terça-feira, 22 de agosto de 2017

Cenas Cariocas... alguns cliques pela cidade!

Eu sei que cariocas não têm tantos motivos assim para celebrar a cidade, com grande otimismo e alegria diante da situação triste que enfrentamos, envolvendo um verdadeiro colapso na segurança pública, crise em setores essenciais e de base de qualquer sociedade, como saúde e educação e, nos últimos tempos, a gota d'água vem sendo o drama enfrentado por servidores públicos do Estado do Rio de Janeiro, especialmente pensionistas e aposentados, com remunerações atrasadas, sem reajustes salariais há tempos, obrigados a se virar do jeito que conseguem, recebendo até mesmo doações, como cestas básicas, em situação humilhante, enquanto acompanhamos os diversos escândalos de corrupção que transbordam do executivo e já atingiram o Tribunal de Contas, o Judiciário, o Ministério Público, dentre outros órgãos participantes de esquemas que só fizeram afundar o nosso estado.



Tudo isso reflete-se muito na dinâmica da vida da Cidade outrora conhecida como Maravilhosa. É triste demais morar em uma das cidades mais famosas do mundo, mais aclamadas, mais reconhecidas, mais buscadas por turistas e ter que muitas vezes viver em conflitos, amando e odiando morar aqui. Para quem tem família, amigos e emprego, como é o nosso caso, fica menos complicado. Não estamos sozinhos e temos o apoio de pessoas que amamos por perto, além de termos uma vida já organizada aqui. Só que isso nem sempre basta por si só. A gente quer e merece mais, certo? Por que não sonhar em ter a cidade um dia livre desse caos urbano que já alcança índices alarmantes de uma quase guerra civil que nos cerca? Não dá para se acostumar com uma realidade dessas e fingir que está tudo bem quando não está.

Bem, foi um desabafo porque eu realmente sei que aproveito o blog sempre para divulgar coisas bem legais que acontecem aqui no Rio de Janeiro e muita gente me procura para perguntar se eu realmente gosto de morar aqui, de verdade. Sim, eu gosto. Infelizmente, já me acostumei com essa rotina que revez medo e alegria. Acho que a cidade é sim bombardeada pela mídia que acaba até esquecendo de mostrar a realidade de outras capitais brasileiras que enfrentam situações igualmente tristes e preocupantes. A violência não está somente aqui. É uma crise endêmica do Brasil. Tenho amigos de Porto Alegre que dizem que aqui no Rio de Janeiro ainda é melhor do que lá, onde as pessoas mal saem de suas próprias casas por medo. Tenho amigos que moram em algumas capitais do nordeste, como Fortaleza, Recife e Maceió que também relatam seus medos e problemas que enfrentam nas rotinas. Isso sem contar São Paulo, que, talvez em números, guardadas as devidas proporções, deve ter índices de violência até piores. Em todo caso, isso não quer dizer que a situação do Rio de Janeiro esteja boa. Se estivesse, o Exército não precisaria estar aqui agora nas ruas, certo? Mas sim que não estamos sozinhos.


Antes que vocês deixem de ler o resto rsrsrsrs... sem mais delongas, porque esse post é um mix de desabafo e também de informações sobre a cidade, o que pretendo é dizer que eu ainda gosto muito de morar aqui, de curtir o que a cidade tem a oferecer de bom, as inúmeras possibilidades de passeios, programas durante a semana e final de semana... é uma cidade que ainda ferve em eventos culturais, festas, inaugurações de restaurantes, passeios... enfim, o que é bom é realmente bem gostoso de viver e curtir. E o que é ruim, a gente tenta se virar nos trinta para sobreviver. Agora, a grande diferença hoje em mim é que, se antes, no passado, eu sequer vislumbrava a possibilidade de ir embora da cidade (a não ser que eu passasse em um bom concurso público, durante a minha fase concurseira), hoje em dia esse tema não está tão distante assim e eu já o considero com muito carinho. Não descartaria uma boa oportunidade de morar fora daqui se fosse para um lugar legal, com boa infraestrutura, de preferência com praia rsrs...


