quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Montreal: Turismo - Parte 2

No meu segundo dia (veja o primeiro dia aqui) em Montreal, cidade que me encantou logo de cara, eu me organizei para sair um pouco mais cedo do hotel (na verdade, eu dificilmente conseguia sair muito antes das 10:00, pois procurava tomar um bom café da manhã antes... ) e passar o dia inteiro no COMPLEXO OLÍMPICO (até onde fosse possível, considerando o horário de fechamento das atrações turísticas e também tendo em mente que o dia, por ser verão, era bem longo e só anoitecia por volta das 21:00).

O PARC OLYMPIQUE de Montreal, que sediou as Olimpíadas de 1976, cuja cerimônia foi oficialmente aberta pela Rainha da Inglaterra, e ainda teve a ex-União Soviética como grande medalhista no ranking (por curiosidade, a ex-USSR ficou em primeiro lugar, em segundo ficou a antiga República Democrática Alemã e, com o terceiro, ficaram os EUA), é composto por algumas atrações turísticas bem bacanas:

- Torre/Observatório de Montreal
- Jardim Botânico
- Insectarium
- Biodôme

Ou seja, tem muita coisa para ver, para andar dentro do Parque Olímpico... e nem estou considerando outras atrações, que não visitei, ou que vi rapidamente, como o estádio olímpico, a piscina olímpica, os quais, ainda nos dias de hoje, são usados... o Planetário... é quase uma mini-cidade olímpica!! Ou seja, vá com tempo porque há várias atrações!!

Então... com o meu super maneiro mapa de Montreal, da Folha de São Paulo, em mãos (esse mapa de Montreal, que coloca em cada folha um pedaço da cidade e aponta as principais atrações turísticas, é sensacional!! Uma amiga me emprestou e eu achei mil vezes melhor do que o mapa que o hotel em que me hospedei ofereceu) eu saí caminhando pelo Bairro Latino, em direção à Place des Arts, crente crente que o Parque Olímpico estaria próximo ao monte Mont Royal.

Pelo mapa, embora houvesse uma divisão diferente, em um primeiro momento, realmente achei que ficaria por ali... depois que olhei de forma mais detida e fui analisando rua a rua e seus prolongamentos que me dei conta de que o Parque Olímpico ficava a uma boa caminhada de Mont Royal... para mais de 40 quarteirões (mais ou menos). Portanto, não pensei duas vezes e fui andar pela primeira vez de metrô!!! - Aliás, diga-se de passagem, eu estava em uma direção totalmente errada mesmo!! rsrs...

Na verdade, eu já poderia ter pegado o metrô bem pertinho do hotel, na super estação Berri-Uqam... mas, como fui caminhando no sentido de Mont Royal, peguei o metrô na estação mais próxima da Place des Arts (momento em que me dei conta da confusão que fiz com o mapa...), estação Place des Arts.

Para ser muito sincera, não me lembro agora se fiz alguma baldeação... acho que consegui ir direto . Para maiores detalhes, basta acessar o mapa do metrô (pelo que vi agora no mapa, fui direto sim, pela linha verde, no sentido Honoré, e desci na estação Pie IX). Inclusive, em cada estação em que estive, havia um mapa bem explicado disponível para as pessoas levarem.

O que me chamou a atenção foram as tarifas do metrô (mesmo preço para ônibus) - 3CAD - dólares canadenses!!! E eu que reclamava da tarifa do metrô do Rio (hoje em dia, custa R$3,20 - detesto esses centavos quebrados... )... mas, se você está na chuva, é para se molhar!!! E é claro que o sistema de lá é muito mais eficiente.

