Uma outra grande vantagem, além de voos mais curtos e diretos (sem conexão/escala) e de ser uma cia aérea boa, com serviço de bordo razoável e atendimento solícito, é o fato de você não precisar de visto para o Panamá nem mesmo para diversos outros lugares pelo Caribe, o que favorece bastante a opção de quem prefere não ter que passar pelos EUA para depois seguir viagem para os mares caribenhos.

San Blás

É claro que nada disso teria funcionado bem se os valores das passagens fossem extorsivos. Para nossa sorte, a Copa também era a que oferecia os melhores preços para o período que fomos.

Cayo Largo

Porém, esbarramos em um problema que era o deslocamento entre Bahamas e Cuba, que ficou descoberto e, neste caso, como também os outros voos internos dentro do Panamá, das Bahamas e de Cuba, compramos passagens com as companhias aéras locais.



Desta forma, a partir do Panamá nós fomos para as Bahamas e Cuba (nesta ordem) e os voos ficaram assim:

- Copa Airlines: 
Rio de Janeiro – Cidade do Panamá
Cidade do Panamá – Nassau
Havana – Rio de Janeiro
. Total de USD 2000 para 2 pessoas.

- Air Panama:
Cidade do Panamá – Bocas del Toro
Bocas del Toro – Cidade do Panmá
. Total de USD 490 para 2 pessoas

- Bahamas Air: 
Nassau – George Town/Exuma
Exuma – Nassau
Nassau – Havana
. Total de USD 900 para 2 pessoas

- AeroGaivota (Cuba):
Havana – Cayo Largo
Cayo Largo – Havana
. Total de USD 535 para 2 pessoas

Notem que todos os valores acima estão em dólares e para duas pessoas. Não se trata de uma barganha, como podem reparar. Não pagamos barato, mas em grande parte foi culpa nossa porque deixamos para definir várias coisas em cima da hora, faltando um mês para a viagem e, consequentemente, pagamos o preço mais alto pela falta de antecedência. 

Em verdade, eu inicialmente tinha montado um roteiro sem as Bahamas. No seu lugar, estava a Jamaica. Todavia, eu tinha apenas 5 dias inteiros para dispor neste trecho porque o grande foco da viagem desde sempre era Panamá e Cuba. E, com a evolução das pesquisas, percebi que 5 dias para a Jamaica seria bem pouco tempo dado aos longos deslocamentos internos para fazer os lugares mais bacanas e bonitos. Portanto, desisti.

Exumas

Exumas
O bom é que, pesquisando mais, me dei conta de que Bahamas seria um destino perfeito para essa quantidade de dias se eu focasse em um lugar dela apenas. Como não temos muito perfil de ficar em resorts muito tempo, eu nem considerei ficarmos em Nassau além do necessário em razão dos voos, horários etc. Logo, foi fácil substituir a Jamaica pelos 5 dias nas Exumas, destino paradisíaco que pouco a pouco me conquistou e acabou se tornando igualmente tão desejado e esperado por nós quanto o Panamá e Cuba.

E por que o Panamá? Ahhhh... minha vontade de conhecer San Blás vem de longa data... estimo que há cerca de 4 anos que me despertei para esse paraíso e desde então vinha sonhando em desbravá-lo! E quando digo desbravar, é assim mesmo, porque requer coragem e muito desapego para ir a San Blás.

San Blás

San Blás

Daí, uma vez no Pananá, por que não explorar um pouco mais do país? Eu não sou engenheira, mas sempre tive muita curiosidade em ver de perto toda a engenhoca do Canal do Panamá! Vocês já pararam para pensar na dimensão deste canal centenário?

Cidade do Panamá

Nas dificuldades da época para sua construção, nos desafios das doenças tropicais como a malária e febre amarela, no empenho de milhares de trabalhadores que se dedicaram à sua construção, que morreram longe de suas famílias... enfim, eu que não sou engenheira já nutria esse fascínio... pensem então no Julio, que é engenheiro mecânico? É claro que ele queria também ver de perto o funcionamento das comportas, o sistema das eclusas, a passagem do navio etc...