Então, agora sim, algumas Cenas Cariocas para vocês, de cliques que às vezes, em minhas andanças pela cidade, eu me pego contemplando uma paisagem, um edifício e não resisto a fazer um registro, com cuidado para não ser roubada rsrs... aaaahhhh, mas essa é ainda uma das vantagens de morar no Rio, pois aqui a gente consegue se virar razoavelmente bem com o transporte público, com metrô, ônibus, táxi, uber, cabify, dentre outros e não sentimos falta de carro no nosso dia a dia, ao menos para quem mora na Zona Sul da cidade, não ter carro não é algo que cause impacto em nossa rotina, pois realmente não faz falta.

Mas antes, se eu não tiver desanimado vocês a visitarem o Rio (e eu espero que não... a minha intenção não é essa e sim apenas mostrar um pouco do lado de quem mora aqui e como lidamos com isso), vejam aqui alguns posts sobre a cidade:

. LISTA DOS LUGARES E PASSEIOS QUE MAIS AMAMOS

. MINI GUIA DO RIO DE JANEIRO

. GUIA DE TRILHAS

- Aterro do Flamengo: outro dia mesmo eu estava assistindo ao filme "Flores Raras", em que a Glória Pires interpreta a arquiteta Lota de Macedo Soares, idealizadora do Parque do Aterro do Flamengo e achei bem curioso mostrar esse lado da construção do parque, que realmente foi feito em cima de aterros sucessivos na Baía de Guanabara.




O parque estende-se desde o Aeroporto Santos Dumont, em uma ponta, já no Centro, até o início da Praia de Botafogo, na Zona Sul. Na sua projeção para o bairro da Gloria, está o MAM, o Museu de Arte Moderna, o Monumento aos Mortos da II Guerra Mundial que é mais conhecido como Monumento aos Pracinhas, a Marina da Glória que sedia muitos eventos e festas, o Memorial Getúlio Vargas, a casa de shows Vivo Rio... dentre outros. A segunda parte do Aterro é separada desta primeira por um quebra-mar, projetando-se para o bairro do Flamengo, onde se pode encontrar um verdadeiro complexo destino ao lazer, com quadras poliesportivas, como de tênis, basquete, futebol, há também o Museu Carmen Miranda, a Praia do Flamengo e é essa parque é propriamente o Parque do Flamengo, inaugurado em 1965, com 1.200.000m², com o objetivo urbanístico de articular melhor o tráfego entre as zonas sul, centro e norte da cidade.


Eu acho essa área do Aterro do Flamengo ótima para caminhar, principalmente aos domingos e feriados, em que a pista da orla mais próxima ao mar ficar fica fechada para os carros ao longo do dia - das 7h às 18h (e das 7h às 19h no horário de verão). Você vai encontrar de um tudo por lá, desde crianças, famílias, adultos jogando bola, pessoas pedalando, correndo... o lugar é realmente um convite para a prática de esportes.




Há treinos funcionais na praia, há quiosques que vendem snacks e bebidas, tem muita gente treinando slackline, há muitas competições por lá, como meia maratona, maratona inteira, há pranchas de SUP para alugar e treinar... eu não curto mergulhar na Praia do Flamengo porque normalmente ela não é considerada própria para banho. Porém, vejo muita gente que entra e que nunca teve nem frieira para reclamar kkkk...



Dica: atenção com seus pertences. Não ande com objetos de valor à mostra. Busque caminhar em grupos ou acompanhado. Evite o Aterro do Flamengo à noite, principalmente se estiver sozinho.


- Monumento aos Pracinhas

Trata-se de um Monumento composto por um Mausoléu e Museu que pode até passar despercebido por alguns, mas é algo bem sensível que foi construído em homenagem aos Mortos da Segunda Guerra Mundial, entre 1957 e 1959, popularmente conhecido como Monumento aos Pracinhas, localizado no parque Eduardo Gomes, idealizado pelo marechal João Baptista Mascarenhas de Moraes, que foi o comandante da Força Expedicionária Brasileira (FEB), para receber os restos mortais dos 462 corpos de soldados brasileiros mortos na Itália, que foram exumados no cemitério brasileiro na cidade de Pistoia.


Curiosidade: Uma das urnas trazidas da Itália não foi identificada e passou a simbolizar o "Soldado Desconhecido". A troca da Guarda ocorre às 10:00h do primeiro domingo dos meses de junho, agosto e outubro. Já nos demais meses, ocorre na primeira sexta-feira. Nessa oportunidade a Força Armada que durante um mês guardou o monumento, é substituída por outra, num rodízio entre o Exército, a Marinha e a Aeronáutica.

