sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Montreal: Turismo - Parte 3

Em meu terceiro dia de passeios em Montreal (veja aqui o primeiro e o segundo dias), dediquei-me a fazer uma caminhada mais contemplativa.

Agora era a vez de explorar um pouco o bairro onde eu estava hospedada - Bairro Latino - e seguir em direção a Mount Royal.

Comecei pelo coração do bairro, a Rue Saint-Denis, onde há uma enorme concentração de bares/pubs/restaurantes/lanchonetes/cafés/sorveterias, entre outros. 

Então fui seguindo pela Rue Sain-Denis, sentido norte-Mount Royal:




Entrei na Rue des Pins, ainda seguindo em direção ao Mount Royal e à Universidade McGuill, passando por uma espécie de QG de Fuzileiros



Ainda na rue des Pins, de longe já se avistava alguns dos campus da grande Universidade McGuill. Dava até para ouvir música do lado de fora... parecia que estava rolando alguma festa!! A época era de férias escolares - verão - mas, de repente, havia alguma festa ou comemoração lá dentro... Não entrei para conferir...


Virei na Avenue du Parc para finalmente começar a caminhada por Mount Royal.

Mont Royal (em francês) é, na verdade, quase uma colina, uma pequena montanha, que reúne três picos principais: Colline de la Croix, Colline d'Outremont e Westmount. Aos curiosos, saibam que o primeiro europeu a escalar a montanha foi Jacques Cartier (aquele mesmo da praça) em 1535.

Já o Parc du Mont Royal, uma das maiores paisagens verdes dentro da cidade, repleto de trilhas, dois belvederes (lugares para uma ótima visão panorâmica da cidade), Beaver Lake (lago artificial), Chalet Mont Royal, Casa Smith (um centro cultural), cemitérios, entre outros.


Era tão fofo ver esses ônibus escolares por toda a província de Quebec!!! Aliás, esse ônibus é praticamente um símbolo do lugar, ao ponto de haver miniaturas que são vendidas como souvenirs!!


Iniciando o passeio por Mont Royal, passeio por esse monumento: Sir George-Étienne Cartier. É nesse lugar que, no verão, alguns locais reúnem-se para praticar o Tam-Tam, que envolve atividades voltadas para dança e com batuques e tambores, aos domingos, por volta das 13:00. Parece ser uma grande festa!! Mas, não era domingo... aliás, domingo foi meu dia de despedida de Montreal, rumo a Quebec City.

Monumento Sr George-Étienne Cartier

Caminhando pelo Chemin Olmstead: muito verde, ciclistas, corredores, pessoas caminhando, crianças... muitas placas!!



Cheguei no Chalet Mont-Royal e no Belvedere Kondiaronk, de onde se tem uma bela visão panorâmica da cidade!!!

Se você estiver de carro, pode seguir pelo Boulevard Camillien-Houde que conta alguns estacionamentos.

Dentro do Chalet Mont-Royal, há uma lanchonete, banheiros (limpinhos e organizados) e bebedouros com água super gelada!! 

Aliás, em alguns pontos das trilhas e caminhos que cortam o Parc du Mont-Royal, vez ou outra aparecia um bebedouro, que mais parecia uma fonte de água natural. Bacana, né?

E o mais legal era sempre encontrar pelos caminhos vários esquilos!! Alguns bem espertinhos, viu?? Doidos para que jogássemos algo para comerem!! Danados!! De modo geral, achei o esquilo um bichinho simpático, nada hostil... mas também não fiz grandes ousadias além de observar e fotografar!! hehehehe... 

Chalet du Mont Royal

Grande Pátio na colina

Visão panorâmica de Montreal

Universidade McGill, aos pés de Mont Royal

Pont Jacques-Cartier



Apontando para o Museu de Belas Artes

Chalet du Mont Royal



Casa Smith - centro cultural

Um dos lugares mais calmos em que estive em Montreal foi o Lago do Castor - Beaver Lake. Trata-se de um lago artificial, muito bonito, cercado de bancos, cadeiras, mesas, áreas cobertas com árvores... ideal para um piquenique!!