Bocas del Toro

Bocas del Toro

Então já tínhamos no Panamá o motivo principal, que era San Blás, mais outro super importante, que era o Canal do Panamá e, por fim, acrescentamos Bocas del Toro, outro lugar bem bacana no Panamá que faz parte dos principais destinos turísticos do país, aproveitando a oportunidade, a quantidade de dias e também porque eu sou do tipo que prefiro explorar ao máximo o que de interessante o país tem a me oferecer (dentro do possível) e não ter que voltar nele nem tão cedo. Não foi nenhum sacrifício colocar Bocas del Toro no roteiro, um vilarejo de palafitas coloridas, repleto de uma vibe bem jovial, leve e animada... simplesmente perfeito para relaxar!

Bocas del Toro

Bocas del Toro

Bocas del Toro

Por fim, Cuba: por que? Para começo de conversa, nossa vontade de conhecer o país tem absolutamente nada a ver com qualquer ideologia política, ok? Muito pelo contrário, eu sou uma consumidora quase compulsiva e adoro o capitalismo.

Havana

Havana

Havana

A questão vai muito além disso. Fato é que eu amo história e sempre achei todo o contexto da Revolução Cubana bastante interessante e intrigante o que ficou ainda mais aguçado após o belo filme do "Diário de Motocicleta". Acrescente-se a isso a atual conjuntura mais aberta do país aos turistas o que o torna, ao meu ver, mais atraente por deixar de ser um destino atrelado a necessariamente passar por perrengues ou situações complicadas de planejamento e logísitca. Em outras palavras, até pouco tempo atrás, era bem difícil visitar Cuba sem o apoio de agências de viagens, a não ser se sua veia aventureira fosse bem forte.

Havana

Contudo, hoje em dia é plenamente possível ir para o país sozinho, fazendo tudo por conta própria, suas reservas de hospedagens, de transfers, de voos... isso não significa necessariamente que está tudo uma beleza, uma maravilha de fácil! Não é isso... às vezes a gente esbarrava em uma ou outra dificuldade como no caso da reserva de hotel pelo Booking.com e seu formulário estranho que deveria ser preenchido rsrsrs... ou como foi no caso do voo interno entre Havana e Cayo Largo, com a companhia estatal cubana, em que é praticamente impossível fazer a compra diretamente com a empresa, precisando de uma agência de turismo - estatal - para te auxiliar. Pois bem, tirando alguns pormenores como estes e outros pequenos contratempos, de modo geral foi bem tranquilo e isso também acabou sendo um fator que contribuiu para finalmente visitarmos o país que é riquíssimo em história, em cultura e, acima de tudo, em belezas naturais caribenhas que em nada deixam a desejar outros destinos paradisíacos tão cobiçados quanto.

Em tempo real, durante a viagem, e logo após a viagem, nós postamos várias fotos, vídeos com muitas dicas e informações úteis para vocês no Instagram. Eu sei que nem todo mundo lê as legendas enooooormes que eu costumo fazer, mas agora elas ajudam bastante a montar o roteiro para vocês e ficam aqui para quem desejar dar aquela espiadinha por lá também, com mais infos bem legais para quem estiver em busca de inspiração para o seu próximo destino:

- Todas as dicas da viagem estão nesta tag #ApaixonadosPorViagensCaribe18

- As dicas específicas sobre o Panamá estão na tag #ApaixonadosPorViagensPanama18

- As dicas específicas sobre as Bahamas estão na tag #ApaixonadosporViagensBahamas18

- As dicas específicas sobre Cuba estão na tag #ApaixonadosPorViagensCuba18 

Sem mais delongas, vamos ao ROTEIRO:

24/02/18: Voo RJ - Panamá com Copa Airlines (voo direto - CM 872): partida às 1:30 da manhã, com chegada na Cidade do Panamá às 6:46 no aeroporto Tocumen

8 dias cheios de passeios no Panamá, distribuídos assim:  3 noites na Cidade do Panamá, 2 noites em Bocas del Toro e 3 noites em San Blás.

Apesar de termos ficado 3 noites na Cidade do Panama, na verdade só tivemos 1 dia cheio de passeio pela cidade e as demais noites que aproveitamos para jantar na cidade basicamente.