- Theatro Municipal

A Cinelândia, ao meu ver, é um dos lugares mais charmosos do centro do Rio de Janeiro. Com acesso fácil de metrô (linha 1, estação Cinelândia), ao descer na praça, o visitante já vai se deparar com alguns dos mais belos edifícios da cidade e poderá deslumbrar-se com o prédio do Theatro Municipal. 

A praça Cinelândia, nome popular dado a Praça Floriano, que ocupa parte do antigo Convento da Ajuda que foi demolido na primeira década do século XX, localizada junto à Avenida Rio Branco, está cercada por prédios históricos, como a Biblioteca Nacional, Câmara Municipal, o Centro Cultural da Justiça Federal, Theatro Municipal, Museu Nacional de Belas Artes, cinema Odeon, Amarelinho (Edifício Wolfgang Amadeus Mozart), entre outros atrativos. Em seu centro está um monumento em homenagem ao Marechal Floriano.


Uma das maiores lástimas na história desta região foi a demolição do belíssimo Palácio Monroe, antiga sede do Supremo Tribunal Federal, por motivos pouco esclarecedores. 

O nome Cinelândia popularizou-se na década de 30 devido a inúmeros bares, boates, restaurantes e teatros que foram instalados na região, tornando-a famosa, muito movimentada por artistas, isso sem contar os cinemas!!

Já o Theatro Municipal do Rio de Janeiro, um dos mais importantes teatros brasileiros, http://www.theatromunicipal.rj.gov.br/ , inaugurado em 1909 a partir do projeto de Francisco de Oliveira Passos (filho do prefeito Francisco Pereira Passos), que contou com a ajuda do francês Albert Guilbert, com um desenho inspirado na Ópera de Paris, passou por uma grande reforma que levou a uma reinauguração ocorrida em 27 de maio de 2010. 



Esse encantador prédio, em suas origens, fez parte do conjunto arquitetônico de obras de Reurbanização da Cidade do Rio de Janeiro, promovido pelo então prefeito Pereira Passos, que à época, do início do século XX, desafiava os arquitetos e engenheiros com abertura de avenidas, tais como a Avenida Central, atual Rio Branco, inspirado nos boulevards parisienses. 

Vale a pena verificar a programação e assistir ao menos a uma apresentação seja do que for... recentemente estive de volta ao Theatro para ver o espetáculo "Cão sem Plumas" do grupo de balé moderno sob o comando da Deborah Colker - http://www.ciadeborahcolker.com.br/

Curiosidade: apesar do nome, o Theatro Municipal não pertence ao município do Rio, mas sim encontra-se vinculado ao Estado do Rio de Janeiro e é dirigido pela Fundação Teatro Municipal do Rio de Janeiro.

- Palácio Pedro Ernesto 

Não é bem o lugar mais apreciado pelas pessoas, pois, afinal de contas, esse palácio é a sede da Câmara Municipal e nossos vereadores não são assim grandes exemplos de representantes do povo. Mas atendo-me apenas ao seu edifício, vale dizer que o Palácio Pedro Ernesto não tem culpa de nada rsrs...

O prédio, construído entre 1919 e 1923, seguindo um estilo arquitetônico do ecletismo, pois mistura elementos das concepções dos estilos neoclássicos denominados Luís XIV e Luís XV, que também inspiraram a Ala Lescot do Louvre, vem sendo testemunha de muitos protestos políticos, comícios, manifestações e passeatas desde o início do século XX. Inaugurado em 1923 desde de quanto serve como sede da Câmara Municipal. Recebeu o apelido de "Gaiola de Ouro" devido o custo alto de suas obras que foi mais de duas vezes maior do que o valor gasto nas obras do Theatro Municipal.


Curiosidade: a Câmara Municipal do Rio de janeiro foi fundada junto com a cidade, em 1565, quando era formada apenas por um procurador e um juiz. Após a Proclamação da República, a cidade passou a ser o Distrito Federal e a Câmara foi dissolvida e instituído o Conselho de Intendência Municipal e assim manteve-se, como câmara municipal do Distrito Federal até a transferência da capital federal para a cidade de Brasília e a criação do estado da Guanabara em 1960. Recuperou o status de Câmara Municipal quando da fusão daquele com o do Rio de Janeiro em 1975.