Se você estiver disposto a andar muitas vezes de metrô em Montreal, a depender da localização do seu hotel e da sua mobilidade (já que o metrô de Montreal é muito eficiente e conecta a grande parte das atrações turísticas), considere comprar um Card. Na estação de metrô há explicações sobre esses cartões para múltiplas viagens, alguns com validade para somente um dia, outros para validade de semana ou mês. No site do metrô também há informações. Se estiver interessado no cartão do metrô, veja como funciona antes. Para alguns casos, talvez seja necessário ter uma foto pequena para fazer o cartão. Faça suas contas, porque esses cards são extremamente vantajosos!!

No meu caso, não compensava comprar um card desses e por isso comprei o unitário mesmo.

Então, lá fui eu de metrô, pela linha verde, sentido Honoré... desci na estação Pie IX, a primeira, seguindo por essa linha e no sentido Place des Arts-Honoré. Mas depois, na volta, percebi que a estação Viau ficava mais próxima da entrada. Chegar lá foi bem fácil.

Eu caminhei um bocadinho, assim que cheguei, pela estação, em um caminho subterrâneo, até finalmente chegar em algum lugar rsrs... Era um de semana - quinta-feira - de manhã, e estava tudo absolutamente vazio na estação de metrô onde desembarquei.





Logo que entrei no Parque Olímpico, avistei a Torre de Montreal. Mas, como passei na frente do Sports Centre, entrei para dar uma espiadinha... havia alguns atletas treinando na piscina e nos trampolins/saltos. 

Então, sem perder muito tempo, porque o dia não seria tão longo assim, em razão dos horários de funcionamento, fui para a Torre de Montreal que, além de ser um ótimo Observatório da cidade, é a MAIS ALTA TORRE INCLINADA DO MUNDO!! Com direito a registro no Livro Guinness!!! 





Existem alguns pacotes e ofertas interessantes que combinam entradas para mais de uma atração do Parque Olímpico. 

Eu optei por um bilhete que abrangia as seguintes atrações: Torre de Montreal, Biodôme, Jardim Botânico e Insectarium. Esse bilhete custou pouco mais de 40 dólares canadenses. Considerando o valor isolado de cada lugar, esse ingresso era uma ótima barganha!! E, como havia me programado para passar praticamente o dia todo por lá (até ser expulsa!! hahahaha...), fui em cheio nesse bilhete.

Então, comecei o dia pela Torre de Montreal, subindo por um elevador panorâmico, uma espécie de bondinho/funicular, devido à inclinação do Observatório.

A Torre tem 165 metros de altura e 45º de inclinação!! As paisagens, vistas de lá cima, são muito legais!! Dá para se ter uma bela noção da cidade e aprender a se localizar melhor: Mont Royal, o Rio São Lourenço, a Velha Montreal e o Vieux Port, a cúpula do Oratório de São José, o Jardim Botânico, especialmente o lago dos jardins chineses, a Biosfera e o Parque de Diversões La Ronde... ou seja, com um mínimo de conhecimento sobre a cidade, sobre os seus mapas e atrações turísticas, lá do alto da Torre é possível identificar a grande maioria e fotografar também!!!

É uma visita que vale a pena para quem curte essas visões mais panorâmicas... mas, é claro que não é uma atração em que se demore tanto. Lá dentro, no alto e embaixo, há algumas lojinhas de souvenirs com preços convidativos e com algumas coisinhas diferentes, até mais bonitinhas, do que as que eu vi depois nas lojas próximas à praça Jacques Cartier, na Velha Montreal.

O horário de funcionamento, de terça a domingo, é das 09:00 às 17:00. Às segundas, funciona somente de tarde. Aliás, se entendi direito, praticamente tudo por lá fecha às 17:00.

A melhor dica, para qualquer atração do Parque Olímpico, é: chegue cedo!!! Principalmente se for no verão, porque há centenas de excursões de colégios e várias crianças e adolescentes que, aos poucos, vão chegando e abarrotando os lugares.