25/02: Ida para Bocas del Toro com a Air Panamá (Voo n. 682), saindo da Cidade do Panamá (Aeroporto Albrook) -> Bocas del Toro, às 9:00 e chegada em Bocas del Toro às 10:00, para aproveitar o primeiro dia quase inteiro. Hospedagem de 25 a 27 de Fevereiro (duas noites que equivaleram a 3 dias de passeios)

Bocas del Toro

Bocas del Toro

27/02 a 28/02: pernoite no Hotel Hilton Garden Inn Panama City, para fins logísticos de deslocamentos, usamos o hotel como base - expliquei melhor no post sobre o hotel - clique aqui.

28/02 a 03/03: San Blás. 3 noites na Isla Perro Chico, que equivaleram a 4 dias de passeios. Foi tudo organizado pelo Guia Panama.

San Blás

San Blás

03/03/18: Retorno de San Blás à Cidade do Panamá, com saída às 15h para o Hotel Hilton Garden Inn Panama City

Documentos Necessários: brasileiros não necessitam de visto para entrar no Panamá, mas é preciso apresentar passaporte válido com até 6 meses de antecedência em relação à data de expiração, no momento da entrada no país. Deve-se estar em dia também com o Certificado Internacional de Vacinação contra a Febre Amarela, lembrando que a vacina deve ser tomada ao menos 10 dias antes da viagem e que a última campanha realizada no Brasil, em 2017, distribuiu doses fracionadas da vacina que não estão sendo aceitas por diversos países. Se for esse o seu caso, se você tiver tomado a vacina em 2017 durante a campanha, certifique-se quanto à dose que lhe foi ministrada e busque junto aos órgãos competentes (ANVISA) a regularização para poder fazer sua viagem tranquilamente.

San Blás

Bocas del Toro

San Blás

Quando ir: com clima tropical, as temperaturas são altas no país e não variam muito ao longo do ano, com média em torno de 30ºC. Logo, prepare-se para sentir calor (se bem que nós, que moramos no Rio de Janeiro, já vivemos acostumados com isso rsrs). Porém, deve-se levar em consideração que se trata de um país onde chove muito também, especialmente em alguns destinos turísticos como Bocas del Toro. Nós já fomos sabendo disso e, apesar de em tese o mês de fevereiro e março serem os menos chuvos na região, sempre há riscos e, para comprovar a estatística, realmente pegamos chuva em Bocas del Toro num dia que estragou um pouquinho o passeio e apenas uns pingos bem cedinho, em uma manhã, em San Blás, que em nada nos prejudicou lá.

San Blás

Já na Cidade do Panamá, existem duas estações bem definidas: a seca e a de chuvas. A temporada de seca vai de meados de dezembro até março e a estação chuvosa começa em abril e vai até novembro, podendo, eventualmente, avançar até dezembro. Logo, se seu objetivo é evitar chuvas, busque os meses considerados mais secos, que são janeiro, fevereiro e março.

San Blás

San Blás

Fuso Horário: GMT -5. A diferença de fuso é de apenas 2 horas para menos em relação ao horário de Brasília (ou três horas durante o nosso horário de verão).

Onde se Hospedar no Panamá: 

Isla Perro Chico

Isla Perro Chico

. Cidade do Panamá: Hilton Garden Inn

. Bocas del Toro: Hostel Selina

. San Blás: Isla Perro Chico, tendo sido tudo organizado pelo casal Lili e Roque do Guia Panama

Bocas del Toro

San Blás

Isla Perro Chico - San Blás

04/03/18: Voo da Cidade do Panamá para Nassau (Bahamas), com a Copa Airlines (voo direto - CM 196) - 07:47 / 10:36 da manhã

No próprio dia 04/03/18, por medo de pegar um voo com intervalo curto para seguirmos direto par as Exumas, optei por passar algumas horas em Nassau e não correr o risco de perder o voo interno caso houvesse algum atraso. De Nassau para Exumas só havia voos pela manhã ou final da tarde. Dessa forma, para otimizar nosso passeio, fomos recebidos pelo Grand Hyatt Baha Mar Nassau, onde nos hospedamos depois, no final da nossa estada nas Bahamas. Neste primeiro momento, apenas curtimos a piscina do hotel que nos foi liberada (o hotel não oferece Day Use de piscina, mas todos são convidados para curtir suas instalações comuns, como o cassino, restaurantes, bares e praia... só as piscinas que são exclusivas para os hóspedes).