- Biblioteca Nacional

Outro imponente edifício no entorno da Cinelândia, a Biblioteca Nacional do Brasil, cujo nome oficial institucional é Fundação Biblioteca Nacional, foi considerada pela UNESCO como a sétima maior biblioteca nacional do mundo e a maior da América Latina. Seu acervo conta com mais de oito milhões de peças que teve início com a chegada da Real Biblioteca de Portugal ao Brasil com a vinda da família real que trouxe pelo menos 60 mil peças dentre livros e documentos da Real Biblioteca da Ajuda, de Lisboa.


Curiosidade: até 1814, somente estudiosos poderiam utilizar a biblioteca para consulta, mediante autorização. A partir desta data que o acesso foi liberado ao público.

A construção do seu atual edifício teve início em 1905, sendo inaugurado em 1910, com projeto assinado por Sousa Aguiar, composto por elementos neoclássicos e art nouveau.

Vale muito a pena entrar e tentar fazer a sua visita guiada ou ter acesso aos livros. Para tanto, há horários específicos que você poderá consultar neste site: https://www.bn.gov.br/visite

- Paço Imperial

Outro cantinho que nos leva a uma viagem no tempo para um Brasil ainda colônia é o Paço Imperial. Trata-se de um edifício colonial localizado na atual Praça XV de Novembro, no centro histórico da cidade, com acesso pela Avenida Primeiro de Março (estação de metrô mais próxima é a Carioca, a 9 minutos a pé, mas a estação de metrô Uruguaiana está perto também, a 12 minutos, além do VLT, que deixa perto da mesma forma).


Sua história começou no ano de 1738, quando começou a sua construção, no antigo Largo do Carmo, com o objetivo de servir como residência dos governadores da Capitania do Rio de Janeiro. Foi inaugurado em 1743 e, com o passar do tempo, a partir da transferência da sede do Vice-Reino do Brasil de Salvador para o Rio de Janeiro, a Casa dos Governadores foi transformada em casa de despachos, sucessivamente, do Vice-Rei do Brasil, do Rei de Portugal Dom João VI e dos imperadores do Brasil. Recebeu esse nome após a independência do Brasil, também conhecido como Paço do Rio de Janeiro.

Curiosidade: foi no Paço Imperial, no dia 9 de janeiro de 1822, que Dom Pedro I decidiu ficar no Brasil e não regressar a Portugal - Dia do Fico. Bem como foi numa das salas do Paço onde a Princesa Isabel assinou, no dia 13 de maio de 1988, a Lei Áurea, com o fim da escravatura no Brasil.

Atualmente, o Paço Imperial funciona como centro cultural de grande importância histórica e estética, além de ser considerado o mais importante dos edifícios civis coloniais do Brasil. Há um a biblioteca de arte e arquitetura, várias lojas como livraria e um restaurante dentro dele que vale a visita.

- Candelária

Icônica igreja católica do Centro Histórico carioca, sendo um dos principais monumentos religiosos da cidade, a Candelária tem uma curiosidade: reparem que ela é virada no sentido oposto ao da enorme avenida - Presidente Vargas - que se inicia a partir dela. Sabe por que? Porque ela era virada para o mar! Mas, calma aí... que mar? Sim... ali existia o mar, muito antigamente, antes das diversas obras de aterro que ocorreram no início do século XX, principalmente durante o governo de Pereira Passos, e como essa era a via principal de chegada na cidade, era para lá que ela estava voltada.


Sua construção iniciou-se no século XVII, numa versão bem pequena a pedidos de um casal sobrevivente de uma tempestade que quase afundou seu navio, chamado de Candelária. Pagando sua promessa, se sobrevivesse, o casal mandou edificar a pequena igreja. Com o passar dos anos e séculos, recebeu diversas obras de reformas e ampliações, até chegar na arquitetura que conhecemos hoje em dia. Os altares do seu interior foram esculpidos pelo Mestre Valentim, o grande artista do estilo rococó do Rio de Janeiro, mas foram lamentavelmente substituídos nas reformas posteriores.

- Arcos da Lapa e Bairro da Lapa

O Aqueduto Carioca, popularmente conhecido como Arcos da Lapa, está na região da Lapa, centro do Rio de Janeiro. Considerado como uma das obras de engenharia de maior porte feita no Brasil Colonial, é hoje um símbolo representativo do Rio Antigo, preservado na região boêmia da Lapa.