Estádio Olímpico

Parque Olímpico - Jardim Botânico

Jardim Botânico - parte dedicada à China

Sports Centre

Rio São Lourenço

Mont Royal

Mont Royal e cúpula do Oratório São José

Rio São Lourenço

La Ronde + Biosphère

Tenda do Cirque du Soleil em Vieux Port

Parque de Diversões La Ronde + Biosphère

Observatório da Torre de Montreal

A Maior Torre Inclinada do Mundo, segundo o famoso livro de recordes, Guinness

A Torre de Montreal
Saindo da Torre de Montreal, fui para o que vi que estava mais perto: Biodôme.

Achei super interessante a proposta do Biodôme, a de recriar, com cenários, animais, sons, sensações, climatização, quatro ecossistemas das Américas!! 

Uma ideia bastante criativa, com espaços interativos, tudo muito bem organizado... ou seja, muito atraente para passear, conhecer, aprender um pouco mais sobre esse nosso magnífico planeta e, principalmente, para levar seus filhos, crianças ou adolescentes!! 

É um misto de zoológico com museu de história natural... um pouco difícil de explicar!! Por isso, tem que ir para tirar suas próprias conclusões!!

Eu gostei bastante, mas, já pela metade do passeio, comecei a ficar levemente incomodada com a quantidade crianças e adolescentes, nitidamente reunidos em grupos de excursões escolares, fazendo alguma algazarra, ou simplesmente entupindo os lugares de observação de animais. Nada muito estressante.. mas, como já disse, o ideal é chegar cedo e evitar tudo isso ao máximo, se você se importa com esses detalhes.

Você vai passar por uma típica Floresta Tropical, úmida e quente, com direito a araras, jacarés, flamingos, dentre outros animais... depois entrará em uma Floresta Laurenciana, típica da região canadense e foi uma pena eu  não ter conseguido ver o castor (acho que ele estava escondido!)... depois imergirá no Golfo de St. Lawrence, com direito a pinguins ... em seguida, aproximando-se do Ártico, chegará na Coast of Labrador, e mais pinguins pela frente...  e, por fim, depois de dar uma voltinha pelo Hemisfério Norte, termina o tour nas Ilhas Sub-Antárticas.

Lá dentro tem um café/lanchonete bem gostosinho para uma pausa!! E depois, mais chão pela frente... entre o Biodôme e o Insectarium, caminhei por cerca de 10 minutos (caminhada contemplativa, viu?).













Seguindo então meus passeios dentro do Parque Olímpico, eu fui conhecer o Insectarium. O bom de lá de dentro é que a Torre de Montreal acaba servindo como ótimo guia/ponto de referência. É possível avistá-la de praticamente todos os cantos.

Então... o que dizer sobre o Insectarium?? hahahahaha... quem me conhece bem sabe que eu não sou grande fã de insetos... aliás, registro logo que eu odeio formigas, por exemplo... sim! sim! ... frescura minha, TOC, tanto faz... só sei que esses bichinhos não me agradam... 

Portanto, tirando alguns painéis bem bacanas, algumas borboletas e abelhas, a minha passagem pelo Insectarium foi rápida. O lugar é interessante sim para poder conhecer melhor e aprender sobre a vida em comunidade desses seres. Aliás, a organização deles em sociedade, a hierarquia, a forma de trabalhar em conjunto é de admirar!!

O bacana do Insectarium é que existem guias/instrutores disponíveis para fornecer as explicações desejadas. Nem preciso dizer que eles são hiper educados, gentis e ficam loucos para ter alguém procurando informações!! hehehehe... 

Existem algumas atividades interativas, ótimas para os pequenos!!

Como o Insectarium fica praticamente acoplado, dentro do Jardim Botânico, de lá mesmo eu saí já caminhando pelo Jardim Botânico






Saindo do Insectarium, sem grandes esforços, lá estava eu no enooooorme Jardim Botânico de Montreal!!

Considerado um dos maiores e mais belos do mundo, elogios que não são em vão, o Jardim Botânico de Montreal realmente surpreende por tantos cenários que foram recriados, pela delicadeza e cuidado com as plantas, flores, árvores, lagos... é um verdadeiro encanto!!