Voo com a Bahamas Air (UP 372), às 18h para Exuma (George Town), de 40 minutos de duração (previsão de chegada às 18:40 em Exuma). Alerta: Bahamas Air, apesar de ter aviões melhores, costuma atrasar e, na prática, isso foi infelizmente confirmado, com atraso superior a 1h.

Onde se Hospedar nas Bahamas: 

. Exumas: em Great Exuma, no hotel Augusta Bay Bahamas (de 04 a 09 de Março, num total de 5 noites)

Exumas

. Nassau: apenas 1 noite, de 09 a 10 de março, no Grand Hyatt Baha Mar

Nassau

Melhor Época: o período mais seco e sem riscos de furacão vai de novembro a abril. A temporada de furacões começa oficialmente em junho e vai até novembro.




Documentos Necessários: Brasileiros não precisam de visto para entrar nas Bahamas, mas sim passaporte válido e Certificado Internacional de vacinação contra a Febre Amarela.


Sobre as Exumas: arquipélago que pertence às Bahamas, cuja maior e principal ilha é a Great Exuma, seguida pela Little Exuma e diversas outras ilhotas e cayos. Great Exuma tem 60km de extensão, conserva ares rústicos, apesar de ser a que apresenta “melhor” infraestrutura, onde se localiza a capital George Town e o Aeroporto. Todavia, o lugar é bem pacato, beeem calmo, com poucas casas, pouco comércio, alguns hotéis e restaurantes. É um destino para descansar, para curtir uma natureza mais intacta, para se cansar de muitos tons de azul turquesa florescente!

Exumas

10 de Março: voo a partir de Nassau, operado pela Bahamas Air (Flight Number UP 211), com chegada em Havana às 12:15h, no aeroporto Jose Marti 


Havana

Havana

Pegamos um táxi e partimos para Varedero logo do aeroporto (foram cerca de 2 horas de viagem de carro, passando por uma estrada onde vale contemplar algumas vistas, como a da ponte). Contratamos o Motorista recomendado pelo site CubaCcommodation, site que usamos para reserva de uma hospedagem (mavelyn.cubaccommodation@gmail.com) que cobrou 90CUC para um carro novo, grande, confortável, para 2 pessoas. Esse valor é por trecho de transfer e 1CUC (a moeda cubana para os turistas) equivale a 1 euro mais ou menos. 

10 a 12 de Março: 2 noites em Varadero 

12 a 14 de Março: 2 noites em Havanna

14 de Março: ida para Cayo Largo em voo operado pela Aero Gaviota, comprado com a agência http://www.solwayscuba.com/ (214 euros ida e volta por pessoa, com transfer incluído) – duração do voo: 50 minutos, com serviço de bordo – como estávamos hospedados em uma casa de cubamos, agendamos o Pick up do transfer no Hotel Palacio San Miguel, que era próximo. Na véspera, no dia 13 de março, tivemos que fazer contato, a partir das 16h, para confirmar o horário do voo, que poderia ser às 5h da manhã ou às 17h. Infelizmente, porque eu estava contando em ir pela manhã para ganhar o dia em Cayo Largo, nosso voo foi no final do dia, atrasou bastante, tomamos um "chá de cadeira" no aeroporto e chegamos em Cayo Largo super tarde da noite, quase sem tempo para jantar. 

14 a 17 de Março: Cayo Largo (3 noites)

17 de Março: retorno para Havana. A mesma "lógica" da ida aplicou-se para a volta. Na véspera, tivemos que confirmar o horário do voo com a Aero Gaviota, com a representante da agência de turismo Solways Cuba. Dessa vez, voltamos no final do dia e ganhamos esse dia para passear. No total, tivemos 2 dias cheios e um pela metade para aproveitar Cayo Largo. Pela dificuldade que é para chegar lá, essa quantidade de dias tem que ser a mínima mesmo. Menos do que isso, na minha opinião, pelo preço que se paga no voo e por toda essa comunicação complicada e desencontrada, eu acho que não vale a pena.