Iniciativas para levar águas do Rio Carioca, do alto de Santa Teresa, para a cidade baixa datam do século XVII. Construído em 1723,  em estilo românico, com 42 arcos que ligam o bairro de Santa Teresa até o Morro de Santo Antônio, os Arcos da Lapa funcionaram como aqueduto até 1896, quando passou a funcionar como viaduto para bondes de ferro para acessar o alto do bairro de Santa Teresa.



E junto aos Arcos fica a Lapa, famoso bairro boêmio carioca onde já residiram Machado de Assis, Manuel Bandeira, Villa-Lobos, Jorge Amado, entre outros ilustres e célebres expoentes da cultura brasileira.

Revitalizado nas últimas décadas, a partir de campanhas como "Eu sou da Lapa", repleto de prédios históricos e tombados como patrimônio público, o bairro da Lapa, antes somente associado à boemia e a figuras pitorescas como Madame Satã, agora passa a receber diversos investimentos imobiliários pela proximidade com empresas e instituições públicas que se encontram em seus arredores, e, com isso, caiu no gosto popular e voltou a conquistar inúmeros turistas!!


Muito embora questões relacionadas à segurança, prostituição e moradores de rua ainda não estejam superadas, o bairro está sempre movimentado. Contudo, é bom caminhar pelas ruas do Arco e da Lapa com cuidado e atenção, especialmente à noite.

- Lagoa Rodrigo de Freitas

Outro clássico cartão postal carioca é a Lagoa Rodrigo de Freitas, conhecido como coração do Rio de Janeiro, devido ao seu formato (que pode ser visto assim do alto de trilhas como a do Dois Irmãos) lugar que seria absolutamente perfeito para curtir um pôr do sol, fazer um  piquenique, pedalar, correr, caminhar, andar de pedalinho e relaxar se vivêssemos em uma cidade absolutamente segura.

Infelizmente, essa não é a nossa realidade, mas nem por isso desistimos e sempre encontraremos a Lagoa bem movimentada de pessoas fazendo exatamente tudo o que eu mencionei acima. Dois são os pontos principais para curtir o entorno da lagoa: as imediações do Parque do Cantagalo, onde há parque de diversões, área para piquenique, de onde saem os pedalinhos em formato de cisnes para passear pela lagoa, onde  há decks para curtir o pôr do sol bebendo um bom vinho, onde muita gente também aproveita a infraestrutura dos restaurantes instalados nos quiosques... enfim, esse é um lugar bem gostos para curtir. O outro ponto de referência para passear na Lagoa é o Parque dos Patins, que não tem esse nome a toa, tendo em vista que ainda é uma região bastante utilizada pelos que gostam de se aventurar em cima de duas rodas, como patins e skates.



Acessando pelo Parque dos Patins, também encontrará quiosques e restaurantes, bem como outras áreas de lazer e decks.

Sobre a Lagoa Rodrigo de Freitas em si, vale lembrar que ela é uma lagoa de água salobra, alimentada por rios em maioria canalizados. Nela há duas ilhotas, uma na margem oeste que abriga o Clube Naval Piraquê e outra na margem sul, onde está o Clube dos Caiçaras, que fica na Ilha de Caiçaras, formada a partir da aglomeração das terras que foram retiradas da obra de abertura de um canal, através da dragagem, para interligar a Lagoa ao mar e minimizar os problemas da renovação das suas águas, que já era sentido no início do século XX.

Era inicialmente habitada pelos índios Tamoios que a chamavam de Piraguá, os quais foram expulsos pelos portugueses. Já foi sede de um moinho de cana de açúcar e recebeu esse nome em homenagem ao oficial de cavalaria portuguesa, Rodrigo de Freitas de Carvalho, que se casou com Petronilha Fagundes, bisneta de Sebastião Fagundes Varela, latifundiário que, por aquisição e invasão, no século XVII, chegou a ser proprietário de toda a região da Lagoa, bem como de terras que se estendiam do Humaitá até o Leblon.

Aterros feitos às margens da Lagoa fizeram surgir o Jockey Club Brasileiro, o Jardim de Alá e a própria Ilha do Piraquê.


Hoje em dia, como dito no início, a Lagoa é bastante frequentada e há quem se arrisque a praticar esportes na água, com barcos a vela, paragliding... enfim, esportes que eu não teria coragem de treinar por medo da poluição da água. A lagoa é vítima de um problema crônico de mortandade de peixes, causado pela proliferação de algas que consomem o oxigênio nas águas.



Nenhum comentário:

Postar um comentário