Um ótimo lugar para descansar, para ler um livro, para tirar fotos, para ficar contemplando a paisagem e a natureza!!

Ah sim... tem que ter disposição para conseguir caminhar por todas as suas áreas!! E eu, que já estava bem cansadinha, peguei o mapa do Jardim Botânico e fui direto aos JARDINS que mais me interessavam. 

Os mais bonitos, na minha opinião, e considerando que não conseguir percorrer todo o Jardim Botânico, foram:

- Jardim Japonês
- Jardim Chinês
- Jardim Alpino
- Jardim das Rosas/Roseiral
- Jardim das Primeiras Nações

Pena é que o horário de funcionamento encerrava cedo, às 17:00!! Com um dia ainda claro, anoitecendo tarde, por volta das 21:00, seria perfeito se as atrações acompanhassem o ritmo de verão e fechassem mais tarde.

Gostei bastante dos jardins da recepção, especialmente as estufas e os cenários de cactos e plantas do deserto... bem se percebe que o serviço de manutenção do Jardim Botânico é impecável!! 

Aliás, uma outra dica bem legal que já não me lembro se registrei por aqui é o fato de que em Montreal, praticamente por quase todos os lugares turísticos onde estive, havia bebedouros disponíveis para hidratar!! Com o calor que fazia, em pleno verão, beber é importante!! Mas... podendo-se economizar uns dólares canadenses (preço médio da água de 500ml era uns 3 dólares canadenses), melhor ainda, não?


Bonsais do Pavilhão Japonês

Jardim Japonês



Jardim Alpino

Jardim Chinês




Jardins da Recepção - Estufas e Pavilhão dos Cactos

Edifício principal - Recepção do Jardim Botânico

Do lado de fora, Símbolo das Olimpíadas


Saindo do Parque Olímpico, peguei o metrô, na estação Viau e fui direto para o coração da Velha Montreal, descendo na estação Champ de Mars.

Essa estação Champ de Mars é a mais próxima da Prefeitura/Hotel de Ville e da Praça Jacques Cartier. E foi por lá que iniciei essa etapa de passeios, aproveitando ao máximo os raios solares e o dia ainda claro e lindo!

Caminhando pela Rue Saint Paul, fiquei encantada com os bistrôs, bares, delicatessens... não estava ainda com fome para parar e almoçar, mas o cheirinho no ar era hipnotizante!! 

A Capela de Notre Dame de Bonsecours, que fica muito perto do Mercado de Bonsecours, para minha tristeza estava fechada!! 

Entrei rapidamente no Mercado de Bonsecours, crente crente que iria encontrar um mercado com frutinhas, comidinhas, guloseimas quebequenses para eu experimentar, principalmente queijos e vinhos... mas dessa vez eu confundi tudo!!!

O Marché de Bonsecours, na verdade, trata-se de uma galeria com boutiques e restaurantes, além de exposições de artes.... algumas lojas de roupas e souvenirs... os restaurantes ficam nos andares mais baixos, por onde não passei. 

Não me interessei por nada das lojas dentro do Mercado e, como já passava das 18:00, a maioria das lojas estavam fechadas!!

Daí fui caminhar pela Rue de la Commune para conhecer o Vieux Port (no dia anterior, eu já havia passado rapidamente por ali, pois fiz minha refeição no restaurante da praça Jacques Cartier e depois voltei à noite para assistir ao espetáculo Amaluña, do Cirque du Soleil, cuja tenda estava armada em Vieux Port).


Marché de Bonsecours

Rue Saint Paul

Capela Notre Dame de Bonsecours


Rue de la Commune

Rue de la Commune

E que delícia caminhar pela Rue de la Commune!!! Passeio mega agradável, viu??? Adorei!!! Dava vontade de ficar só por ali, observando as pessoas, o vai-e-vém, as carruagens, os artistas de rua... Delícia!!!