17 a 18 de Março: 1 noite em Havana

18 de Março: retorno para o Rio com a Copa Airlines, saindo de Havana, fazendo uma conexão na Cidade do Panamá e voando direto, na sequência, para o RJ. Voos às 18:30 - CM 437 com previsão de chegada no Galeão/RJ às 06:50 da manhã do dia 19/03

Onde se Hospedar em Cuba:

. Havana: estivemos duas vezes e optamos pelas casas particulares de cubanos na Havana Vieja porque li que os hotéis eram bem decadentes e/ou exorbitantemente caros

- Casa Particular Missiones 51, cuja reserva foi feita pelo site CubaCcommodation, em suíte Executiva com varanda e banheiro privativo (endereço: Calle Misiones (Monserrate) n. 51, esquina com a Peña Pobre. Foram pagos na reserva 44€ e, depois, diretamente para o funcionário da casa mais 98€, em dinheiro – Total das 2 diárias: 142€ (café da manhã pago à parte + 5CUC por pessoa, por dia)


- Casa Alta Habana, em suíte dupla. Custou 70CUC a diária + 5CUC café da manhã por pessoa. A reserva foi feita diretamente pelo site da casa, http://www.casaaltahabana.com/ - Endereço: Calle San Ignacio e/ Sol y Muralla, Edificio 412, apto 2, La Habana Vieja. Nossos contatos foram o Romey - +53 53070220 e Anilka - +53 53967021.

Casa Alta Habana

Casa Alta Habana
Obs: A ideia de ficar em casas "particulares"- lembrando que o governo ou tem participação direta em tudo ou, por meio de cláusulas contratuais, pode tomar a propriedade quando bem entender - era justamente poder ter um contato mais autêntico, mais verdadeiro, mais próximo à realidade dos cubanos. Para ser bem sincera, na primeira hospedagem, que foi na Casa Missiones 51, nós só tivemos contato com os funcionários, mas foi ótimo para conversarmos bastante. Já na segunda hospedagem, na Casa Alta Habana, a gente pôde interagir mais com os proprietários, entender suas angústias e expectativas enquanto empreendedores dentro deste cenário de incertezas e abertura que o país vivencia. As casas estavam muito bem preparadas para receber os turistas. Os quartos tinham banheiros privativos. No final das contas, eu me senti em verdadeiros Guest Houses, sabe? E não me arrependi da minha escolha. Se eu voltar um dia, enquanto não houver muitas mudanças, seguirei preferindo hospedar-me nas casas em vez de ficar em hotéis, cuja falta de interação e um contato mais distante e frio não me interessam.

. Varadero: Meliá Las Americas . Trata-se de um All Inclusive, em uma das melhores praias de Varadero. Ficamos em um quarto classic com vista mar que custou no Total 680,40 USD. Varadero foi um destino para curtir o hotel, a praia na frente, as atividades oferecidas pelo hotel (caiaque, pedalinho, aulas de dança, de hidroginástica, passeio em barco... ) sem grandes preocupações em explorar os arredores. Basicamente, a escolha do hotel foi na linha de que ele se bastasse por si só para só ficarmos por lá mesmo, já que era um all inclusive e carinho.




Obs: a vantagem de fazer a reserva diretamente pelo site do Meliá é poder ter um desconto, além de tratamento VIP no check in, com direito a espumante e petiscos, com o cuidado de já terem feito as reservas nos restaurantes temáticos para nós.

. Cayo Largo: Hotel Pelicano, onde, dessa vez, foi melhor fazer a reserva pelo Booking porque havia um desconto bacana. Pegamos um quarto com vista mar e pagamos o total de US$707,61 



TOTAL DE DIAS EM CUBA: de 10 a 18 de Março, praticamente 9 dias inteiros 

Documentos necessários: Tarjeta de Turista (equivale ao Visto, custa 20USD e pode ser adquirido – comprado – no checkin da cia aérea ou via consulado). Exige Passaporte com validade mínima de 6 meses e Certificado Internacional da Vacina da Febre Amarela.


