terça-feira, 20 de dezembro de 2011

BONITO!! Sétimo Dia...

Sétimo Dia: Cachoeira Boca da Onça

Segundo o ditado popular: “Quem ama o feio, bonito lhe parece!”. E quem ama Bonito? Aaaaaahhhhh... Estava tudo tão bom, tão lindo!! Mas esse já era o último dia de passeio!!! Que puxa... Como passou tão rápido e eu nem percebi??? Outro ditado popular diz que “alegria de pobre dura pouco”.. rsrs... Queria mais, muito mais!!
E então, acordamos cedo, bem cedo, para mais um dia de passeio! Dessa vez tínhamos que sair às 7:00h da pousada para chegar ao receptivo do Boca da Onça e iniciar o passeio às 9:00h. (http://www.bocadaonca.com.br/)



Esse era o passeio mais distante do hotel: cerca de 60Km do centro de Bonito! Advirto logo que as placas estão bem em cima das entradas e boa parte da estrada é de chão com terra e pedras. Um casal que pertencia ao nosso grupo errou o caminho umas duas vezes e chegou uns 25 minutos atrasado.
O passeio custou R$124,00 com almoço incluído.
O receptivo é excelente, com piscinas de água corrente e repletas de peixes, redário, ótimas instalações para descanso, vestiários e banheiros.





Iniciamos o passeio assistindo a um vídeo a assinando um termo de responsabilidade. Depois, cada visitante pega o seu carro e dirige até um estacionamento onde é iniciada a trilha para o passeio.
A Cachoeira Boca da Onça é a maior do Estado do Mato Grosso do Sul, com aproximadamente 155 metros de altura. Nesse passeio também há a opção de curtir o maior rapel de plataforma do Brasil, com 90 metros de altura.
Como eu não faria o rapel, fui direto para o início da trilha. O passeio é longo e durou mais ou menos umas 4 horas e meia. Aliás, além de longo, o que mais tem ao longo da trilha são degraus e escadas! Muitos!! Mais ou menos 3 mil degraus por toda a trilha!!



O percurso passa por 9 belas cachoeiras!







As cachoeiras que mais encantam são a da Anta, do Fantasma e a da Boca da Onça, é claro!



Cachoeira da Anta


Cachoeira do Fantasma

Especial destaque deve ser dado ao Buraco do Macaco, que é uma espécie de poço azul, lindíssimo e onde só se chega passando por baixo de uma caverna cheia de morcegos! Foi emocionante e senti muito nervoso! Mas vale muito a pena ir ao buraco do Macaco porque o azul cristalino do buraco é fascinante!



Chegando próximo à Cachoeira Boca da Onça, a trilha passa ao lado do Rio Salobra e o guia Kaike explicou que há planos para se fazer uma pausa para banho no rio em um balneário que se pretende fazer ali.
A trilha é muito fechada e, por isso, muito abafada. O calor é intenso e todas as pausas para banho são muito bem aproveitadas! São 4 paradas para banho em cachoeiras, incluindo a da Boca da Onça.
Por haver muitos degraus e alguns esculpidos em pedras, a trilha deve ser feita com calçado fechado e, de preferência, antiderrapante.
A chegada na Cachoeira da Boca da Onça é muito comemorada! A Cachoeira, mesmo não estando no seu volume máximo, exibindo seu esplendor todo, ainda assim é belíssima!



Há um lago na frente dela, com infraestrutura muito boa para banho. Cadeiras de madeira próprias para deitar-se e bronzear-se ficam espalhadas ao seu redor em um chão com tacos de madeira. Muito aconchegante e organizado.



Descobri que o nome Boca da Onça dado à Cachoeira deve-se ao fato de que uma parte dela, das suas pedras que a formam, realmente assemelha-se ao rosto de uma Onça (ou qualquer outro felino), faltando somente a boca.



Após um bom período de banho na Cachoeira e muitas fotos (alguém duvida??), seguimos para a trilha e aí sim veio a melhor parte do passeio: uma escadaria de 886 degraus até chegar ao ponto de retorno, no estacionamento onde ficou o carro para voltar para o receptivo. E haja fôlego! E haja disposição!



Subi calmamente, fotografando a paisagem, que é belíssima, da Serra da Bodoquena. Há alguns mirantes ao longo da subida, ótimos para uma pausa para respirar, recuperar o fôlego, beber água, e continuar subindo. Sim, é bom ter uma garrafa de água por pessoa porque a subida é cansativa, principalmente se for um dia muito ensolarado e quente.




Pista do Rapel vista da subida da escadaria

No final da subida, bem ao lado do término da escadaria, encontra-se a pista do rapel. Como já disse, é o maior rapel de plataforma do Brasil, com 90 metros da altura!! Quem se arrisca? Quem tem coragem? Eu deixei passar essa aventura... quem sabe numa próxima??





Terminado o passeio, pegamos o carro e voltamos para o receptivo. O almoço já estava pronto. Almoço simples, caseiro, com uma opção de carne bovina e outra de frango e doces caseiros também.



E, depois disso tudo, nada mais justo do que relaxar um pouco, curtir o visual do receptivo antes de botar o pé na estrada novamente e voltar para o centro de Bonito.
Ficando para trás a Boca da Onça, voltamos para o centro de Bonito e fomos lá na agência H2O Turismo fazer nosso acerto de contas, agradecer a todos pela atenção, pelo atendimento tão personalizado e bater mais um papinho, como sempre fizemos ao final de cada dia.
E, já na pousada Bonsai, era a hora de arrumar as malas e deixar tudo pronto para o dia seguinte.
À noite, como despedida de Bonito, fui experimentar o sensacional suco de limão com chantilly do Vício da Gula (rua principal de Bonito – Cel. Pilad Rebuá) e, para encerrar a parte gastronômica da viagem, não podia faltar alguma coisa feita com jacaré: Pastel de Jacaré, do Pastel Bonito, também na rua principal, bem pertinho da pracinha principal. Que pastel maravilhoso! Delicioso! Adorei!



E lá se foi a última noite em Bonito e aquele aperto de saudade já batia no peito e o gostinho de quero mais era latente... ai que dó!

Nenhum comentário:

Postar um comentário