Ao longo da Rue de La Commune, no sentido da Catedral de Notre Dame, há vários - MUITOS - bares, restaurantes, bistrôs, mercadinhos, lanchonetes, sorveterias... uma festa!!!! Não faltam opções super charmosas e convidativas!!

Ahhhhhh... e os trilhos do trem, hein?? Sim... por ser uma região portuária e de escoamento (hoje em dia menos do que já foi no passado), havia também a linha do trem na região de Vieux Port... confesso que não sei se o trem ainda circula pelo local (não encontrei a informação!!)... e também não vi sinal algum de trem (nem barulho...)... 

Caminhei por ali, sentei nos banquinhos do boulevard em Vieux Port, passei em frente ao Centro de Ciências de Montreal, onde não entrei, e do Píer King Edward... e fui andando, contemplando a paisagem, vendo os barquinhos, catamarãs, observando as pessoas... e como eles estavam ali felizes por ser verão, por poderem curtir o dia... como já disse algumas vezes aqui, eu realmente fiquei impressionada em perceber o valor que os canadenses ou residentes dão ao verão e como celebram essa estação do ano.

Rue de la Commune

Rue de la Commune, cruzando com a praça Jacques Cartier

King Edward Pier + Centro de Ciências de Montreal

Vieux Port

King Edward Pier

Vieux Port

"Barquinhos" em Vieux Port - vista do Píer King Edward

nos trilhos do trem

Praça Jacques Cartier

Rue Saint Paul - na direção da Catedral de Notre Dame


Com a noite chegando, segui caminhando em direção à Catedral de Notre Dame. Queria muito conseguir ver o espetáculo de Luzes e Sons - "And Then... There Was Light" - e finalmente conhecer a Catedral por dentro!! 

O caminho entre a Praça Jacques Cartier e a Catedral de Notre Dame é ultra charmoso!! Aliás, para não ficar sendo redundante, eu diria que toda a Velha Montreal, por onde passei, é muito charmosa, encantadora e romântica!! Gostei demais!!

Lojas de souvenirs aos montes, mais restaurantes, bares, bistrôs... tudo uma graça... e muito movimentado!! O verão anima mesmo as pessoas por lá!!





A Catedral de Notre Dame, localizada na Place d'Armes, é riquíssima em detalhes no seu interior.

Mas, como optei por ver o espetáculo de luzes e sons, em um primeiro momento é contada a história da Catedral, seus primórdios, os esforços e investimentos feitos por todos os envolvidos na sua construção. E tudo isso isso é feito de forma teatral, com imagens e sons transmitidos em telões e panos. Bem bacana e diferente.

Esse espetáculo, que dura em torno de 30 minutos, tem horários diferentes para o verão e para o inverno, mas ele acontece o ano inteiro. Por isso é bom conferir primeiro a programação. Hoje, ele custa 10 dólares canadenses.

Ao término do espetáculo, os panos são recolhidos e a Catedral fica disponível para ser fotografa e percorrida por uns 15 minutos. Foi meio corrido, eu confesso! Gostaria de ficado mais uns 15 minutos além, para observar melhor os detalhes, para contemplar mais tanta beleza.

O principal período de construção da Catedral, do jeito que se vê hoje (isso porque, desde o início da civilização de Montreal, algumas igrejas menores foram construídas no local), ocorreu entre 1824 e 1829, inspirada na Catedral de Notre Dame de Paris. 

Independentemente da sua religião, por ser um lugar tão bonito, acredito que todos vão se encantar e ficar admirados com a arquitetura, com as cores... vale a pena visitá-la!!











Place d'Armes

E assim terminou meu segundo dia intenso de passeios em Montreal... e não é que eu ainda tinha 3 dias pela frente??? Haja disposição!! rsrsrs... =))

Nenhum comentário:

Postar um comentário