Observação: ao embarcar no Brasil, no check in com a Copa Airlines, já é bom perguntar sobre a Tarjeta de Turista para Cuba. Porém, no nosso caso, o GIG não tinha disponível quando perguntamos. Assim, logo que desembarcamos na Cidade do Panamá, no aeroporto de Tocumén, procuramos o quiosque de atendimento da Copa Airlines, explicamos que gostaríamos de pagar pelo visto para Cuba e simples assim obtivemos o mesmo. Não deixe para fazer isso quando chegar em Cuba!! Você poderá perder muito tempo e até pagar mais caro.

Lembrar de levar: itens de higiene, inclusive lenços de papel e medicamentos. Não sentimos falta do básico em nossas hospedagens que, de modo geral, ofereceram um kit de amenities de banheiro bem completo. Mas é bom se prevenir.

Melhor Época: fuja dos furacões. Oficialmente, a temporada vai de 1 de Junho a 30 de Novembro. Para terem ideia do histórico dos que mais abalaram a região nos últimos três anos, vejam só:

. Em 2017, o furacão Irma passou por lá em setembro e fez grandes estragos no Caribe, depois ainda vieram José e Maria (e eu sempre fico me perguntando quem tem a árdua tarefa de dar nomes aos furacões).

. Em 2016, foi a vez do Matthew que passou em outubro e deixou suas marcas também.

. Já em 2015, quando nós estávamos em Aruba e Curaçao, em outubro, passou o furacão Joaquim que também mexeu bastante com o clima no Caribe... portanto, não recomendamos o segundo semestre, em regra, de setembro a novembro que é a temporada mais crítica.




Já a temporada de chuvas vai de maio a outubro. E os meses mais quentes são: julho e agosto. O período seco vai de novembro a abril. Portanto, os melhores meses para ir são março, abril e maio, antes da temporada chuvosa e ainda não tão quente. Por isso resolvemos ir em março.

O que não pode faltar na sua bagagem:

Se considerar todo esse nosso roteiro, acho importante levar uma mochila à prova d'água, especialmente para San Blás, ou uma capa protetora, porque tende a molhar um pouquinho no deslocamento de barco até chegar na ilha onde será a sua casinha. Também facilitou muito a nossa vida termos uma mala dessas dobráveis, tipo bolsa, que é flexível e cabe dentro da mala "principal", pois foi essa mala-bolsa que usamos para San Blás porque lá é um esquema bem roots e cada um deve se virar com o que tem. 


Air Panama

Air Panama

Não vale a pena carregar mala de rodinha para lá, nem mesmo para Bocas del Toro, ainda mais se você for de avião com a Air Panama, em que a franquia de bagagem despachada é bem pequena, de 14kg por pessoa em uma bolsa apenas (para cada quilo excedido será cobrado $3,00).

Bocas del Toro

San Blás

Como estamos falando de um roteiro que envolve principalmente passeios de praia, eu recomendo sempre levar:

- um bom protetor solar (lembre-se de que o sol nesta região do Caribe queima bem)

Exumas

- roupas leves e fáceis de lavar (mas verifique a previsão do tempo para não ser surpreendido com frentes frias, como nós fomos nas Bahamas... por sorte, sempre carrego um casaquinho, jaqueta jeans, para usar também nos aeroportos e gosto de levar calças leves, o que me salvou nos primeiros dias nas Exumas porque o vento estava friozinho até a temperatura voltar ao normal para a época).

Grand Hyatt Baha Mar

- repelentes!! Super importante!! Não tivemos problemas em San Blás com mosquitos, porque fomos em uma época mais ventosa e escolhemos uma ilha - Isla Perro Chico - sem manancial, portanto, com baixa chance de ter mosquito. Mas tivemos problemas nas Exumas em um passeio para assistir ao pôr do sol (e esse é o momento mais crítico do dia), bem como, todo dia pela manhã, quando acordávamos cedo para ver o sol nascendo, éramos atacados por mosquitos quando esquecíamos de passar repelente. Os borrachudos de lá são bem sinistros. Logo, não se descuide e leve o seu.