Então, já terminando meu passeio pelo Parc du Mont Royal, vou saindo dele, passando por alguns cemitérios, em direção ao Oratório São José. E haja pés!!! Na boa... se eu soubesse que caminharia tanto, teria levado um tênis... só depois, vendo no mapa, é que tive real noção de tudo percorri a pé!! hehehehe... Ou melhor ainda, teria economizado meus pés e andado mais de metrô (essa minha mania de fazer o máximo que posso a pé para contemplar as paisagens.. .ai ai ai ... tadinhos dos meus pés!!).

Cemitério

Entrada de um dos cemitérios


O Oratório de São José é uma enorme e encantadora basílica católica. Fica na ladeira norte de Mont Royal e teve sua construção iniciada em 1904, quando ainda era uma pequena capela. Foi completamente finalizada, do jeito que vemos hoje, em 1967.

Detalhe básico: sua cúpula (duomo) é o segundo maior do tipo existente no mundo!! E só perde para a cúpula da Basílica de São Pedro, no Vaticano!! Além disso, o Oratório de São José é a maior igreja de todo o Canadá. Sim... eu estive lá e digo que é grande mesmo, com vários andares, com pelo menos duas grandes Igrejas dentro dela (é uma ideia estranha, mas é isso mesmo: uma Igreja em cima e outra Igreja, com altar e decoração bem diferenciada, embaixo). 

No seu interior, há acessos com escada rolante e elevadores. Ou seja, a acessibilidade é grande!! Também vi uma van fazendo transporte de pessoas que chegam pelo portão principal, de frente para o Oratório. 

Mas, para quem quiser subir seus vários degraus e ir aos poucos admirando a paisagem que se desponta, é uma ótima ideia também. Bom para pagar suas promessas!! Imaginem só que mais de 2 milhões de turistas e peregrinos visitam o Oratório todo ano!!

Um lugar de muita paz, com lindos jardins do lado de fora, onde, com certeza, a espiritualidade está presente. Recomendo a visita!



Vista do Oratório São José

Subindo os degraus... MUITOS DEGRAUS!!

Interior da Basílica

Interior da Igreja
Ahhhh.... como ninguém é de ferro - NEM EU - já com os pés latejando de dor, fui obrigada a parar para uma pausa, em uma delicatessen/café próxima ao Oratório São José, onde fiz um lanchinho super gostoso: quiche e café gelado!! Chama-se Café Dépôt!! 

Aí não tinha mais jeito de seguir o passeio até o Museu de Belas Artes, a não ser de metrô!! 

Peguei o metrô na estação Côte-des-Neiges e desci na estação Guy-Concordia, a mais próxima do Museu de Belas Artes.

O Museu de Belas Artes fica na Rue Sherbrooke, quase na esquina com a Rue Crescent (aquela rua que já disse que concentra vários pubs/bares/restaurantes/sorveterias/delicatessens/lanchonetes e me pareceu muito animada... li ótimas referências sobre essa rua e seu agito noturno!!).

Para as coleções do museu e algumas exibições permanentes, a entrada era gratuita - OBA!! 

Só que, como o horário de funcionamento era até às 17:00, e como passei o dia inteiro batendo perna, já estava perto de fechar.... Tive, no máximo, uns 40 minutos para andar no prédio principal. Ah sim... não posso esquecer de dizer que são uns 3 edifícios (se entendi direito), conectados pelo subterrâneo, por meio de escadas rolantes e elevadores... ou, simplesmente, pelas ruas, do lado de fora.

Eles disponibilizam audio guide e mapas explicativos sobre como conhecer o museu, as galerias, as exposições... não dá para se perder!! Tudo bem fácil.




Rue Crescent

Rue Crescent
Depois dessa maratona, vocês acham que eu fiz o que???  Voltei para o hotel?? Descansei?? NÃÃÃÃÃOOOO!!!

Puxa, não tive culpa de o museu fechar tão rápido... como entrei na Rue Crescente, em direção à Rue Sainte Catherine, eu me vi obrigada a entrar em algumas lojas rsrsrs... sim, eu terminei o meu dia fazendo compras!!! Aí sim, depois das compras: hotel, banho, roupas limpas, pés fingindo não doer (estava doendo na minha alma!!) e jantarzinho!!! 

Calma porque ainda faltam 1 dia e meio de Montreal, combinado??? rsrs... 

Nenhum comentário:

Postar um comentário