Exumas

- papetes - sapatilhas de neoprene: confesso que usei muito pouco nesta viagem as papetes e achei que seriam mais úteis. Ainda assim, foram usadas em San Blás (para lá, é item super importante, ainda mais por causa dos mergulhos), um pouco nas Exumas e em Cayo Largo. De modo geral, eu colocava mais por precaução mesmo, para não me machucar nem cortar meu pé em alguma pedra ou ouriço. 

Cayo Largo

San Blás

- kit frescura: sempre carrego o meu com álcool em gel, lenços de papel e lenços umedecidos para limpeza. No caso específico de San Blás, deve levar também roupa de banho (obrigatoriamente) e roupa de banho (opcionalmente, caso não queira usar a roupa de cama oferecida pelos Kunas, que normalmente são mais simples e bem gastas), além do básico para banho como shampoo, sabonete, condicionador, hidratante etc


San Blás
- medicamentos: acho super importante também levar os seus, com os quais já está acostumado, além de levar as receitas médicas para remédios específicos que possa precisar tomar.

- acessórios para o mar/praia: câmera à prova d'água, GoPro, Dome, bolsa estanque para levar em passeios de barco e proteger seus equipamentos, toalha de praia, um casaco corta vento (neste caso em especial, ele fez muita falta nas Exumas por causa da frente fria).

- Drone: não levamos nesta viagem por três motivos principais 

1) sabíamos que seria uma época de ventos mais intensos e ainda estamos meio medrosos e apegados ao brinquedo relativamente novo, sem querer arriscar tanto voar e depois perder o aparelho por causa de rajadas de ventos fortes que poderiam derrubá-lo.

2) em Cuba não se entra com drone, se ele for identificado na sua bagagem. Ele fica "retido" no aeroporto, deve-se pagar uma "diária" pela guarda dele no aeroporto e, com muita sorte, quando você sai do país, você o recupera (mas também se não o recuperar, não tem muito o que fazer a não ser desapegar). É um risco e é de cada um levar ou não. Mesmo que levássemos e, se com sorte, não fosse identificado no aeroporto, não voaríamos em Cuba pelo simples fato de respeitar as regras locais e também pelo medo de sofrer penalidades mais sérias. Afinal, estamos falando de Cuba.

Havana

3) no Panamá e nas Bahamas é necessário pedir autorização de voo com drone, sendo que no Panamá o procedimento é mais simples, mas nas Bahamas é necessário pagar um caução para eventuais danos se forem causados. Além disso, vale destacar que em San Blás, apesar de pertencer ao Panamá, trata-se de uma região administrativa autônoma, regida pelas regras dos índios Kuna Yala, que proíbem o voo com drone em San Blás. Se você já viu foto ou vídeo feito com drone por lá, ou foi por que a pessoa fez de forma escondida ou por ter obtido autorização específica do dono da ilha em que estava hospedado (sim, lá em San Blás, cada família Kuna é dona de uma ilha e pode mandar e desmandar nela como bem entender).

Agradecimentos Finais:

Agora que vocês já têm aí em mãos o nosso Roteiro, vamos aos agradecimentos de nossos parceiros que tornaram nossa viagem ainda mais incrível!!

Nós contamos com o super apoio da April Seguro Viagem, que garantiu a nossa tranquilidade com uma ótima Cobertura de Seguro (até porque não sou doida de encarar porcos, iguanas, tubarões, arraias, barracudas sem um bom seguro, né?). 

Exumas

Aliás, vale destacar que é altamente recomendável viajar com Seguro Saúde em roteiros que envolvam passeios de aventura, barco, a possibilidade de nadar com tubarões, dentre outras atividades que possam apresentar algum mínimo risco à saúde e integridade física, isso sem contar a mera e simples questão da alimentação que, em se tratando de determinados países, pode causar reações como intoxicações, seja por ser um tipo de comida mais exótica e diferente que apenas “não caia bem”, seja pelo fato mais grave da falta de higiene no preparo que pode ocasionar um mal estar mais sério. 


Exumas

Exumas

Exumas

Por isso mesmo que nós resolvemos fazer essa viagem com um seguro de viagem propriamente dito e não com o seguro do cartão de crédito, especialmente por conta do país Cuba, onde nem sempre essas questões de cartão de crédito são bem aceitas.

Mas também recebemos uma ajuda incrível e um City Tour maravilhoso na Cidade do Panamá, feito pelo @GuiaPanama por quem temos uma gratidão enorme pela paciência em tirar todas as dúvidas, por ter organizando tudo em San Blás para a gente ter uma experiência inesquecível. 

Não poderiam ficar de fora os hotéis parceiros que nos acolheram com tanto carinho e ofereceram um serviço excelente em nossa estada:

- Hilton Garden Inn, na Cidade do Panamá 
- Grand Hyatt Baha Mar, em Nassau

Hilton Garden Inn

Por fim, mas não menos importante, agradeço pelo dia sensacional que a empresa Aquadisiac Adventures, em especial ao Edmond (aquadisiacadventures@gmail.com), que nos proporcionou nas Exumas com um passeio completo e repleto de emoções e superação de medo... foi muito 

O que eu faria diferente neste Roteiro:

Seria meio arrogante dizer que nada? Sério gente... e isso é bem raro na minha vida porque eu normalmente, depois que volto de uma viagem, fico pensando que teria sido melhor fazer "assim ou assado", mas desta vez, considerando o planejamento em cima da hora, considerando os lugares que visitamos, acho que deu tudo certo e voltamos com aquela sensação de missão cumprida, entendem?

Varadero

É claro que, se eu tivesse me programado melhor e tivesse comprado as passagens em novembro de 2017, quando decidimos fazer a viagem (mas nesta época ainda era a Jamaica no lugar das Bahamas), a gente provavelmente teria economizado nessa brincadeira algo como uns mil reais nas passagens aéreas. Porém, contudo, todavia, entretanto, pagamos o preço pela enrolação, mudança de roteiro e planos e vida que segue... 

San Blás

San Blás

Em termos de roteiro propriamente dito, de distribuição de dias, talvez eu tivesse colocado mais um dia em Cayo Largo para fazer nada rsrs... só descansar, principalmente por causa do estresse que é esse deslocamento interno de avião entre Havana e Cayo Largo, em que você só descobre na véspera o horário do voo. Mas isso não significa que o tempo que ficamos por lá tenha sido pouco. Apenas que, com um dia a mais, poderíamos ter ficado descansando ou até mesmo feito mais passeios porque havia mais a ser explorado que, infelizmente, não deu tempo para a gente. 

San Blás

Forçando bem a barra, acho que só isso mesmo que eu teria a ponderar do roteiro. É claro que há variáveis que fogem do nosso controle como o atraso do voo com a Air Bahamas, o chá de cadeira que levamos no aeroporto com a Air Gaivota na ida para Cayo Largo, o dia mais nublado e chuvoso que pegamos em Bocas del Toro (que já sabíamos tratar-se de um destino mais úmido e chuvoso mesmo), os ventos fortes e frio que pegamos nos primeiros dias nas Exumas em razão de uma frente fria doida que chegou do norte dos Estados Unidos e afetou bastante o clima nas Bahamas... 

San Blás

San Blás

San Blás


Enfim, tudo isso está fora do nosso controle, mas eu tinha margem de manobra, aquela gordurinha extra do roteiro para usar como carta na manga se houvesse imprevistos, como de fato aconteceram. Por isso não recomendo elaborar roteiros muito corridos, sem considerar essas questões que podem acabar te prejudicando em efeito dominó, como o atraso de um voo que possa te fazer perder outro na sequência, sabe? Vale sempre pensar nessas possibilidades e trabalhar com um roteiro minimamente flexível ou ao menos que te permita ter a chance de fazer alguma alteração emergencial. 

Feitas todas essas considerações, agora aguardem os próximos posts sobre cada lugar em que estivemos!!




Nenhum comentário:

Postar um comentário